Pesquisa por expressão: e/ou por período: até  
Artigos por Autor:   A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z

Artigos por Assunto    pixel

Marcos Cintra Cavalcanti de Albuquerque 
Doutor em Economia pela Universidade de Harvard (EUA). Professor titular e vice-presidente da Fundação Getulio Vargas. Ex-Deputado Federal (1999-2003).

Artigo - Federal - 2006/1215

Onda simplificadora
Marcos Cintra Cavalcanti de Albuquerque*

Elaborado em 10/2005.

Vários países europeus estão repensando suas estruturas tributárias. A linha mestra das reformas tem sido uma variante da tese do Imposto Único. Tal fato ganhou destaque em função das recentes eleições ocorridas na Alemanha, onde a então candidata, agora chanceler daquele país, Ângela Merkel propôs uma estrutura tributária simplificada através da adoção de um "flat-tax".

A onda simplificadora na Europa começou em 1994 com a reforma na Estônia, que unificou vários tributos em apenas um incidente sobre a renda pessoal. Em seguida adotaram a mesma linha a Letônia, a Lituânia, a Rússia, a Sérvia, a Ucrânia, a Eslováquia, a Geórgia e a Romênia. Em 2007 será a vez da Polônia. Em Portugal e na Espanha o debate se fortalece e ganha adeptos.

Se a unificação tributária vem se tornando uma realidade na Europa, nos Estados Unidos a proposta vem sendo debatida há algum tempo. O milionário Steve Forbes, então candidato à presidência daquele país, propôs um imposto único de 17% sobre os salários. A idéia do "flat-tax" ganhou adeptos e em 2003 cinco projetos seguindo essa linha simplificadora foram apresentados ao Congresso americano.

Simplificar tornou-se a palavra de ordem nas principais economias do mundo. A elogiável meta de se buscar justiça social e de se combater as fraudes fiscais levaram a uma proliferação insana de alíquotas e regras que desembocaram em estruturas tributárias complexas e de custo elevado, tanto para o poder público como para os agentes privados.

No Brasil, segundo o IBPT, foram editadas 219.796 normas tributárias (leis, decretos, MP's, etc) entre a promulgação da Constituição em 1988 e 2004. Pesquisa publicada pelo Fórum Econômico Mundial classificou o sistema tributário brasileiro como o mais ineficiente dentre os 117 países consultados. Nos Estados Unidos, há estimativas apontando que os custos operacionais tributários (custos administrativos e acessórios) situam-se entre 10 e 20% da arrecadação global. Tais parâmetros aplicados no Brasil implicariam dizer que entre 3,5% e 7% do PIB brasileiro são gastos em atividades diretamente relacionadas à apuração, à fiscalização, ao contencioso e ao recolhimento de tributos. Nesse sentido, é evidente que a simplificação, ao reduzir os custos burocráticos e operacionais da atividade tributária, aumentam a competitividade da produção nacional.

Os críticos da alíquota única afirmam que essa prática é injusta. Argumentam que o sistema deve contar com impostos múltiplos e alíquotas crescentes, de tal forma a onerar mais os ricos. No entanto, um estudo da OCDE, seus autores, Jeffrey Owens e Stuart Hamilton, analisaram a parafernália de regras e alíquotas e levantaram a seguinte questão: quanta legitimidade é ganha com toda essa complexidade extra? "Surpreendentemente pouca", concluem ambos. Conforme seus relatos, na Nova Zelândia, por exemplo, apenas 10% dos mais ricos é que pagam mais impostos com a aplicação de um imposto de renda progressivo do que pagariam com um imposto único de 25%.

Como se vê, o mundo se moderniza na área tributária ao combater a complexidade. Quando será que o Brasil vai entrar em sintonia com essa onda simplificadora?

 
Marcos Cintra Cavalcanti de Albuquerque*

  Leia o curriculum do(a) autor(a): Marcos Cintra Cavalcanti de Albuquerque.



- Publicado em 08/03/2006



Todas as legislações citadas neste artigo estão disponíveis na íntegra no CHECKPOINT. Se você ainda não é usuário faça AQUI sua solicitação de acesso para degustação.

Veja também outros artigos do mesmo autor:

Veja também outros artigos do mesmo assunto:
· Desenquadramento do Regime do SIMPLES por Exercício de Atividade Vedada. Efeito Suspensivo do Recurso Voluntário do Contribuinte - Kiyoshi Harada*
· A Inconstitucionalidade da Instrução Normativa INSS nº 80/2002. A Ilegal Retenção de 11% sobre o Faturamento das Empresas Optantes pelo SIMPLES - João Antônio Coelho e Sá*
· Instrução Normativa nº 608/2005, da Secretaria da Receita Federal põe fim a Dúvida sobre o Desenquadramento do SIMPLES - Renata Borowski Gonçalves da Silva*
· Os Novos Limites de Enquadramento do Simples Trazidos pela MP nº 275. Um Alerta aos Empresários - André Silva Spínola*
· O Exemplo que vem da Europa - Marcos Cintra Cavalcanti de Albuquerque*