Pesquisa por expressão: e/ou por período: até  
Artigos por Autor:   A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z

Artigos por Assunto    pixel

Paulo Roberto de Souza Junior 
Mestre em Direito. Pós-Graduado (especialização) em Direito Tributário. Pós-Graduado (especialização) em Gestão Hospitalar - Direito Público - Direito da Cidade. Pós-Graduando em Direito Constitucional. Professor da FAETEC, da SEE/RJ e da UNIGRANRIO - ECSA.

Artigo - Societário - 2013/3282

A responsabilidade tributária dos sócios-administradores na condução de uma sociedade empresária limitada
Paulo Roberto de Souza Junior*

1 - Introdução

O Direito Tributário pode ser entendido como o ramo do direito público interno que regula as relações entre o poder tributante e o sujeito passivo da obrigação tributária.

Este poder de tributar é irrenunciável e indelegável, porém não absoluto, pois a própria Constituição define o modo de exercício do mesmo, através de comandos que garantem a harmonia e o equilíbrio na relação jurídico-tributária (poder-dever). Sua finalidade consiste na regulamentação das relações de natureza tributária entre o sujeito ativo (titular da capacidade) e passivo (contribuinte e responsável tributário).

Donde se apresenta a configuração do sistema financeiro-tributário que é parte essencial do pacto federativo, onde há repartição de receitas arrecadas. Um desses aspectos é a soberania tributária ou soberania fiscal, essencial para a existência do Estado.

Há de ser reconhecido o direito de participação das regiões dentro do Poder Central, em decorrência de sua autonomia, através de seus representantes, como acontece no Brasil, no Senado Federal. O caráter federalista manifesta-se especialmente pela união de órgãos dos Estados federados para formar órgão colegiado do Estado Federal.

Atrelados a isso, a proteção ao núcleo essencial dos direitos fundamentais, a qual está associada à compreensão que usualmente se tem com respeito a tal categoria dogmática. O dever de proteção a este núcleo representa uma obrigação de não fazer em face dos efeitos de direitos a não-afetações, direitos a não-impedimentos e direitos a não-eliminação de posições jurídicas, tipicamente produzidas por tais direitos.

A Constituição Federal não cria tributos, apenas outorga competência para que os entes políticos o façam por meio de leis próprias. Estes são distribuídos e definidos por critérios que se relacionam diretamente com os objetivos a serem alcançados, em decorrência da organização do Estado e de sua forma federativa. Exige-se lei complementar: fato gerador, base de cálculo e contribuinte (CF, art. 146, III, a), não sendo outra a visão do STF, quanto a sua instituição: STF - RE 191.703 - AgR/SP: É aplicável ao exercício da competência tributária a regra que a União ao deixar de editar normas gerais, os Estados podem exercê-las plenamente (CF, art. 24, § 3, CF).

Tal competência (01) (é política e se refere à possibilidade de editar leis instituindo o tributo) difere da capacidade tributária (02), assim, podendo este ser delegada a outra pessoa jurídica de direito público ou nos casos que a lei ou decisão judicial (03) permitir tal delegação a pessoa jurídica de direito privado.

Hugo de Brito Machado ao citar Regina Helena Costa sobre a presente distinção menciona que "... o dispositivo (art. 7º do CTN) que remete a preceito da Constituição Federal de 1946, deixa clara a distinção entre os conceitos de competência tributária e capacidade tributária ativa. A competência tributária, consistindo espécie de competência legislativa, é um 'plus' em relação à capacidade tributária ativa, assim entendida como a aptidão para a arrecadação e fiscalização dos tributos. Enquanto a competência tributária, dentre outras características, é indelegável, por assim o ser a competência de natureza legislativa, a capacidade tributária ativa, de natureza administrativa, pode ser transferida a outrem, mediante lei." (04)

Sua repartição poderá ser dada da seguinte forma: competência tributária privativa (art. 153, CF/88), competência tributária comum (tributos vinculados: taxas e contribuição de melhoria) e competência tributária cumulativa (art. 147, da CF/88).

Sacha Calmon Navarro Coêlho (05) menciona que o dever de pagar de tributos, igualmente, surge porque a lei elege determinados eventos como geradores de obrigações tributárias se e quando ocorrerem no mundo (...), tudo conforme o princípio de imputação, que vem a se atribuir dadas conseqüências a certos fatos e atos a priori previstos.

Esta sanção traz consigo o dever de responsabilização, a qual pode apresentar-se de forma objetiva e subjetiva. Já, a responsabilidade por infrações nesta esfera do Direito, apresenta-se relativamente ao descumprimento de obrigações tributárias principais e acessórias (06), sendo, em princípio, de cunho objetiva, uma vez que não seria necessário pesquisar a eventual presença do elemento subjetivo (culpa e dolo), além de, desconsideram-se as circunstâncias que excluam ou atenuem a punibilidade.

Com isso, facilita-se a aplicação de penalidades, já que independe de intenção do agente. Esta é pessoal do agente quando do cometimento de infrações conceituadas por lei como crimes ou contravenções, bem como quanto às infrações que decorrem direta e exclusivamente de dolo específico (07).

Em regra é dever dos sócios administradores, recolherem os impostos provenientes de sua atividade empresarial, de forma a cumprir suas obrigações perante o Fisco. No entanto, muitas vezes, os recolhimentos dos mesmos não são feitos em sua integralidade, passível de ação de execução.

O STJ tem avaliado a aplicação da responsabilidade objetiva e reconhecido sua utilização em termos, onde se avalia, no cometimento da infração, a ausência de prejuízo ao Fisco e a não comprovação da má-fé do contribuinte (08) para retirar a punição do mesmo. A denúncia espontânea acompanha de seu pagamento, se for o caso, também ilide a referida responsabilidade.

Ressalta-se que, não se deve confundir responsabilidade objetiva por infrações à legislação com a não utilização dos princípios constitucionais do direito ao contraditório e da ampla defesa, pois estes são assegurados a todos os contribuintes. Assim, haverá necessidade da fundamentação dos fatos e do direito vilipendiados por parte do Fisco para que haja a defesa dos interessados e não apenas a punição dos mesmos sem este exercício.

Assim, perfaz-se a necessidade deste estudo e aplicação da responsabilidade tributária in causu, com finalidade apreciar a aplicação da mesma dentro de uma sociedade empresária limitada.

2 - Tributo e a relação jurídica-tributária

2.1 - Tributo

O conceito de tributo no Brasil é um dos mais perfeitos do mundo, sendo o objeto de seu estudo, o direito tributário positivo ou objetivo. Sua natureza jurídica é definida por seu fato gerador, ou seja, o fato praticado é que gera a obrigação de pagamento. Este fato gera uma relação jurídico-tributária, diferenciando-se da multa porque esta, embora prevista em lei em favor do Estado, decorre de um fato ilícito.

Segundo Sacha Calmon Navarro Coêlho (09) tributo é toda prestação pecuniária em favor do Estado ou de pessoa por ele indicada, tendo por causa um fato lícito, previsto em lei.

O referido mestre (10) reflete tal conceito e sintetiza sua essência, ao mencionar que mesma é ser a prestação pecuniária compulsória em favor do Estado ou da pessoa por este indicada (parafiscalidade), que não constitua sanção de ilícito (não seja multa), instituída por lei (não decorrente de contrato).

Paulo de Barros Carvalho menciona que a norma jurídico-tributária divide-se em duas partes: hipótese endonormativa e conseqüência endonormativa (11). Na primeira, inclui os seguintes critérios: o material (o fato em si); o temporal (determinando as circunstâncias de tempo que envolve o fato jurígeno já materialmente descrito); o espacial (indicativo das condições de lugar em que o fato ocorrer) e, na conseqüência, enxerga-se dois critérios, a saber: o pessoal e o quantitativo.

Esta obrigação tributária nasce da referida relação jurídica, entre o sujeito ativo (entre político - competente) e o sujeito passivo (agente particular), onde o segundo deve uma obrigação para o primeiro. Sendo divida em principal e acessória, onde a primeira, é o dever de realizar o pagamento e, a segunda, de fazer ou deixar de fazer algo dentro do mundo jurídico com reflexo dentro do campo tributário.

A doutrina nacional registra quanto às espécies tributárias quatro correntes, como menciona Ricardo Alexandre (12).

O CTN, em seu art. 5º, utiliza-se da teoria da tripartição e, o STF tem adotado a teoria da pentapartição. Podemos relacionar duas correntes em relação à vinculação de tais espécies tributárias, as vinculadas, onde sua base de cálculo está ligada ao valor da atividade anteriormente exercida pelo Estado, sendo a mensuração econômica desta atividade e, as não vinculadas, onde a base de cálculo é a grandeza econômica desvinculada de qualquer atividade estala (13).

2.2 - Participes da relação jurídico-tributária: O sujeito ativo e o sujeito passivo

2.2.1 - Sujeito ativo

O sujeito ativo, credor, é o titular do direito de cobrar do sujeito passivo da relação jurídica tributária, a obrigação tributária, em questão. Conforme preceitua o artigo 119 do CTN, "Sujeito ativo da obrigação é a pessoa jurídica de direito público titular da competência para exigir o seu cumprimento".

Sacha Calmon Navarro Coêlho, ao avaliar o art. 119 do CTN, discorre que o mesmo ignora a diferença entre a competência para legislar sobre relações jurídico-tributárias para emissão de comandos e a capacidade para lançar e receber tributos na qualidade de sujeito ativo da obrigação tributária. Não há, necessariamente, identidade entre ambas, pois pode a lei autorizar uma pessoa jurídica de Direito Privado (SESI, SENAC, SENAI, entre outros) e até pessoas naturais (tabeliões, por exemplo) como sujeito ativo da referida obrigação (14).

Segue Eduardo Marcial Ferreira Jardim, o mesmo entendimento, quando sintetiza que o sujeito ativo "é a pessoa incumbida do direito subjetivo de promover a cobrança do tributo. Embora no mais das vezes o sujeito ativo seja a própria pessoa constitucional titular da competência tributária, nem sempre esta ocupa o pólo ativo da obrigação" (15).

Paulo de Barros Carvalho reforça dizendo que "O sujeito ativo é o titular do direito subjetivo de exigir a prestação pecuniária e, no direito brasileiro, pode ser uma pessoa jurídica, pública ou privada, se bem que não vejamos empecilho técnico de que seja uma pessoa física. (16)"

Caso esta sujeição acontecer em decorrência do desmembramento territorial de outra, ou outras pessoas políticas, a legislação a ser aplicada será a de que deu origem ao novo ente político até que entre em vigor sua própria legislação.

2.2.2 - Sujeito passivo

O sujeito passivo terá dois tipos de obrigação, na área tributária, a principal (obrigação de dar) e a secundária (obrigação de fazer ou não fazer), onde a primeira é tão somente de caráter pecuniário, ou seja, de pagar o tributo.

Sacha Calmon Navarro Côelho menciona que o sujeito passivo é denominado pelo CTN de contribuinte quando realiza, ele próprio, o fato gerador da obrigação, e de responsável quando, não realizando o fato gerador da obrigação, a lei imputa o dever de satisfazer o crédito tributário em prol do sujeito ativo.

Pelo sistema do Código, o responsável assume esta condição por dois modos: a) substituindo aquele que deveria ser naturalmente o contribuinte, por vários motivos previstos em lei. Esta surge contemporaneamente à ocorrência do fato gerador; b) recebendo por transferência o dever de pagar o tributo antes atribuído ao contribuinte, o qual, por motivos diversos, não pode ou não deve satisfazer a prestação. Refere-se num momento posterior, em que a lei define a modificação da pessoa que ocupa o pólo passivo da obrigação, podendo ser por sucessão (arts. 129 a 133, CTN); de terceiros (arts. 134 e 135, CTN); e, por infração (arts. 136 a 138, CTN).

Neste último modo de transferência de responsabilidade o que se transfere na opinião do eminente doutrinador citado, é o dever jurídico, que migra total ou parcialmente do contribuinte para o responsável; já, nos casos de substituição tributária a pessoa que pratica o fato gerador não chega a ser contribuinte, apenas, há substituição, instituindo um responsável (substituído legal tributário) (17).

2.3 - Obrigação tributária

O legislador brasileiro, instituidor do Código Tributário Nacional buscou no Código Civil a estrutura da obrigação tributária. Definindo-a como uma relação de cunho eminentemente obrigacional (18).

Geraldo Ataliba citado por Gilda Maria Giraldes Seabra (19) menciona que o objeto dos comandos jurídicos só pode ser o comportamento humano. Nenhum preceito se volta para outra coisa senão o comportamento. Não há norma jurídica dirigida às coisas. Só o comportamento livre do homem (e, por extensão, o das pessoas jurídicas) pode ser objeto dos mandamentos jurídicos.

Podemos sintetizar o conceito de obrigação na lição de Maria Helena Diniz (20), a qual conceitua uma obrigação como sendo "correspondente ao vínculo que liga um sujeito ao cumprimento de dever imposto pelas normas morais, religiosas, sociais ou jurídicas". Já, a obrigação tributária é entendida como o vínculo jurídico mantido diretamente entre o sujeito ativo e o passivo em torno do tributo.

Não sendo outra a definição de Hugo Brito Machado, o qual afirma que tal obrigação é:

"... a relação jurídica em virtude da qual o particular (sujeito passivo) tem o dever de prestar dinheiro ao Estado (sujeito ativo), ou de fazer, não fazer ou tolerar algo no interesse da arrecadação ou da fiscalização dos tributos, e o Estado tem o direito de constituir contra o particular em crédito". (21)

Kiyoshi Harada (22) afirma que a autonomia entre a obrigação tributária e a obrigação civil tem como causa, invariavelmente, a lei e não a convergência de vontades, essencial na obrigação de natureza civil.

A obrigação tributária é sempre 'ex lege'. Ocorrendo uma situação, nela prevista, como necessária e suficiente para concretização do seu fato gerador surgem para o Estado (credor) o direito de exigir de um sujeito passivo (devedor) o tributo (objeto da obrigação tributária), nos termos do artigo 113 do Código Tributário Nacional, sob pena de sanção. Esta será tida como principal.

Gilda Maria G. Seabra utilizando o a doutrina de Caio Mario da Silva Pereira menciona que a obrigação principal, pelo direito civil, é uma obrigação autônoma e independente de qualquer outra. Por outro lado, a obrigação acessória segue a sorte da obrigação principal e dela depende total e absolutamente (23) e, decorre apenas da legislação tributária.

A obrigação tributária principal ou patrimonial, de acordo com o §1º do art. 113 do CTN, é aquela que surge com a ocorrência do fato gerador, tem por objeto o pagamento de tributo ou penalidade pecuniária e extingue-se juntamente com o crédito dela decorrente. É a obrigação de dar (pagar) ao sujeito ativo, ou seja, implica entrega de dinheiro ao Estado.

Ricardo Lobo Torres, quanto ao objeto da obrigação tributária principal diz que o:

"Tributo é o dever fundamental, consistente em prestação pecuniária, que é exigido de quem tenha realizado o fato descrito em lei" (24).

Caso o sujeito passivo deixar de satisfazer a prestação jurídica a que está obrigado, aflora a sua responsabilidade tributária permitindo, assim, que o credor - sujeito ativo - possa constrangê-lo ao cumprimento daquela prestação, tendo como garantia o seu patrimônio.

A obrigação tributária acessória ou não-patrimonial, pelo descrito no §2º do mesmo art. 113, decorre da legislação tributária (e tem termo mais abrangente que o termo "lei") por objeto as prestações, positivas ou negativas, nela previstas no interesse da arrecadação ou da fiscalização dos tributos. Pressupõe a realização de atos que auxiliem a Administração Tributária na fiscalização dos tributos, e, por conseguinte, não possuem "fato gerador".

2.3.1 - Fato gerador da obrigação tributaria

A teoria do fato gerador é o ponto central do estudo do direito tributário, tanto para o fisco, como para o contribuinte, já que da união deste (fato gerador) com a hipótese de incidência faz nascer à obrigação tributária, conforme menciona, Ricardo Alexandre este - fato gerador - em concreto é um fato imponível, e, em abstrato gera a hipótese de incidência.

Não sendo outro entendimento de Kiyoshi Harada diz que:

"Costuma-se definir o fato gerador como uma situação abstrata, descrita na lei, a qual, uma vez ocorrida em concreto enseja o nascimento da obrigação tributária. Logo, essa expressão fato gerador pode ser entendida em dois planos: no plano abstrato da norma descritiva do ato ou do fato e no plano da concretização daquele ato ou fato descrito".

A duplicidade do emprego do termo fato gerador e da hipótese de incidência pelo Código Tributário Nacional torna-se claramente evidenciada quando da análise comparativa do artigo 116 e o inciso II, do artigo 104. Observa-se que ambas as expressões são mencionadas pelo Código, no entanto, reiteradamente são utilizadas como sinônimas. Como exemplos, o código Tributário Nacional anuncia os fatos geradores (hipóteses de incidência) de cada tributo (29).

O professor Hugo de Brito Machado , sobre esta questão terminológica, diz que "diversas têm sido as denominações utilizadas pela doutrina para designar o fato gerador. Entre outras: suporte fático, situação base de fato, fato imponível, fato tributável, hipótese de incidência. No Brasil tem dominado, porém, a expressão fato gerador, que se deve à influência do Direito francês, sobretudo pela divulgação, entre nós, do trabalho de Gaston Jèze, específico sobre o tema".

Conforme observa Amílcar Falcão "para o nascimento da obrigação tributária necessário é que surja concretamente o fato ou pressuposto que o legislador indica como sendo capaz de servir de fundamento à ocorrência da relação jurídica tributária".

Dessa forma, o fato gerador deve ser descrito em lei, consoante lição do jurista Sacha Calmon Navarro Coêlho "o fato gerador deve ser descrito em lei em razão do princípio da legalidade. Deve ser minuciosamente descrito para evitar ao aplicador da lei entendimentos dilargados a seu respeito, gerando insegurança ao contribuinte".

Quanto à relação do fato gerador e o nascimento da obrigação tributária, podemos mencionar a lição de Paulo de Barros Carvalho (33):

"Quando se diz que, ocorrido o fato, nasce a relação jurídica, estamos lidando com o acontecimento de dois fatos: do fato causa (fato jurídico) e do fato efeito (relação jurídica)".

Assim, o fato gerador do tributo definido, caracterizado e conceituado por lei é um do relevante aspecto do chamado princípio da legalidade ou da reserva da lei, em matéria tributária. Sem a previsão ou definição legal, não se configurará o fato gerador. Não será, pois, assinalado o momento em que se reputa instaurada a obrigação tributária. Assim, haverá um fato, da vida comum, relevante, talvez, para outros ramos do direito, mas, para o direito tributário, será ele um fato juridicamente irrelevante.

Do não pagamento desta obrigação, nasce o crédito tributário, segundo o art. 139 do CTN. Este, por conseguinte, decorre da obrigação e tem a mesma natureza desta. Podendo, ser conceituado, como "o vinculo jurídico, de natureza obrigacional, por força do qual o Estado (sujeito ativo) pode exigir do particular, o contribuinte ou responsável (sujeito passivo) o tributo ou da penalidade pecuniária (objeto da relação obrigacional)". (34)

Após sua constituição pela autoridade administrativa, só poderá ser alterado, suspenso ou extinto, nos casos previstos em lei, não podendo a autoridade administrativa dispensar seu pagamento, nem suas garantias, sob pena de responsabilidade funcional (35). Só esta pode realizar o lançamento, e, este pode ser conceituado, como:

O procedimento administrativo tendente a verificar a ocorrência do fato gerador da obrigação correspondente, identificar o seu sujeito passivo, determinar a matéria tributável e calcular ou por outra forma definir o montante do crédito tributário, aplicando, se for o caso, a penalidade cabível. (36)

A lei identifica três formas de lançamento, quais sejam: o lançamento de ofício (37), o lançamento por declaração (38) e o lançamento por homologação (39). Este procedimento possui duas fases: a oficiosa (40) e a contenciosa (41). Possui efeitos ex tunc (retroativos), pois o mesmo sempre se refere ao passado, retroagindo no tempo para constituir crédito decorrente de obrigação surgida no passado. Aplicando ao infrator a lei mais benéfica.

3 - A sociedade empresária limitada e suas responsabilidades jurídico-tributárias

3.1 - A sociedade empresarial e a sua personificação

O Código Civil de 2002, em seu artigo 1º, reza que "Toda pessoa é capaz de direitos e deveres na ordem civil". Diante disso, podemos mencionar que sujeito - jurídico - é aquele que exerce direitos e tem obrigações a cumprir. O atributo da personalidade é conferido pelo próprio ordenamento jurídico, tanto a pessoa natural, quanto a pessoa jurídica.

A pessoa jurídica adquire personalidade jurídica quando devidamente inscrita no órgão competente. Este dependerá do tipo de sociedade, ou seja, se possui finalidade de lucro - sociedade empresarial - ou não - sociedade civil sem finalidade de lucro.

A sociedade empresarial adquire esta personalidade jurídica própria, tendo autonomia processual e patrimonial, com a inscrição de seus atos - contrato social ou estatuto social - no Registro Público das Empresas Mercantis e Atividades Afins (42), pois tal inscrição define a separação de seu patrimônio e dos seus sócios, conforme reza o art. 985 do Código Civil de 2002.

A principal finalidade do registro das empresas mercantis diz respeito à publicidade dos "atos e fatos do comércio neles registrados" (43).

Inscrito o contrato social da sociedade em tela, nas Juntas Comerciais do Estado onde irão atuar, define sua personificação e traz consigo quatro importantes efeitos, quais sejam: aquisição de patrimônio próprio, de nome próprio, de nacionalidade própria e domicílio próprio (44).

Francisco do Amaral menciona que a personificação possui diversos efeitos práticos, dentre os quais se destacam:

"a) a pessoa jurídica é um ente autônomo em relação às pessoas naturais que o constituem; b) a pessoa jurídica constitui um novo foco de direitos e deveres, dotado de capacidade de direito e de fato, e de capacidade para postular em juízo; c) o destino econômico da pessoa jurídica é diferente do destino econômico dos seus membros participantes; d) a autonomia patrimonial da pessoa jurídica faz com que não se confundam o patrimônio desta com o de seus membros; e) as relações jurídicas da pessoa jurídica são independentes das de seus membros, existindo a possibilidade de se firmarem relações jurídicas entre a pessoa jurídica e um ou mais de seus membros; f) a responsabilidade civil da pessoa jurídica é independente da responsabilidade de seus membros". (45)

Como os atos praticados em nome da pessoa jurídica são necessariamente, efetivados pelas pessoas naturais que a constituem, é possível que não poucas vezes a personalidade jurídica possa ser usada como uma máscara para encobrir atos ilícitos ou abuso de direitos, havendo hipóteses em que o patrimônio dos sócios pode ser alcançado para saldar débitos civis ou tributários da pessoa jurídica (46).

3.2 - A sociedade empresarial limitada: suas características

Inicialmente necessitamos de conceituar empresa, noção que retiramos de Celso Marcelo de Oliveira, que ao citar Carvalho de Mendonça menciona que:

"É a organização técnico-econômica que se propõe a produzir mediante a combinação dos diversos elementos, natureza, trabalho e capital, bens ou serviços destinados à troca (venda), com esperança de realizar lucros, correndo os riscos por conta do empresário, isto é, daquele que reúne, coordena e dirige esses elementos sob sua responsabilidade". (47)

O referido autor reporta-se também ao conceito de Fran Martins, para este a:

"Empresa é objeto de direito, e não sujeito de direito. Tem-se, portanto, que a empresa é a atividade desenvolvida pelo empresário, este sim o sujeito do direito" (48).

Esta sociedade empresária, que busca na realização do lucro, sua atividade principal, possui vários tipos. O presente trabalho estuda uma delas, a Sociedade por Quotas de Responsabilidade Limitada e agora designada pelo Novo Código Civil Brasileiro, Lei nº 10.406, de 10.01.2002, de Sociedade Limitada, teve origem no direito alemão do final do século XIX, onde a lei de 1892 criou o tipo societário Gesellschaft mit Beschänkter haftung.

No Brasil, este tipo societário foi instituído pelo Decreto nº 3.708 de 1919. Hoje, o novo Código Civil é o que trata deste tipo de sociedade, onde estabelece que todos os sócios respondem solidariamente pela exata estimação dos bens conferidos ao capital social até o prazo de cinco anos da data do registro da sociedade (49). Facultando aos sócios instituir um Conselho Fiscal composto de três ou mais membros e respectivos suplentes eleitos em assembléia. Havendo o Conselho Fiscal os sócios minoritários que representam 20% (vinte por cento) do capital social, terão o direito de eleger um membro e respectivo suplente do Conselho (50).

Nas sociedades empresariais limitadas, a responsabilidade dos sócios é solidaria e restrita à integralização das cotas de todos os sócios ao capital social da empresa (51). Podendo ser considerada como, um produto híbrido, que se situa entre as sociedades de pessoas e as de capital, tem servido como um modelo dúctil, capaz de albergar desde as simples sociedades entre marido e mulher até as holdings e que, portanto não mereceria em princípio alterações, até porque a doutrina e a jurisprudência têm sabido com galhardia enfrentar e resolver os problemas que apresenta (52). O patrimônio dos sócios não pode ser comprometido para a satisfação de dívida da sociedade, enquanto não exaurido o patrimônio social (53).

Este é o limite de responsabilidade dos sócios não-administradores, pois os que exercem esta função na sociedade empresária, respondem por seus atos na gestão da mesma, quando infringirem a lei ou o contrato ou forem extintas sem os devidos trâmites legais.

Jorge Luiz Braga menciona que existe uma exceção a regra citada, a qual está estampada no art. 1.080 do novo Código Civil (54).

A 2.ª Turma do E. STJ, em Recurso Especial nº 1.009.045 (55), apontou a diferença entre o ato da pessoa jurídica, através de seus órgãos, e o ato da pessoa natural, fora dos poderes que lhe foram atribuídos, no que tange a responsabilidade tributária da sociedade e determinou a exclusão do sócio da empresa executada do pólo passivo da execução física, quando não há caracterização da infração na disposição legal.

Hugo de Brito Machado menciona que pelo exposto, a responsabilidade tributária de sócios e representantes de pessoas jurídicas de direito privado pode ser "a) nas sociedades cujos sócios respondem ilimitadamente, há responsabilidade subsidiária destes em caso de impossibilidade econômica da pessoa jurídica; e responsabilidade pessoal do sócio que agir com excesso de poderes, contra a lei ou o contrato social; b) nas sociedades cujos sócios respondem de forma limitada, há responsabilidade subsidiária de cada um, limitada nos termos da lei comercial, no caso de impossibilidade econômica da pessoa jurídica; e responsabilidade pessoal e ilimitada do gerente, diretor ou representante que agir com excesso de poderes, contra a lei ou o contrato social" (56).

Para o ilustre mestre, um adequado entendimento do artigo 135 do CTN, portanto, não é relevante saber se o não pagamento de um tributo é infração à lei. O importante é aferir quem praticou essa infração, se a pessoa jurídica através de seu órgão, ou se a pessoa natural que a corporifica.

4 - A responsabilidade tributária nas sociedade empresariais limitadas: Sócios, ex-sócios, administradores e ex-administradores

A pessoa jurídica deve ser preservada, como instituição, garantindo o crescimento de empreendedores para atuação no mercado, entretanto, a inadequada interpretação de normas levam, segundo Soraya Marina Barcelos (57), à indevida responsabilização de seus sócios na esfera tributária é nociva a mesma, visto que o transbordamento da responsabilidade tributária para terceiros diminui o interesse dos empresários em lançar-se ao mercado, abrindo oportunidades de trabalho e fomentando a economia.

Assim, esta sanção, dentro do direito em análise, deve ser apurada de forma adequada, garantindo-se, nesta fase, às empresas e seus sócios, os princípios da ampla defesa e do contraditório atuando dentro da segurança jurídica e da legalidade.

Norberto Bobbio define a sanção como:

"O expediente através do qual se busca, em um sistema normativo, salvaguardar a lei da erosão das ações contrárias" (58). Paulo Roberto Coimbra Silva aduz que "no caso concreto, a sanção aplicada provê um castigo ou aflição como uma solução ordeira para aplacar o instintivo sentimento humano de demandar uma retribuição" (59).

A eficácia desta sanção para Michel Foucalt "é atribuída à sua fatalidade, não à sua intensidade visível; a certeza de ser punido é que deve desviar o homem do crime e não mais o abominável teatro (...)" (60). Esta pode funcionar como meio retributivo ou como meio de proteger as diretrizes daquele mandamento legal. E quando este mandamento legal é desobedecido menciona Sacha Calmon Navarro Coelho pode haver dois sentidos: positivo e negativo (61).

Esta traz consigo o dever de responsabilização, a qual pode apresentar-se de forma objetiva e subjetiva.

4.1 - Responsabilidade objetiva e subjetiva dentro do direito tributário

A responsabilidade objetiva (62) é justamente aquela que é imputada a determinadas pessoas, independentemente da análise da existência de dolo ou culpa na prática do respectivo ato. Em contrapartida, é subjetiva a responsabilidade cujo surgimento depende da presença de tais elementos.

Quando um comportamento é punível, é porque o seu contrário é obrigatório. Se age quando o dever é uma omissão (por exemplo: não matar), a ação de matar é que é a hipótese de punição. Se não se age quando o dever é agir (por exemplo: pagar tributo), o comportamento consistente em não pagar - comportamento omissivo - é que é a hipótese de punição.

Corrolaborando com esta idéia Hugo de Brito Machado, menciona que a diferença para ele é simples, "na responsabilidade objetiva não se pode questionar a respeito da intenção do agente. Já na responsabilidade por culpa presumida tem-se que a responsabilidade independe de intenção apenas no sentido de que não há necessidade de se demonstrar a presença de dolo ou culpa, mas o interessado pode excluir a responsabilidade fazendo prova de que, além de não ter a intenção de infringir a norma, teve intenção de obedecer a ela, o que não lhe foi possível fazer por causas superiores à sua vontade" (63).

A responsabilidade por infrações nesta esfera do Direito se apresenta relativamente ao descumprimento de obrigações tributárias principais e acessórias (64), sendo, em princípio, de cunho objetiva, uma vez que não seria necessário pesquisar a eventual presença do elemento subjetivo (culpa e dolo), além de, desconsideram-se as circunstâncias que excluam ou atenuem a punibilidade.

Assim, no caso da pessoa jurídica cometer ilícito, a multa será aplicada contra a própria pessoa jurídica e não contra o agente (pessoa física) que tenha concretizado, efetivamente, a conduta ilícita. No entanto, no artigo 137 existem importantes exceções, determinando a punição pessoal, como afastamento do sujeito passivo da infração. Há uma personalização das penas tributárias, alcançando o agente, que deve se submeter à sanção imposta (65).

Com isso, facilita-se a aplicação de penalidades, já que independe de intenção do agente. Esta é pessoal do agente quando do cometimento de infrações conceituadas por lei como crimes ou contravenções, bem como quanto às infrações que decorrem direta e exclusivamente de dolo específico.

Ricardo Alexandre (66) salienta que nos termos do art. 136 do CTN nada impede que o legislador decida por atribuir caráter subjetivo à responsabilidade por determinadas infrações, uma vez que o dispositivo é iniciado com a ressalva "salvo disposição em contrário", desde que o faça expressamente.

4.2 - A doutrina e a análise do tipo de responsabilidade tributária dos adiministradores de sociedade empresárias - Arts. 134 e 135 do CTN

4.2.1 - Os tipos de responsabilidades: Por transferência e por substituição

Zelmo Denari citado por Sacha Calmon Navarro Coêlho (67) menciona que, a sujeição passiva direta engloba a figura do contribuinte e a do substituído, enquanto a sujeição passiva indireta engloba o responsável, e o sucessor, intervivos ou causa mortis ou por sub-rogação a terceiros (responsáveis). A primeira pode ocorrer em duas situações: o contribuinte que paga dívida tributária por fato gerador próprio ou quando o destinatário legal tributário, paga dívida tributária própria por fato gerador alheio (terceiro); e, a segunda, ocorre quando a lei determina, a partir de certos pressupostos, transferência a terceiros o dever de pagamento do tributo (sujeição passiva por transferência).

A responsabilidade por transferência ocorre quando a obrigação tributária depois de ter surgido contra uma determinada pessoa (que seria o sujeito passivo direto), entretanto, em virtude de um fato gerador possível, transfere-se para outra pessoa diferente (68). Esta se divide em três: por sucessão; por solidariedade; e, por terceiros. O art. 128 do CTN (69) define tal momento.

A responsabilidade por substituição ocorre quando o dever do contribuinte é imputado pela lei a uma pessoa não envolvida com o fato gerador, mas que mantém com o "substituído" nas relações que lhe permitem ressarcir-se da substituição, ou seja, ocorre quando uma pessoa diferente daquela que esteja em relação econômica com o ato, o fato ou negócio tratado recebe a obrigação de quitar o tributo.

Ricardo Alexandre menciona que existem dois casos de responsabilidade por substituição que merecem uma análise mais detida. São os casos de substituição tributária regressiva ("para trás", antecedente) e da substituição tributaria progressiva ("para frente", subseqüente) (70).

Esta substituição tributária não implica, em momento algum, a substituição dos sujeitos passivos, pois se prestigia o princípio da capacidade tributária (71). É a própria lei que substitui o sujeito passivo direto pelo sujeito passivo indireto, haja vista, que há dissolução entre a pessoa que figura na hipótese da norma e que figure como conseqüência (72).

4.2.2 - Análise da responsabilidade do sócio-administrador

O Direito tributário brasileiro relaciona os diretores, gerentes ou representantes da pessoa jurídica são responsáveis pelos créditos correspondentes a obrigações tributárias resultantes da prática de ato ou fato eivado de excesso de poderes ou com infração de lei, contrato social ou estatutos, nos termos do art. 135, III, do CTN. A solidariedade do sócio pela dívida da sociedade só se manifesta, todavia, quando comprovado que, no exercício de sua administração, praticou os atos elencados na forma do caput, do referido diploma legal, conforme entendimento ministro José Delgado Relator dos Embargos de Divergência no Recurso Especial número 174.532/PR (73).

Carlos Henrique Araújo da Silva, procurador da Fazenda Nacional, menciona que com esta decisão, o simples inadimplemento não configuraria mais a hipótese de redirecionamento. A Fazenda Pública, caso desejasse redirecionar a cobrança do crédito público aos sócios da pessoa jurídica deveria, a partir do novo entendimento do Superior Tribunal de Justiça, comprovar que os sócios agiram com excesso de poderes ou infração de lei, contrato social ou estatutos, passando a responsabilidade, desde então, a ser subjetiva (74). Este posicionamento da corte se firmou de tal maneira que foi sumulado em julgamento de 24 de março de 2010, Súmula 430, STJ (75).

Aliomar Baleeiro (76) e José Jayme de Macedo Oliveira (77) mencionam que a responsabilidade do sócio-administrador refere-se à responsabilidade pessoal, em virtude do texto literal do caput do art. 135 do CTN. Com o mesmo entendimento, Luciano Amaro defende que não se trata de responsabilidade subsidiária do terceiro e nem de responsabilidade solidária, pois somente o terceiro responde, pessoalmente (78).

Também não é responsabilidade por substituição, para esses autores, dado que o próprio texto legal condiciona a responsabilização do diretor, do gerente ou representante de pessoas jurídicas à prática de atos com violação do contrato ou da lei.

Neste sentido, Manoel de Queiroz Pereira Calças acrescenta que a responsabilidade do administrador é direta e pessoal em face da conduta culposa ou dolosa (79). Por sua vez, Marlon Tomazette ressalta que "não foi a pessoa jurídica que teve sua finalidade desvirtuada, foram as pessoas físicas que agiram de forma ilícita, e por isso tem responsabilidade pessoal" (80).

Ives Gandra da Silva Martins entende no mesmo sentido, pois sempre que os contratos são violados por quem estaria na obrigação de preservá-los, é evidente que a pessoa jurídica a que pertencem está, como o fisco, na posição de vítima e não pode de vítima ser transformada em autora, e, por isso, exclui-se a responsabilidade da pessoa jurídica. Mas o próprio autor, no entanto, admite que esta não é a opinião dominante (81).

Sacha Calmon Navarro Coêlho entende também neste sentido, mas ressalta que essa posição pode ser temerária, pois:

O que não se pode admitir é que grandes empresas, até mesmo multinacionais, por pura matroca obriguem seus diretores contratados, com poucos bens ou sem eles, a ficarem responsáveis por atos deliberadamente praticados em proveito da empresas, com excesso de poder ou infração da lei ou contrato. A exclusão das empresas daria lugar a enormes injustiças e à indução de "planejamentos tributários" marotos. Além disso, tornaria as funções gerenciais um tipo de atividade de alto risco. Fraude, conluio, sonegação para elidir o cumprimento de obrigação igualmente aproposita a responsabilidade prevista no art. 135, mas somente na hipótese de a pessoa jurídica provar a sua inocência (82).

Pedro Decomain, por este motivo, entende que, "nesses casos, quando o ato, embora com essa mácula, seja praticado em benefício de terceiro (o filho, no caso da responsabilidade pelos pais, o espólio, no caso do inventariante, ou o administrador, no caso da empresa, por exemplo), também estes serão devedores do tributo, na condição de contribuintes. Surgirá, porém, concomitantemente, a responsabilidade solidária das pessoas indicadas nos incisos do art. 135" (83).

O Tribunal de Justiça do Rio grande do Sul, por sua vez, tem entendido que a responsabilidade a que se refere o art. 135 do CTN não é nem pessoal, nem por substituição, mas sim subsidiária (84).

Ricardo Lobo Torres entende diversamente do mencionado acima, para ele essa responsabilidade é solidária (85). Seguindo este entendimento, para Hugo de Brito Machado essa responsabilidade é solidária porque o responsável se coloca junto ao contribuinte desde a ocorrência do fato gerador. As pessoas referidas nos incisos deste artigo não têm responsabilidade pessoal quando praticam atos com excesso de poderes ou infração de lei ou contrato social, nem tampouco são responsáveis por substituição, mas são, na verdade, solidariamente responsáveis, sofrendo uma "atribuição de responsabilidade, em razão de condutas ilícitas daqueles aos quais é feita essa atribuição" (86).

A presença daquele a quem é atribuída à responsabilidade tributária não exclui a presença do contribuinte, pois não há "como excluir os contribuintes da solidariedade, afinal de contas são eles que detêm relação pessoal e direta com a situação que constitui o fato gerador, ou seja, são elas que realizam o fato previsto na lei como tributável, ainda que por seus representantes" (87).

Para defender seu posicionamento, Hugo de Brito Machado ainda faz uma comparação em relação ao artigo 137 do CTN:

A situação é diversa da prevista no art. 137 do Código, porque naquele dispositivo, embora esteja dito que a responsabilidade é pessoal do agente, cuida-se de responsabilidade por infrações. Quando se diz que a responsabilidade é pessoal ao agente, isto significa que a penalidade só a este pode ser aplicada. Mas é assim, não em virtude do elemento literal e sim porque a penalidade nasce da conduta infratora, que efetivamente deve ser ao agente imputada, e não ao contribuinte.

Na mesma linha de pensamento Luiz Felipe Difini leciona que a responsabilidade só é pessoal ao agente nos casos previstos no art. 137 do CTN, o qual disciplina a responsabilidade por infrações e diz que a penalidade é pessoal e exclusiva ao agente, podendo só a este ser aplicada, em virtude da conduta infratora, e não ao contribuinte (88). Não sendo outro o entendimento do STJ, como é visto no REsp nº 869.482/SP (89)

Na verdade, esse artigo trata da responsabilidade dos administradores da sociedade limitada pelas dívidas tributárias. O sócio, que não tenha praticado atos de gerência, não responde com seu patrimônio particular (90).

Esse posicionamento foi alterado pelo Superior Tribunal de Justiça, no Recurso Especial 1.104.900/ES (91) e, o qual determinou que o ônus de provar a sua inocência cabe ao próprio sócio, administrador ou gestor. Aplicou inclusive a sistemática do recurso repetitivo, valendo dizer que toda e qualquer discussão acerca do artigo 135 CTN terá que ter aquele acórdão como paradigma.

Anteriormente, cabia às Fazendas Públicas provar que o sócio agiu má-fé para ser responsabilizado pelo crédito tributário, ou seja, somente o sócio que praticar algum ato com excesso de poderes será responsabilizado por seus atos à luz do Art. 135, CTN.

Caso o nome do sócio já constava do lançamento, tendo-lhe sido facultada a defesa em relação não só à existência da dívida, mas também em relação à sujeição passiva, pode-se admitir a presunção de liquidez e certeza do crédito em relação a ele, sem que haja violação do contraditório e da ampla defesa (92).

Ressalta o eminente Ricardo Alexandre que esta responsabilidade tributária atinge o diretor que pratica atos de gestão fora das atribuições estatutárias, onde responde pelo excesso e pelo respectivo tributo (art. 135, III do CTN); e, se o diretor pratica um ato ilícito no conteúdo, com o dolo específico de prejudicar a empresa que dirige, será responsável pela respectiva penalidade pecuniária (art., 137, III, c do CTN) (93).

4.3 - A desconsideração da personalidade jurídica das sociedades empresariais para análise das responsabilidades dos sócios e administradores dentro do direito tributário

A união de pessoas em prol de uma atividade econômica e a formação da pessoa jurídica sempre foi importante para o Estado, como forma de proporcionar o desenvolvimento socioeconômico do local onde a mesma seria instalada, garantindo a esta formação as seguintes condições: "a) a não atribuição à pessoa dos sócios das condutas praticadas societariamente; b) a não atribuição à pessoa dos sócios dos direitos e poderes envolvidos na atividade societária; c) a não atribuição à pessoa dos sócios dos deveres envolvidos na atividade societária." (94) Contudo, com o passar do tempo, foi se verificando que estes membros praticavam condutas fraudulentas e abusivas em nome desta pessoa jurídica.

Com finalidade de que os membros desta sociedade respondessem por tais condutas e pelas obrigações sociais das referidas pessoas foi criada a teoria da desconsideração da personalidade jurídica, também chamada de disregard doctrine (95) (96), defendida, inicialmente, no Brasil, por Rubens Requião. Há desconsideração e não anulação ou negação da personalidade jurídica.

Celso Marcelo de Oliveira citando Simone Gomes Rodrigues menciona que esta teoria, a princípio recebeu a denominação de teoria da penetração, tinha por escopo a inserção no cerne da pessoa jurídica, para que, desconsiderando-a ou superando-a, vinculasse o sócio à responsabilidade contraída em nome da empresa (97).

Qualquer tipo de sociedade empresária por ser atingido por esta teoria, inclusive a sociedade limitada, alvo deste estudo, pois "mesmo após a integralização de todo o capital social, o patrimônio dos sócios pode ser responsabilizado por obrigações da sociedade, no caso de desconsideração da personalidade jurídica". (98)

O novo Código Civil Brasileiro (99), em seu art. 50 trata do tema, afirmando que pode o juiz desconsiderar a personalidade jurídica para atingir bens de sócios ou administradores quando ocorrer abuso da personalidade jurídica ou confusão patrimonial.

Estudando o referido artigo e a doutrina sobre o assunto, podemos mencionar que tal desconsideração pode ocorrer por abuso da personalidade jurídica ou confusão patrimonial. Sendo que a primeira decorre do desvio de finalidade (100) e segunda na hipótese em que os sócios ou administradores utilizam em proveito próprio os bens e recursos da pessoa jurídica. Pode o juiz decidir, a requerimento da parte, ou do Ministério Público, quando lhe couber intervir no processo, que os efeitos de determinadas obrigações sejam estendidas aos bens particulares dos administradores, associados ou sócios da pessoa jurídica.

Podemos relacionar que tal teoria é prevista também no art. 28 do Código de Defesa do Consumidor (CDC), no art. 18 da Lei nº 8.884, de 11 de junho de 1994, aplicável nas hipóteses de infrações contra a ordem econômica, e, no Direito do Trabalho, da mesma forma, a incidência da aludida teoria se verifica pelo disposto no artigo 2º, parágrafo 2º, da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal posicionou acerca da temática e, especialmente sobre bens dos sócios envolvidos nas hipóteses do art. 50 supramencionado:

"É impossível a penhora dos bens do sócio que jamais exerceu a gerência, a diretoria ou mesmo representasse a empresa executada". Ou seja, ainda que desconsiderada a personalidade jurídica, não é possível alcançar os bens de todos os sócios ou associados, mas apenas dos bens daqueles envolvidos com o ato que motivou a desconsideração (101).

Ressalta-se que, somente se aplica a desconsideração da personalidade jurídica quando houver a prática de ato irregular e, ainda assim, a desconsideração somente atingirá os bens dos administradores ou sócios que tenham praticado o ato reputado como irregular. (102)

Outra questão refere-se à utilização desta teoria dentro do direito tributário. Marcos de Oliveira Pinto, Juiz de Direito da Comarca de Simão Dias, menciona que o tributo, tomado de forma ampla, representa o preço pago pelo indivíduo por sua liberdade dentro da comunidade, configurando-se numa imposição decorrente do pacto garantidor da existência da própria sociedade, na relação verificada entre o próprio indivíduo e o Estado. (103)

Diante disso, os doutrinadores brasileiros debatem acerca da temática, para alguns a aplicabilidade desta teoria necessita de lei complementar âmbito tributário, e, outros defendem a utilização de tal instrumento em qualquer área do Direito, uma vez que visa impedir o abuso de direito. Assim entende Alexandre Alberto Teodoro da Silva, para quem o abuso de direito - gênero da espécie abuso da personalidade - é regra pertencente à Teoria Geral do Direito (104), bastando à prova da ocorrência de desvio de finalidade ou confusão patrimonial.

Nádia Arnaud Pereira Ferreira, especialista em direito tributário, menciona que, de modo diverso, estritos ao princípio da legalidade (do qual deriva o princípio da reserva de lei formal), autores como Luciano Amaro, Ives Gandra da Silva Martins, Mary Elbe Queiroz, Hugo de Brito Machado, entre outros, defendem a não aplicação da desconsideração da personalidade jurídica nas relações tributárias, por não haver previsão expressa em lei complementar ou, no caso de se aceitar o artigo 116, parágrafo único do CTN, como fundamento para aplicação da desconsideração, de lei ordinária, sendo esta a orientação de Ives Gandra da Silva Martins. Dessa forma, a responsabilidade do sócio por abuso de personalidade da pessoa jurídica deverá estar disciplinada em lei complementar, uma vez que se trata de matéria relativa à regra geral. (105)

Tal debate leva em conta o princípio da legalidade estrita, determinando que o uso da teoria da desconsideração numa situação que não encontra sustentação legal. Privilegia-se, deste modo, a segurança que deve existir nas relações pertinentes a esse ramo do Direito, em benefício do próprio contribuinte.

Neste sentido, afirma Marçal Justen Filho "o entendimento da liberação do aplicador do direito para avaliar o caso concreto e estender a previsão normativa foi frontalmente repudiada pela doutrina. Alberto Pinheiro Xavier, em brilhante tese de doutorado, enunciou definitivamente os critérios limitativos da liberdade do aplicador da norma tributária. Demonstrou cabalmente que o princípio da legalidade apresenta-se, no campo tributário, com uma peculiaridade atinente à tipicidade. A lei tributária é dotada de tipicidade na acepção de ser incompatível com cláusulas genéricas". E acrescenta: "A tipicidade repele assim a tributação baseada num conceito geral ou cláusula geral de tributo, ainda que referido à idéia de capacidade econômica, da mesma forma que em Direito Criminal não é possível a incriminação com base num conceito ou cláusula geral de crime. Ao invés do que sucede, por exemplo, com o ilícito disciplinar, os crimes e os tributos devem constar de uma tipologia, ou seja, devem ser descritos em tipos ou modelos, que exprimam uma escolha ou seleção do legislador no mundo das realidades passíveis, respectivamente, de punição ou tributação. (106)

Ressalta Nádia Arnaud Pereira Ferreira que há, ainda, nos estudos sobre a matéria, autores, como Heleno Taveira Tôrres, Flávio Couto Bernardes, entre outros, e, inclusive, o Egrégio Superior Tribunal de Justiça (107), que afirmam ser possível o emprego da disregard of legal entity nas relações jurídico-tributárias, visto já existir respectivo dispositivo de lei complementar autorizativo. (108) Neste ponto, válidas são as assertivas de Marçal Justen Filho, quando afirma que: "no campo tributário, só se poderá cogitar de resultado danoso, decorrente da incidência do regime da pessoa jurídica, quando ocorrer frustração de incidência da norma tributária que haveria que incidir. O abuso da pessoa jurídica caracteriza-se com o sacrifício do interesse público (retratado na norma tributária) porque prevaleceria o interesse privado (consistente na existência de uma pessoa jurídica). Portanto, a desconsideração da personificação societária, no direito tributário, consistirá na suspensão da eficácia da distinção entre pessoas (decorrentes da existência da pessoa jurídica) para permitir a incidência de uma certa previsão tributária. (109)

Ressalta-se o entendimento de Alexandre Alberto Teodoro da Silva, em relação à utilização do Art. 135 do CTN como fundamento da teoria em análise, para ele esta teoria foi formulada no intuito de coibir abuso da personalidade jurídica, ao passo que a responsabilidade dos administradores das pessoas jurídicas constante o Art. 135 do CTN emerge de maneira direta, constantes dos atos praticados por gestores na condução da pessoa jurídica. Aquele dispositivo legal não serve de embasamento jurídico para aplicação da teoria no campo tributário (110).

A responsabilidade deve ser considerada nos seguintes termos: responsabilidade do sócio por dívidas sociais, no limite do capital social subscrito e integralizado, salvo os casos de desconsideração da personalidade jurídica; responsabilidade do administrador perante a sociedade, por atos ilícitos e irregularidades cometidas com violação da lei, do contrato social ou do estatuto; e, responsabilidade do administrador por dívidas negociais e não-negociais, cabendo esta teoria dentro do direito tributário, desde respeitados os princípios aqui mencionados e o fundamento jurídico de tal atitude.

Ultrapassado este ponto, deveremos verificar se há autorização da autoridade fiscal-tributária para a utilização desta teoria, durante o processo administrativo ou se há necessidade de determinação judicial para tanto. Entendemos que há necessidade do amparo judicial para tanto, mesmo que no processo administrativo, tenha-se garantido os princípios da ampla defesa e do contraditório.

5 - Conclusão

O Direito Tributário pode ser entendido como o ramo do direito público interno que regula as relações de natureza tributária entre o sujeito ativo (titular da capacidade) e passivo (contribuinte e responsável tributário). Esta relação é ex lege e nasce de um fato anterior previsto pelo legislador, desde que este fato ocorra no mundo fenomênico.

A Constituição Federal não cria tributos, apenas outorga competência para que os entes políticos o façam por meio de leis próprias. Este ente poderá possuir competência e/ou capacidade tributária, assim, podendo para participar deste pólo da relação ou delegar tal tarefa a outra pessoa jurídica de direito público ou nos casos que a lei ou decisão judicial permitir (Súmula 396, do STJ) a pessoa jurídica de direito privado.

O sujeito ativo, credor, é o titular do direito de cobrar do sujeito passivo da relação jurídica tributária, a obrigação tributária, em questão, enquanto que, o sujeito passivo terá dois tipos de obrigação, na área tributária, principal (obrigação de dar) e secundária (obrigação de fazer ou não fazer), onde a primeira é tão somente de caráter pecuniário, ou seja, de pagar o tributo.

Este vinculo jurídico, de natureza obrigacional, por força do qual o Estado (sujeito ativo) pode exigir do particular, o contribuinte ou responsável (sujeito passivo) o tributo ou da penalidade pecuniária (objeto da relação obrigacional, chama-se crédito tributário, conforme reza o CTN.

O Direito tributário brasileiro relaciona os diretores, gerentes ou representantes da pessoa jurídica são responsáveis pelos créditos correspondentes a obrigações tributárias resultantes da prática de ato ou fato eivado de excesso de poderes ou com infração de lei, contrato social ou estatutos, nos termos do art. 135, III, do CTN. A solidariedade do sócio pela dívida da sociedade só se manifesta, todavia, quando comprovado que, no exercício de sua administração, praticou os atos elencados na forma do caput, do referido diploma legal.

Nas sociedades empresariais limitadas, a responsabilidade dos sócios é solidaria e restrita à integralização das cotas de todos os sócios ao capital social da empresa. O patrimônio dos sócios não pode ser comprometido para a satisfação de dívida da sociedade, enquanto não exaurido o patrimônio social. Esta pode ser de cunho objetiva ou subjetiva. A primeira, aquela imputada a determinadas pessoas, independente da análise da existência de dolo ou culpa na prática do respectivo ato; já, a segunda, depende da presença de tais elementos.

Com o passar do tempo, foi se verificando que estes membros praticavam condutas fraudulentas e abusivas em nome desta pessoa jurídica. Assim, havendo a necessidade deste estudo e aplicação da responsabilidade tributária in causu, com finalidade apreciar a aplicação da mesma dentro de uma sociedade empresária limitada. Hoje, cabe ao próprio sócio, administrador ou gestor o ônus de provar sua inocência.

Com finalidade de que os membros desta sociedade respondessem por tais condutas e pelas obrigações sociais das referidas pessoas foi criada a teoria da desconsideração da personalidade jurídica, também chamada de disregard doctrine, defendida, inicialmente, no Brasil, por Rubens Requião. Há desconsideração e não anulação ou negação da personalidade jurídica.

6 - Bibliografia

ALEXANDRE, Ribeiro. Direito Tributário Esquematizado. 5ª Ed. Rio de Janeiro: Forense; São Paulo: Método, 2011.

AMARAL, Francisco. Direito Civil: introdução. 5. ed., Rio de Janeiro: Renovar, 2003, p. 285.

AMARO, Luciano. Direito Tributário Brasileiro, 12ª Ed. São Paulo: Saraiva, 2006.

BALEEIRO, Aliomar. Direito tributário brasileiro. 11. ed. rev. Rio de Janeiro: Forense, 2004.

BASTOS, Celso Ribeiro; MARTINS, Ives Granda da Silva. Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva, 1995.

BECKER, Alfredo Augusto. Teoria Geral do Direito Tributário. 3ª Ed. São Paulo: Lejus, 2002.

BULGARELLI, Waldirio. Tratado de direito empresarial. São Paulo: Editora Atlas, 2000.

CALÇAS, Manoel de Queiroz Pereira. Sociedade limitada no novo Código Civil. São Paulo: Atlas, 2003.

CARVALHO, Paulo de Barros. Teoria da Norma Jurídica Tributária. São Paulo: Lael, 1974.

Direito Tributário - Fundamentos Jurídicos da Incidência. 2ª ed. São Paulo: Saraiva, 1999.

COÊLHO, Sacha Calmon Navarro. Curso de Direito Tributário Brasileiro. 11ª Ed. revista e atual. Rio de Janeiro: Forense, 2010.

COSTA, Regina Helena. Competência Tributária in Código Tributário Nacional Comentado, coord. Vladimir Passos de Freitas. 4ª Ed. Ed. RT, 2007.

DERZI, Misabel Abreu Machado. Direito Tributário Brasileiro. 11ª ed. atualizada de Aliomar Baleeiro. Rio de Janeiro: Forense, 2000.

DECOMAIN, Pedro Roberto. Anotações ao código tributário nacional. São Paulo: Saraiva, 2000. p. 500.

DIFINI, Luiz Felipe Silveira. Manual de direito tributário. São Paulo: Saraiva, 2003.

DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil. 2º vol, 9ª Ed. São Paulo: Saraiva, 1995.

FALCÃO, Amilcar de Araujo. Fato gerador da obrigação tributária. 6ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 1997.

FARIA, Luiz Alberto Gurgel; FREITAS, Vladimir Passos de (coord.). Código tributário nacional comentado: doutrina e jurisprudência, artigo por artigo, inclusive ICMS (LC 87/1996 LC 114/2002) e ISS (LC 116/2003). 2. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2004. p. 597.

HARADA, Kiyoshi. Direito Financeiro e Tributário. 21ª ed. São Paulo: Atlas, 2011.

JARDIM, Eduardo Marcial Ferreira. Dicionário Jurídico Tributário. 03ª ed., São Paulo: Dialética, 2000

JUSTEN FILHO, Marçal. Desconsideração da Personalidade Societária no Direito Brasileiro. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 1987.

LOPES, Mauro Luís Rocha Lopes. Direito Tributário. 3ª ed. Niterói: Impetus, 2012.

MACHADO, Hugo de Brito. Curso de Direito Tributário. 32ª Ed. Fortaleza: Malheiros, 2011.

MARTINS, Ives Gandra da Silva (coord.). Comentários ao código tributário nacional. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2002. v. 2.

MIRANDA (JÚNIOR), Darcy Arruda. Curso de Direito Comercial. São Paulo: Saraiva, 1987

OLIVEIRA, José Jayme Macêdo. Código tributário nacional: comentários, doutrina e jurisprudência. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2003.

PAUPERIO, A. Machado. Introdução à Ciência do Direito. 1ª ed. Riode Janeiro-São Paulo: Forense,1969.

SILVA, Alexandre Alberto Teodoro da Silva. A desconsideração da personalidade jurídica no direito tributário. São Paulo: Quartier Latin, 2007.

SILVA, Bruno Mattos. Direito da Empresa: Teoria da Empresa e Direito Societário. São Paulo: Atlas, 2007

SILVA, Paulo Roberto Coimbra. Direito tributário sancionador. São Paulo: Quartier Latin, 2007.

SOARES, Mario Lucio Quintão Soares. Teoria do Estado: o substrato clássico e os novos paradigmas como pré-compreensão para o Direito Constitucional. Belo Horizonte: Del Rey, 2001.

TOMAZETTE, Marlon. Direito societário. 2. ed. atual. São Paulo: Juarez de Oliveira, 2004.

TORRES, Ricardo Lobo. Curso de Direito Financeiro e Tributário. Rio de Janeiro: Renovar, 2004.

Bibliografia complementar

BRAGA, Jorge Luiz. In:http://www.uj.com.br/publicacoes/doutrinas/3028/DA_RESPONSABILIDADE_ILIMITADA_DOS_SOCIOS_NUMA_OCIEDADE_LIMITADA, acessado em 18.01.2012

BERTI, Flavio Azambuja & LUSTOZA, Helton Kramer. A Análise da Culpabilidade do Contribuinte na Aplicação da Multa Punitiva Tributária nos Termos do Artigo 136 do CTN. In: http://www.direitopublico.idp.edu.br/index.php/direitopublico/article/viewFile/753/655, acessado em 10/01/2012.

BUSTO, Cristiano V. Fernandes. Fato gerador e hipótese de incidência tributária. In: http://www.boletimjuridico.com.br/doutrina/texto.asp?id=1686, acessado em 08.01.2012.

CORREIA, Andrei Lapa de Barros. O lançamento tributário e a modalidade do art. 150 do CTN. Jus Navigandi, Teresina, ano 11, n. 1031, 28 abr. 2006. Disponível em: <http://jus.com.br/revista/texto/8306>. Acesso em: 28 jan. 2012.

DUTRA (JUNIOR). José Cardoso. O Parcelamento de débitos tributários em perspectiva atual. In: http://www.arcos.org.br/periodicos/revista-dos-estudantes-de-direito-da-unb/5a-edicao/o-parcelamento-de-debitos-tributarios-em-perspectiva-atual/acessado em 22.01.2012.

FERNANDES, Marcelo Romanelli Cezar Fernandes. IN: Revista Consultor Jurídico, 2 de agosto de 2009, http://www.conjur.com.br/2009-ago-02/stj-muda-jurisprudencia-relacao-responsabilidade-tributaria-socio, acessado em 20.09.2011.

FERREIRA, Nádia Arnaud Pereira. A Teoria da Desconsideração da Personalidade Jurídica no Direito Tributário: Estudo sobre sua Aplicabilidade. http://www.apet.org.br/artigos/ver.asp?art_id=1204&autor=Nádia Arnaud Pereira Ferreira, acessado em 01.02.2012.

HARADA, Marcelo Kiyoshi. Suspensão da exigibilidade do crédito tributário e os problemas do dia-a-dia dos contribuintes. Jus Navigandi, Teresina, ano 11, n. 1020, 17 abr. 2006. Disponível em: <http://jus.com.br/revista/texto/8254>. Acesso em: 21 jan. 2012.

MACHADO, Hugo de Brito. A execução fiscal e a responsabilidade de sócios e dirigentes da pessoa jurídica. In: http://www.fernandesmelo.com.br/det_artigos2.php?id=17, acessado em 20.01.12.

Impossibilidade de tributo sem lançamento. Jus Navigandi, Teresina, ano 8, n. 61, 1 jan. 2003. Disponível em: <http://jus.com.br/revista/texto/3678>. Acesso em: 28 jan. 2012.

OLIVEIRA, Celso Marcelo de. Direito Empresarial Brasileiro. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, 18, 31/08/2004 (Internet). Disponível em http://www.ambito Juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=4495. Acesso em 31/01/2012.
PINTO, Marcos de Oliveira Pinto. A teoria da desconsideração da pessoa jurídica e sua incidência no Direito Tributário. REVISTA DA ESMESE, Nº 05, 2003 - 55 In: http://bdjur.stj.gov.br/xmlui/bitstream/handle/2011/18321/A_Teoria_da_Desconsidera%C3%A7%C3%A3o_da_Pessoa_Jur%C3%ADdica.pdf?sequence=2, acessado em 30.01.2012.

RIBEIRO, Maria de Fátima & NAKAYAMA, Juliana Kiyosen. In: Soberania e reforma tributária no Brasil. WWW.jusvi.com/artigos/2096, acessado em 20/09/2011.

ROCHA, Maria Cândida Peralva de Oliveira. A decadência do direito ao lançamento do crédito tributário sujeitos ao regime de homologação - critica ao posicionamento do STJ. In: www.juspodivm.com.br, acessado em 30.01.2012.

MONTOVANI, Márcia. Suspensão da exigibilidade do crédito tributário. In: http://mmantovanitributario.blogspot.com/p/suspensao-da-exigibilidade-do-credito.html, acessado em 23.01.2012.

SEABRA, Gilda Maria Giraldes Seabra. Obrigação Tributária. In: Revista do Curso de Direito, Vol. 4, No 4 (2007), p. 92/93. https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/RFD/article/view/517, acessado em 08.01.2012.

SILVA, Carlos Henrique Araújo da. A evolução jurisprudencial do STJ na interpretação do artigo 135, inciso III, do Código Tributário Nacional. Jus Navigandi, Teresina, ano 16, n. 2951, 31 jul. 2011. Disponível em: <http://jus.com.br/revista/texto/19668>. Acesso em: 4 fev. 2012

Notas

(01) Competência é política e se refere à possibilidade de editar leis instituindo o tributo.

(02) Capacidade tributária é a parcela meramente administrativa da competência tributária, ou seja, funções de arrecadar ou fiscalizar tributos, ou executar leis atos ou decisões administrativas dentro da presente matéria.

(03) Súmula 396, do STJ.

(04) MACHADO, Hugo de Brito. A execução fiscal e a responsabilidade de sócios e dirigentes da pessoa jurídica. In: http://www.fernandesmelo.com.br/det_artigos2.php?id=17, acessado em 20.01.12.

(05) COÊLHO, Sacha Calmon Navarro. Curso de Direito Tributário Brasileiro. 11ª Ed. revista e atual. Rio de Janeiro: Forense, 2010, p. 584.

(06) Caso alguém deixe de cumprir tal obrigação no prazo estipulado na legislação tributária será punido com a respectiva penas pecuniária (multa).

(07) No Direito Tributário, como regra, as punições não são aplicadas pessoalmente sobre o agente da infração, mas sobre o sujeito passivo da obrigação tributária, principal ou acessória, que não foi adimplida. Assim, no caso da pessoa jurídica cometer ilícito, a multa será aplicada contra a própria pessoa jurídica e não contra o agente (pessoa física) que tenha concretizado, efetivamente, a conduta ilícita. No entanto, no artigo 137 existem importantes exceções, determinando a punição pessoal, como afastamento do sujeito passivo da infração. Há uma personalização das penas tributárias, alcançando o agente, que deve se submeter à sanção imposta. (In: http://reesser.wordpress.com/2011/01/16/responsabilidade-por-infracoes-tributarias/, acessado em 11.01.2012).

(08) TRIBUTÁRIO - EXECUÇÃO FISCAL - ICMS - INFRAÇÃO TRIBUTÁRIA - QUEBRA DO DIFERIMENTO - COMPRADOR IRREGULAR - VENDEDOR DE BOA-FÉ - RESPONSABILIDADE OBJETIVA - NÃO OCORRÊNCIA - RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA - ART. 128 DO CTN - REEXAME DE LEI ESTADUAL - SÚMULA Nº 280/STF - A responsabilidade pela prática de infração tributária, malgrado o disposto no art. 136 do CTN, deve ser analisada com temperamentos, sobretudo quando não resta comprovado que a conduta do vendedor encontrava-se inquinada de má-fé. Em hipótese como tais, tem emprego o disposto no art. 137 do CTN, que consagra a responsabilidade subjetiva. Recurso Especial parcialmente conhecido e, nessa parte, não provido. (STJ, REsp 200000718475, (267546/MG), 2ª T., Rel. Min. João Otávio de Noronha, DJU 01.02.2006, p. 00473)

(09) COÊLHO, Sacha Calmon Navarro, op cit, p. 359.

(10) Idem, p.362.

(11) A primeira relata que é o conjunto de critérios necessários à identificação do fato lícitos gerador de um dever jurídico; e, o segundo, como um conjunto de critérios esclarecedores da relação jurídica que se forma com a ocorrência do fato jurígeno (fato gerador). In: CARVALHO, Paulo de Barros. Teoria da Norma Jurídica Tributária. São Paulo: Lael, 1974, p. 78.

(12) ".... a primeira, dualista ou bipartida, onde afirma que serem espécies tributárias somente os impostos e as taxas; a segunda, a tripartida ou triparte, que divide os tributos em impostos, taxas e contribuição de melhoria; a terceira, pentapartida, que acrescenta a anterior, os empréstimos compulsórios e contribuições sociais e, por último, junta todas as contribuições num só grupo, formando os impostos, taxas, contribuições e empréstimos compulsórios". Idem, p. 52,

(13) Súmula 595, STF

(14) COELHO, Sacha Calmon Navarro Coêlho, op cit., p.595.

(15) JARDIM, Eduardo Marcial Ferreira. Dicionário Jurídico Tributário. 03ª ed., São Paulo: Dialética, 2000, p. 188.

(16) CARVALHO, Paulo de Barros. Direito Tributário - Fundamentos Jurídicos da Incidência. 2ª ed. São Paulo: Saraiva, 1999, p. 149.

(17) COÊLHO Sacha Calmon Navarro. op cit, p. 597.

(18) Segundo Washington de Barros Monteiro, citado por Ricardo Alexandre (op cit, p. 281) a obrigação é uma relação jurídica, de caráter transitório entre o devedor e o credor e cujo objeto consiste numa prestação pessoal econômica, positiva ou negativa, devida pelo primeiro ao segundo.
(19) SEABRA, Gilda Maria Giraldes Seabra. Obrigação Tributária. In: Revista do Curso de Direito, Vol. 4, No 4 (2007), p. 92/93. https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/RFD/article/view/517, acessado em 08.01.2012.

(21) DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil. 2º vol, 9ª Ed. São Paulo: Saraiva, 1995, p. 27.

(22) MACHADO, Hugo de Brito. Curso de Direito Tributário. Op cit., p. 122.

(22) HARADA, Kiyoshi. Direito Financeiro e Tributário. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 1997, p. 260.

(23) SEABRA, Gilda Maria Giraldes Seabra, op cit, p. 97.

(24) TORRES, Ricardo Lobo. Curso de Direito Financeiro e Tributário. Rio de Janeiro: Renovar, 1993, p. 306/307.

(25) Fato gerador é a situação definida em lei como necessária para se considere surgida à obrigação tributária.

(26) ALEXANDRE, Ricardo. Direito Tributário Esquematizado. 5ª Ed. revista e atual. Rio de Janeiro: Forense; São Paulo: MÉTODO, 2011, 286/287.

(27) Esta hipótese, não é um "fato de vida", mas tão somente uma descrição de comportamentos que, verificado no mundo dos fatos, terá como conseqüência, agora sim, o dever de pagar o tributo. (Idem, p. 287)

(28) HARADA, Kiyoshi. Direito Financeiro e Tributário. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 1997, p. 260.

(29) BUSTO, Cristiano V. Fernandes. Fato gerador e hipótese de incidência tributária. In: http://www.boletimjuridico.com.br/doutrina/texto.asp?id=1686, acessado em 08.01.2012.

(30) MACHADO, Hugo de Brito. Curso de Direito Tributário. 22ª ed. Fortaleza: Malheiros, 2003, p. 115.

(31) FALCÃO, Amilcar de Araujo. Fato gerador da obrigação tributária. 6ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 1997, p. 2.

(32) COÊLHO, Sacha Calmon Navarro. Curso de Direito Tributário Brasileiro. 11ª ed. rev e atual. Rio de Janeiro, 2010, p. 586.

(33) CARVALHO, Paulo de Barros. Curso de Direito Tributário. 6ª ed. São Paulo: Saraiva, 1993, p. 130.

(34) MACHADO, Hugo de Brito. Curso de Direito Tributário. 32ª ed. rev. atual e ampliada. São Paulo: Malheiros Editores, 2011, p. 172.

(35) Art. 141, CTN.

(36) MACHADO, Hugo de Brito. Op cit, p. 174.

(37) Lançamento de ofício é quando o mesmo é realizado pela autoridade administrativa, a qual expede uma notificação ao sujeito passivo da obrigação para pagamento do mesmo.

(38) Lançamento por declaração ocorre nos casos em que a autoridade administrativa recebe informações prestadas pelo contribuinte ou responsável quanto aos fatos necessários para apuração do valor do tributo devido.

(39) Lançamento por homologação é aquele em que o sujeito passivo possui o dever de apurar o valor do tributo e antecipar o respectivo pagamento, antes da manifestação da autoridade administrativa sobre o mesmo. O objeto aqui é a apuração do montante devido e não o seu pagamento segundo Hugo de Brito Machado (IN: MACHADO, Hugo de Brito. Op cit, p. 180). Decorrido o prazo em lei para homologação ou não havendo lei que o estabeleça, este será de cinco anos, ocorrerá à homologação tácita.

(40) Esta se encerra com a notificação ao sujeito passivo da obrigação tributária.

(41) Esta pode ser instaurada com a impugnação pelo sujeito passivo da obrigação tributária, neste momento, em nome da segurança jurídica é dada a ele a ampla defesa e contraditório. Recursos e revisão, dentro dos prazos da lei (prescrição e decadência).

(42) O Decreto nº 738, de 1850, regulamentou os Tribunais do Comércio, criando na sua organização as Juntas Comerciais, como seções dos Tribunais de Relações, compostas de um presidente e dois membros. Mas a jurisdição especial dos Tribunais de Comércio foi com estes extinga pelo Decreto nº 2662, de 1875, passando o registro a ser exercido por Juntas Comerciais. Com a edição da lei do registro das empresas mercantis e atividades fins (Lei 8.934/94, de 18.11.1994) foram definidas as atribuições do Departamento Nacional de Registro do Comércio que deve supervisionar, orientar e coordenar, em todo o território nacional, as autoridades e órgãos públicos incumbidos do Registro das Empresas Mercantis. Quanto às Juntas Comerciais, mantém-se a mesma organização vigente, sendo vinculadas aos respectivos governos dos Estados, que sobre elas poderão legislar de forma concorrente, ressalvada a competência técnica normativa à área federal, através do Departamento Nacional de Registro do Comércio. (In: http://uj.novaprolink.com.br/doutrina/849/registro_publico_das_empresas_mercantis_e_atividades_afins, acessado em 20.01.2012)

(43) Sá Pereira, citado por Alonso Carlos Brandão cit. MIRANDA (JÚNIOR), Darcy Arruda. Curso de Direito Comercial. São Paulo: Saraiva, 1987

(44) http://www.fiscosoft.com.br/a/55i8/a-responsabilidade-tributaria-dos-socios-e-administradores-das-sociedades-soraya-marina-barcelos#ixzz1k7seao9H, acessado em 20.01.2012.

(45) AMARAL, Francisco. Direito Civil: introdução. 5. ed., Rio de Janeiro: Renovar, 2003, p. 285.

(46) Soraya Marina Barcelos, op cit.

(47) OLIVEIRA, Celso Marcelo de. Direito Empresarial Brasileiro. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, 18, 31/08/2004 (Internet). Disponível em http://www.ambito Juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=4495. Acesso em 31/01/2012

(48) Idem.

(49) CC/2002, Art. 1055 - § 1º.

(50) CC/2002, Art. 1066.

(51) CC/2002 - Art. 1.052 .

(52) BULGARELLI, Waldirio. Tratado de direito empresarial. São Paulo: Editora Atlas, 2000, pp.266/267.

(53) CC/2002, art. 1.024 - A única exceção à regra geral está na sociedade em comum, na qual o sócio que atua como representante legal responde diretamente.

(54) CC/2002 - Art. 1080 - As deliberações infringentes do contrato ou da lei tornam ilimitada a responsabilidade dos que expressamente a aprovaram.

(55) TRIBUTÁRIO E PROCESSUAL CIVIL. EXECUÇÃO FISCAL. RESPONSABILIDADE DE SÓCIO GERENTE. LIMITES. ART. 135, III, DO CTN. PRECEDENTES. 1. Os bens do sócio de uma pessoa jurídica comercial não respondem, em caráter solidário, por dívidas fiscais assumidas pela sociedade. A responsabilidade tributária imposta por sócio-gerente, administrador, diretor ou equivalente só se caracteriza quando há dissolução irregular da sociedade ou se comprova infração à lei praticada pelo dirigente. 2. Em qualquer espécie de sociedade comercial, é o patrimônio social que responde sempre e integralmente pelas dívidas sociais. Os diretores não respondem pessoalmente pelas obrigações contraídas em nome da sociedade, mas respondem para com esta e para com terceiros solidária e ilimitadamente pelo excesso de mandato e pelos atos praticados com violação do estatuto ou lei (art. 158, I e II, da Lei nº 6.404/76). 3. De acordo com o nosso ordenamento jurídico-tributário, os sócios (diretores, gerentes ou representantes da pessoa jurídica) são responsáveis, por substituição, pelos créditos correspondentes a obrigações tributárias resultantes da prática de ato ou fato eivado de excesso de poderes ou com infração de lei, contrato social ou estatutos, nos termos do art. 135, III, do CTN. 4. O simples inadimplemento não caracteriza infração legal. Inexistindo prova de que se tenha agido com excesso de poderes, ou infração de contrato social ou estatutos, não há falar-se em responsabilidade tributária do ex-sócio a esse título ou a título de infração legal. Inexistência de responsabilidade tributária do ex-sócio. 5. Precedentes desta Corte Superior. 6. Embargos de Divergência rejeitados. (STJ, 2ª T, REsp nº 1.009.45)

(56) MACHADO, Hugo de Brito. A execução fiscal e a responsabilidade de sócios e dirigentes da pessoa jurídica. In: http://www.fernandesmelo.com.br/det_artigos2.php?id=17, acessado em 20.01.12

(57) BARCELOS, Soraya Marina, op cit.

(58) BOBBIO, Norberto. Teria da norma jurídica. Trad. Fernando Pavan Baptista e Ariani Bueno Sudatti. Bauru: Edipro, 2008. p. 153, citado por BERTI, Flavio Azambuja & LUSTOZA, Helton Kramer. A Análise da Culpabilidade do Contribuinte na Aplicação da Multa Punitiva Tributária nos Termos do Artigo 136 do CTN. In: http://www.direitopublico.idp.edu.br/index.php/direitopublico/article/viewFile/753/655, acessado em 10/01/2012.

(59) SILVA, Paulo Roberto Coimbra. Direito tributário sancionador. São Paulo: Quartier Latin, 2007. p. 62.

(60) FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. 19. ed. Petrópolis: Vozes, 1999. p. 13.citado por BERTI, Flavio Azambuja & LUSTOZA, Helton Kramer (item nº 01).

(61) COELHO, Sacha Calmon Navarro. Curso de direito tributário brasileiro. 11 ed. Rio de Janeiro: Forense, 2011. p. 35

(62) ALEXANDRE, Ricardo. op cit, p. 362.

(63) MACHADO, Hugo de Brito. Teoria das sanções tributárias. In: MACHADO, Hugo de Brito (Coord.). Sanções administrativas tributárias. São Paulo: Dialética, 2004. p. 159-191).

(64) Caso alguém deixe de cumprir tal obrigação no prazo estipulado na legislação tributária será punido com a respectiva penas pecuniária (multa).

(65) In: http://reesser.wordpress.com/2011/01/16/responsabilidade-por-infracoes-tributarias/, acessado em 11.01.2012.

(66) ALEXANDRE, Ricardo. op cit, p. 362.

(67) CÔELHO, Sacha Calmon Navarro. op cit, p. 610.

(68) Rubens Gomes de Souza citado por COÊLHO, Sacha Calmon Navarro, op cit, p. 605.

(69) Art 128 - a lei pode atribuir de modo expresso a responsabilidade pelo crédito tributário a terceira pessoa, vinculada ao fato gerador da respectiva obrigação, excluindo a responsabilidade do contribuinte ou atribuindo-a a este em caráter supletivo do cumprimento total ou parcial da referida obrigação.
(70) Na primeira, as pessoas que ficaram "para trás" nas cadeias de produção e circulação são substituídas por aquelas que estão mais à frente nessa cadeia; já, na segunda, as pessoas das posições posteriores das cadeias de produção e circulação são substituídas, no dever de pagar tributo, por aquelas que ocupam as posições anteriores nessas mesmas cadeias. (ALEXANDRE, Ricardo. Op cit., p. 324/325).

(71) Sacha Calmon N. Coêlho (Op cit., p. 605) menciona que realizou uma alteração no entendimento da sujeição passiva indireta para concluir o que a substituição de pessoas que deveriam ser, isto sim, diretamente, sujeitos passivos, pela simples razão e, "economicamente", estarem no cerne das situações eleitas como jurígenas, prestigiando o princípio da capacidade tributária.

(72) DIFINI, Luiz Felipe Silveira. Manual de direito tributário. São Paulo: Saraiva, 2003. p. 209-210.

(73) Ementa: Tributário e Processual Civil. Execução Fiscal. Responsabilidade de Sócio-Gerente. Limites. Art. 135, III, Do CTN.Precedentes. 1 . Os bens do sócio de uma pessoa jurídica comercial não respondem, em caráter solidário, por dívidas fiscais assumidas pela sociedade. A responsabilidade tributária imposta por sócio- gerente, administrador, diretor ou equivalente só se caracteriza quando há dissolução irregular da sociedade ou se comprova infração à lei praticada pelo dirigente. 2 .Em qualquer espécie de sociedade comercial, é o patrimônio social que responde sempre e integralmente pelas dívidas sociais. Os diretores não respondem pessoalmente pelas obrigações contraídas em nome da sociedade, mas respondem para com esta e para com terceiros solidária e ilimitadamente pelo excesso de mandato e pelos atos praticados com violação do estatuto ou lei (art. 158, I e II, da Lei nº 6.404/76). 3 . De acordo com o nosso ordenamento jurídico-tributário, os sócios (diretores, gerentes ou representantes da pessoa jurídica) são responsáveis, por substituição, pelos créditos correspondentes a obrigações tributárias resultantes da prática de ato ou fato eivado de excesso de poderes ou com infração de lei, contrato social ou estatutos, nos termos do art. 135, III, do CTN. 4. O simples inadimplemento não caracteriza infração legal. Inexistindo prova de que se tenha agido com excesso de poderes, ou infração de contrato social ou estatutos, não há falar-se em responsabilidade tributária do ex-sócio a esse título ou a título de infração legal. Inexistência de responsabilidade tributária do ex-sócio. 5. Precedentes desta Corte Superior. 6 .Embargos de Divergência rejeitados" (BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Embargos de Divergência em Recurso Especial EREsp 174.532/pr, Relator Min. José Delgado, DJ de 20.08.01).

(74) SILVA, Carlos Henrique Araújo da. A evolução jurisprudencial do STJ na interpretação do artigo 135, inciso III, do Código Tributário Nacional. Jus Navigandi, Teresina, ano 16, n. 2951, 31 jul. 2011. Disponível em: <http://jus.com.br/revista/texto/19668>. Acesso em: 4 fev. 2012

(75) Súmula 430 do STJ: O inadimplemento da obrigação tributária pela sociedade não gera, por si só, a responsabilidade solidária do sócio-gerente.

(76) BALEEIRO, Aliomar. Direito tributário brasileiro. 11. ed. rev. Rio de Janeiro: Forense, 2004. p. 755.

(77) OLIVEIRA, José Jayme Macêdo. Código tributário nacional: comentários, doutrina e jurisprudência. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2003. p. 410.

(78) AMARO, Luciano. Direito tributário brasileiro. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 2003. p. 319.

(79) CALÇAS, Manoel de Queiroz Pereira. Sociedade limitada no novo Código Civil. São Paulo: Atlas, 2003. p. 99.

(80) TOMAZETTE, Marlon. Direito societário. 2. ed. atual. São Paulo: Juarez de Oliveira, 2004.p. 83.

(81) MARTINS, Ives Gandra da Silva (coord.). Comentários ao código tributário nacional. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2002. v. 2. p. 271.

(82) COELHO, Sacha Calmon Navarro. Curso de direito tributário brasileiro. 7. ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Forense, 2004. p. 748.

(83) DECOMAIN, Pedro Roberto. Anotações ao código tributário nacional. São Paulo: Saraiva, 2000. p. 500.

(84) AGRAVO DE INSTRUMENTO. TRIBUTÁRIO E FISCAL. EXECUÇÃO FISCAL. RESPONSABILIDADE DO SÓCIO EM SOCIEDADE POR QUOTAS DE RESPONSABILIDADE LIMITADA. LIMITES. RESPONSABILIDADE SUBSIDIÁRIA (ART. 135 DO CTN). A PESSOA JURÍDICA COM PERSONALIDADE PRÓPRIA NÃO SE CONFUNDE COM A PESSOA DE SEUS SÓCIOS. A responsabilidade de que trata o artigo 135 do CTN ao tempo em que não exclui o verdadeiro contribuinte, é meramente subsidiária e não por substituição. Não se trata de responsabilidade objetiva, in re ipsa, exigindo ato doloso ou culposo para induzi-la, não prevalecendo a simples presunção quanto ao descumprimento de obrigações legais ou sociais. O credor deverá provar que o devedor agiu dolosamente, com fraude ou excesso de poderes. A responsabilidade subsidiária não institui a solidariedade. (TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL.Apelação Cível nº 70006901284. Vigésima Primeira Câmara Cível. Rel. Genaro José Baroni Borges. J. 20/10/2004. Disponível em: <http://www.tj.rs.gov.br> Acesso em: 26 ago. 2005).

(85) TORRES, Ricardo Lobo. Curso de direito financeiro e tributário. 11. ed. atual. Rio de Janeiro: Renovar, 2004. p. 265.

(86) MACHADO, Hugo de Brito. Comentários ao código tributário nacional. São Paulo: Atlas, 2004. v. 2. p. 594.

(87) FARIA, Luiz Alberto Gurgel; FREITAS, Vladimir Passos de (coord.). Código tributário nacional comentado: doutrina e jurisprudência, artigo por artigo, inclusive ICMS (LC 87/1996 LC 114/2002) e ISS (LC 116/2003). 2. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2004. p. 597.

(88) DIFINI, Luiz Felipe Silveira. Manual de direito tributário. São Paulo: Saraiva, 2003. p. 206.

(89) TRIBUTÁRIO E PROCESSUAL CIVIL. EXECUÇÃO FISCAL. REDIRECIONAMENTO CONTRA OS SÓCIOS-GERENTES. RESPONSABILIDADE PELO DESCUMPRIMENTO DE OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS. ART. 13 DA LEI Nº 8.620/93. RESPONSABILIDADE DOS SÓCIOS INDICADOS NA CERTIDÃO DE DÍVIDA ATIVA. PRESUNÇÃO DE LEGITIMIDADE. 1. Mesmo em se tratando de débitos para com a Seguridade Social, a responsabilidade pessoal dos sócios das sociedades por quotas de responsabilidade limitada, prevista no art. 13 da Lei 8.620/93, só existe quando presentes as condições estabelecidas no art. 135, III, do CTN. 2. Não se pode, diante da presunção de certeza e liquidez da Certidão de Dívida Ativa, inverter o ônus probatório para a exclusão dos sócios da execução fiscal. 3. Por possuir a CDA presunção juris tantum de liquidez e certeza, seria gravame incabível a exigência de que o Fisco fizesse prova das hipóteses previstas no art. 135 do CTN.4. Recurso especial improvido. (STJ - 2ª T., REsp nº 869.482/SP, Rel. Min. Castro Meira, DJ. 09/03/2007. p. 307).

(90) TRIBUTARIO. DIVIDA ATIVA INSCRITA. CERTIDÃO NEGATIVA DE DEBITO. PESSOA JURIDICA. SOCIOS. CTN, ART. 135, III. 1. A pessoa juridica, com personalidade propria, não se confunde com outra, ainda que tenham socios com participação em ambas. constitui, pois, delirio fiscal, a matroca de substituição tributaria, atribuir-se a responsabilidade substitutiva (art. 135 - caput - CTN) para pessoa juridica diversa daquela em cujo nome esta inscrita a divida. 2. Recurso Improvido. (REsp 91858 / ES, Relator Ministro MILTON LUIZ PEREIRA, STJ - Primeira Turma, j. em 16/12/1996). Na verdade, por esse dispositivo, os administradores são exclusivamente responsabilizados e a sociedade limitada é afastada da relação obrigacional. Não há responsabilidade por substituição, e sim, uma responsabilidade pessoal e direta. FIORENTINO, Isiane Cristina. Responsabilidade civil dos sócios na sociedade limitada. Jus Navigandi, Teresina, ano 14, n. 2012, 3 jan. 2009. Disponível em: <http://jus.uol.com.br/revista/texto/12161>. Acesso em: 14 jul. 2011.

(91) EMENTA PROCESSUAL CIVIL. RECURSO ESPECIAL SUBMETIDO À SISTEMÁTICA PREVISTA NO ART. 543-C DO CPC. EXECUÇÃO FISCAL. INCLUSÃO DOS REPRESENTANTES DA PESSOA JURÍDICA, CUJOS NOMES CONSTAM DA CDA, NO PÓLO PASSIVO DA EXECUÇÃO FISCAL. POSSIBILIDADE. MATÉRIA DE DEFESA. NECESSIDADE DE DILAÇÃO PROBATÓRIA. EXCEÇÃO DE PRÉ-EXECUTIVIDADE. INVIABILIDADE. RECURSO ESPECIAL DESPROVIDO. 1. A orientação da Primeira Seção desta Corte firmou-se no sentido de que, se a execução foi ajuizada apenas contra a pessoa jurídica, mas o nome do sócio consta da CDA, a ele incumbe o ônus da prova de que não ficou caracterizada nenhuma das circunstâncias previstas no art. 135 do CTN, ou seja, não houve a prática de atos "com excesso de poderes ou infração de lei, contrato social ou estatutos". 2. Por outro lado, é certo que, malgrado serem os embargos à execução o meio de defesa próprio da execução fiscal, a orientação desta Corte firmou-se no sentido de admitir a exceção de pré-executividade nas situações em que não se faz necessária dilação probatória ou em que as questões possam ser conhecidas de ofício pelo magistrado, como as condições da ação, os pressupostos processuais, a decadência, a prescrição, entre outras. 3. Contudo, no caso concreto, como bem observado pelas instâncias ordinárias, o exame da responsabilidade dos representantes da empresa executada requer dilação probatória, razão pela qual a matéria de defesa deve ser aduzida na via própria (embargos à execução), e não por meio do incidente em comento. 4. Recurso especial desprovido. Acórdão sujeito à sistemática prevista no art. 543-C do CPC, c/c a Resolução 8/2008 -Presidência/STJ. STJ - RECURSO ESPECIAL Nº 1.104.900 -ES (2008/0274357-8, Rel. Ministra Denise Arruda. (grifos nossos).

(92) FERNANDES, Marcelo Romanelli Cezar Fernandes. IN: Revista Consultor Jurídico, 2 de agosto de 2009, http://www.conjur.com.br/2009-ago-02/stj-muda-jurisprudencia-relacao-responsabilidade-tributaria-socio, acessado em 20.09.2011.

(93) ALEXANDRE, Ribeiro, Op cit, p. 361.

(94) JUSTEN FILHO, Marçal. Desconsideração da Personalidade Societária no Direito Brasileiro. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 1987. p. 50.

(95) Bruno Mattos e Silva (SILVA, Bruno Mattos. Direito da Empresa: Teoria da Empresa e Direito Societário. São Paulo: Atlas, 2007) cita doutrinadores para salientar que existem correntes acerca nascimento da teoria em análise: Marlon Tomazete (TOMAZETTE, Marlon. Direito societário. São Paulo: Juarez de Oliveira, 2003, p. 78. PANTOJA, Teresa Cristina. "Desconsideração da personalidade jurídica". In O crédito imobiliário em face do novo Código Civil. São Paulo: IRIB: ABECIP, 2005, p. 197) menciona que "vários doutrinadores brasileiros mencionam que a teoria da desconsideração da personalidade jurídica surgiu em um processo judicial que, curiosamente, não desconsiderou a personalidade jurídica de uma sociedade, mas deixou claro para todos a necessidade da possibilidade de, em certos casos, romper-se com a personalização da sociedade para que injustiças graves não sejam cometidas. Isso ocorreu na Inglaterra, em 1897, no processo judicial Salomon x Salomon Co. Gower (GOWER, L. C. B. The principles of modern company law. 3. ed. 6. reimpressão. Londres: Stevens & Sons, 1976, p. 189) salienta que "com efeito, esse é o precedente mencionado pela doutrina inglesa ao se tratar da teoria da desconsideração da personalidade jurídica (lifting the veil)". Já, José Hutardo (COBLES, José Hurtado. La doctrina del levantamiento del velo societário. Barcelona: Atelier, 2000, p. 28) menciona que "outros doutrinadores sustentam, porém, que o primeiro precedente que gerou a teoria da desconsideração da personalidade jurídica foi o processo judicial Bank of the United States v. Deveaux, no qual o Tribunal Federal afirmou sua competência em razão dos sócios de uma pessoa serem domiciliados em Estados diferentes. Nesse caso, desconsiderou o Tribunal Federal a personalidade jurídica da sociedade para afirmar sua competência em face do tribunal estadual que seria competente para o processo caso se admitisse o domicílio da pessoa jurídica com fator determinante para o estabelecimento da competência do órgão judiciário".

(96) A desconsideração da personalidade jurídica é conhecida pelas denominações: no direito inglês e no americano como disregard of legal entity, disregard of corporate entity, lifting the corporate veil, piercing the corporate veil, cracking open the corporate shell; no direito italiano, por superamento della personalitá giuridica; no direito alemão, por Durchgriff der juristschen Person; no direito argentino, por teoria de la penetración de la personalidad; e no direito francês, mise à l'écart de la personnalité morale conforme menciona Bruno Mattos e Silva (Bruno Mattos e Silva (SILVA, Bruno Mattos. Direito da Empresa: Teoria da Empresa e Direito Societário. São Paulo: Atlas, 2007)

(97) OLIVEIRA, Celso Marcelo de. Direito Empresarial Brasileiro. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, 18, 31/08/2004 (Internet).

Disponível em http://www.ambito juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=4495. Acesso em 05/02/2012.

(98) ESAF/Procurador do Distrito Federal/Concurso Público - aplicação em 18/04/2004, questão nº 94.

(99) Lei 10.406, de 10 de janeiro de 2002, DOU 11/02/2002.

(100) Desvio de finalidade é a utilização da pessoa jurídica para fins distintos dos objetivos ou valores que motivaram a criação dessa figura jurídica. Vimos o que motivou a criação, pelo Direito, da personificação das sociedades que, em última análise, foi uma necessidade da atividade econômica.

(101) TJDF, 3ª Turma Cível, APELAÇÃO CÍVEL nº 3675195, Relator: NANCY ANDRIGHI, j. em 27/11/1995, DJU de 19/12/1995.

(102) Enunciado nº 7, aprovado na I Jornada de Direito Civil, promovida pelo Conselho da Justiça Federal, realizada em setembro/2002.

(103) PINTO, Marcos de Oliveira Pinto. A teoria da desconsideração da pessoa jurídica e sua incidência no Direito Tributário. REVISTA DA ESMESE, Nº 05, 2003 - 55 In: http://bdjur.stj.gov.br/xmlui/bitstream/handle/2011/18321/A_Teoria_da_Desconsidera%C3%A7%C3%A3o_da_Pessoa_Jur%C3%ADdica.pdf?sequence=2, acessado em 30.01.2012.

(104) SILVA, Alexandre Alberto Teodoro da Silva. A desconsideração da personalidade jurídica no direito tributário. São Paulo: Quartier Latin, 2007, p. 77-78.

(105) Ferreira, Nádia Arnaud Pereira. A Teoria da Desconsideração da Personalidade Jurídica no Direito Tributário: Estudo sobre sua Aplicabilidade. http://www.apet.org.br/artigos/ver.asp?art_id=1204&autor=Nádia Arnaud Pereira Ferreira, acessado em 01.02.2012.

(106) JUSTEN FILHO, Marçal. Desconsideração da Personalidade Societária no Direito Brasileiro. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 1987. p. 109-110 citado por PINTO, Marcos de Oliveira Pinto. A teoria da desconsideração da pessoa jurídica e sua incidência no Direito Tributário. REVISTA DA ESMESE, Nº 05, 2003 - 55 In: http://bdjur.stj.gov.br/xmlui/bitstream/handle/2011/18321/A_Teoria_da_Desconsidera%C3%A7%C3%A3o_da_Pessoa_Jur%C3%ADdica.pdf?sequence=2, acessado em 30.01.2012.

(107) STJ, 3ª T, REsp 211619/SP, Rel. Min. Eduardo Ribeiro, Rel. p/ Acórdão Min. Waldemar Zveiter, j. 16/02/2001.

(108) Ferreira, Nádia Arnaud Pereira. A Teoria da Desconsideração da Personalidade Jurídica no Direito Tributário: Estudo sobre sua Aplicabilidade. http://www.apet.org.br/artigos/ver.asp?art_id=1204&autor=Nádia Arnaud Pereira Ferreira, acessado em 01.02.2012.

(109) Idem, nº 132.

(110) SILVA, Alexandre Alberto Teodoro da Silva. Op cit., p. 104.

 
Paulo Roberto de Souza Junior*

  Leia o curriculum do(a) autor(a): Paulo Roberto de Souza Junior.



- Publicado em 16/01/2013



Todas as legislações citadas neste artigo estão disponíveis na íntegra no CHECKPOINT. Se você ainda não é usuário faça AQUI sua solicitação de acesso para degustação.