Pesquisa por expressão: e/ou por período: até  
Artigos por Autor:   A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z

Artigos por Assunto    pixel

Marcello Vieira Machado Rodante 
Advogado. Sócio de Rodante & Scharlack Advogados. Pós-Graduado em Direito Processual Civil e Extensão em Fusões e Aquisições pelo Instituto Internacional de Ciências Social. Especialista em Arbitragem pela Fundação Getulio Vargas e Extensão em Arbitragem Comercial Internacional pela Washington College of Law. Especialista em negociação, arbitragem e contencioso judicial. Membro do Comitê Brasileiro de Arbitragem.

Artigo - Federal - 2013/3299

Arbitragem: sentença arbitral nacional e estrangeira
Marcello Vieira Machado Rodante*

Muito se tem falado sobre arbitragem nos dias atuais, e, com isso, alguns conceitos básicos, que norteiam o instituto, vêm sendo difundidos nos meios de comunicação. Nesse sentido, é importante esclarecer - à luz do sistema jurídico brasileiro - a diferença entre uma sentença arbitral nacional de uma sentença arbitral estrangeira.

De acordo com a Lei de Arbitragem (Lei 9.307/1996), é considerada sentença arbitral nacional a decisão proferida no território brasileiro. Consequentemente, sentença arbitral estrangeira será aquela proferida em outro território. O critério de definição eleito pelo legislador brasileiro, como se nota, foi puramente territorial.

Disso resulta que a sentença arbitral, quando nacional, poderá ser executada diretamente em primeira instância, tal como uma sentença judicial. Por sua vez, a sentença arbitral estrangeira, para poder ser executada, deverá se submeter a um processo de homologação (reconhecimento), o qual se desenvolve perante o Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Dessa forma, compete ao STJ verificar se a sentença estrangeira possui, ou não, determinados vícios que a impeçam de ser reconhecida e executada em solo nacional.

Registre-se, ainda, que se a sentença for proferida no Brasil - dada a eleição pelas partes da sede brasileira - eventual ação de anulação (da sentença arbitral) será igualmente realizada perante o judiciário brasileiro.

Noutro passo, caso a sentença brasileira tenha que ser executada em outro país - possivelmente por lá existirem bens passíveis de expropriação -, a parte interessada deverá submeter essa mesma sentença à análise do Judiciário estrangeiro, o qual, então, apreciará se tal sentença merecerá ser reconhecida (homologada) ou não.

Muito embora nem todos os países do globo possuam uma Lei de Arbitragem, nem tampouco sejam signatários de Convenções Internacionais referentes à matéria, diversos países - ao menos os países de maior importância econômica no cenário comercial internacional - possuem uma Lei própria de Arbitragem, assim como são signatários de convenções e tratados internacionais.

A propósito, a convenção de Nova Iorque de 1958 - da qual o Brasil e outros 146 países são signatários - delimita as bases para a aceitação ou recusa de uma sentença estrangeira.

Essencialmente e de forma simplista, uma sentença arbitral estrangeira poderá ter a sua homologação recusada nos casos de demonstração de

(i) incapacidade das partes;

(ii) invalidade da convenção arbitral;

(iii) violação à ampla defesa e ao contraditório;

(iv) quando a sentença decidir sobre matéria não prevista no compromisso arbitral; ou

(v) se a sentença ainda não tiver se tornado obrigatória, bem como se suspensa ou anulada na sede.

Ainda, poderá haver a recusa ao reconhecimento na hipótese de a autoridade competente verificar a existência de violação à ordem pública local ou considerar que a lide não era arbitrável (segunda a lei do país receptor da homologação).

Como se observa, a Convenção de Nova Iorque estabeleceu poucos - porém importantes - fundamentos para que uma sentença estrangeira não fosse admitida por um Estado signatário. Mas, não sucumbindo a sentença a nenhum dos vícios apontados, o reconhecimento deve ser admitido.

É interessante perceber, ainda, que a autoridade competente para realizar tal procedimento de reconhecimento, à luz da convenção de Nova Iorque, não poderá analisar o mérito da decisão arbitral - considerá-la correta ou equivocada, justa ou injusta. A verificação deverá se ater aos critérios e requisitos expressamente delimitados na referida convenção.

 
Marcello Vieira Machado Rodante*

  Leia o curriculum do(a) autor(a): Marcello Vieira Machado Rodante .



- Publicado em 14/03/2013



Todas as legislações citadas neste artigo estão disponíveis na íntegra no CHECKPOINT. Se você ainda não é usuário faça AQUI sua solicitação de acesso para degustação.

Veja também outros artigos do mesmo autor: