x
x
x

Artigos

Pesquisa p/ expressão: e/ou por período: até          · Como Pesquisar?
Artigos por Autor:   A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z

Artigos por Assunto    pixel

imprimir Imprimir enviar por email Enviar por E-mail Compartilhe: facebook mais
curriculoMarcio Felix Rosa 
Consultor; Hirashima & Associados

Artigo - Federal - 2004/0813

Apuração do Custo de Estoque: Método de Apuração e Critérios Contábeis
Marcio Felix Rosa*


  Avalie este artigo

Embora os princípios de avaliação dos estoques sejam razoavelmente simples, mas a aplicação desses princípios nos casos em concreto, particularmente em relação a estoques em processo e produtos acabados, torna-se mais complexa em virtude da necessidade de alocação dos vários gastos envolvidos entre custos (estoques) e despesas (resultado do período).

A adequada avaliação dos estoques deve ser precedida do entendimento das atividades da empresa e dos métodos de estocagem e produção adotados, de forma que o critério de custeio adotado seja aquele que melhor represente essas atividades e a dinâmica dos estoques.

Primeiramente, é importante entender o que representa e do que se compõem determinados custos em cada categoria de estoque:

a) Matérias-primas:

Normalmente, o custo destes itens é facilmente identificado através da correspondente documentação de compra (Nota fiscal), mas deve incluir também eventuais custos incorridos até o item estar presente no estabelecimento da empresa. Assim, custos de frete, manuseio, transporte, seguro, embalagem, taxas, etc., quando por conta da empresa, devem compor o custo das matérias-primas. Esses custos são mais freqüentes nos casos de importações.

No tocante a impostos, quando estes não forem recuperáveis fiscalmente, devem compor o custo de aquisição. Assim, nos casos em que o ICMS e IPI forem fiscalmente recuperáveis, os valores devem ser quantificados e registrados em conta especial de impostos a recuperar. O Imposto de Importação, por sua vez, deverá integrar o custo do produto, já que não é recuperável, exceto nas importações sob o regime de "drawback", isentas ou suspensas do referido imposto.

A avaliação dos estoques depende também do critério adotado para refletir o fluxo teórico de materiais. Esse fluxo teórico não obrigatoriamente deve guardar relação com o fluxo físico dos estoques; no entanto, o objetivo primário é que a sua seleção seja a que melhor reflita as atividades da empresa e ajude na definição do custo unitário de produtos adquiridos em datas distintas e a custos unitários diferentes. As principais formas de avaliação de estoque são:

* Preço específico: nesse método, o custo de cada produto é identificado individualmente. O custo segue o fluxo físico de entrada e saída daquele item específico dos estoques para o resultado do período. Esse método é aplicável geralmente quando é possível fazer a identificação do preço específico de cada unidade de estoque, como, por exemplo, em indústrias de bens de capital, revenda de veículos e serviços.

* PEPS (Primeiro a Entrar, Primeiro a Sair): os primeiros custos são os primeiros a serem transferidos para o custo das vendas. Assim, assume-se que o saldo remanescente nos estoques representa as compras mais recentes e, conseqüentemente, é o mais próximo do custo de reposição. Em períodos de alta dos preços, o PEPS resulta em estoques finais maiores e lucro também maior.

* UEPS (Último a Entrar, Primeiro a Sair): nesse método, os últimos custos a darem entrada no sistema de custos serão os primeiros a serem transferidos para o custo dos produtos vendidos. Assim, os estoques representam os custos mais antigos, o que geralmente não representa o fluxo físico nas empresas que visam, usualmente, vender os produtos mais antigos como forma de prevenir a retenção de produtos deteriorados ou obsoletos.

Vale salientar que esse critério não é aceito pela legislação do Imposto de Renda, motivo pelo qual praticamente não é utilizado no Brasil.

* Média ponderada: ao final de cada período contábil, o custo médio de cada produto é calculado através da média de todos os produtos em estoque. O custo médio é determinado dividindo-se o estoque disponível pela quantidade existente.

* Média ponderada móvel: segundo este critério, o custo médio das unidades em estoque é atualizado a cada compra de outras unidades a um custo diferente. A média móvel é mais dinâmica do que a média ponderada e, uma vez que não exige o cômputo da média para um período específico, é regularmente disponível em vez de apenas no final do período. No Brasil, é o método mais comumente encontrado.

* Método de preço de venda a varejo: utilizado em empresas comerciais com elevado volume de itens com baixo valor unitário, como supermercados, lojas de departamentos, etc. Nesse método, os estoques são controlados e avaliados a preço de venda, eliminando-se desse preço a margem de lucro, através da aplicação da margem média de lucro praticada no período.

b) Produtos em processo e produtos acabados:

Os custos incluídos nos estoques são representados pelo somatório de todos os gastos necessários para trazer os produtos à condição e local, de forma que eles estejam prontos para a venda. Normalmente, integram o custo dos produtos os seguintes itens:

* Materiais diretos: são aquelas matérias-primas e materiais auxiliares adicionados no processo produtivo e claramente identificados com o produto.

* Mão-de-obra: refere-se aos gastos com pessoal diretamente alocáveis aos produtos.

* Gastos gerais de fabricação: incluem todos os gastos indiretos de produção, que, embora necessários ao processo, não são diretamente identificados com o produto, ou mesmo sua alocação a cada produto não seja economicamente viável. Exemplo: (a) mão-de-obra indireta como supervisão, inspeção e manutenção; (b) materiais indiretos como combustíveis e lubrificantes; e (c) gastos gerais, como depreciação, energia e seguros.

Para o custeio de produtos em processo e acabados, é normalmente empregado um dos seguintes métodos:

* Custeio por absorção: Todos os custos, fixos ou variáveis, incorridos na elaboração da produção, identificados de forma direta (matéria-prima, mão-de-obra direta, etc.) ou indireta (mão-de-obra indireta e seus encargos, depreciação, combustíveis, energia, seguros e outros), são considerados como essenciais à produção e são, portanto, absorvidos (alocados) no custeio da produção.

* Custeio variável ou direto: Somente os custos diretamente relacionados ao produto (matéria-prima, mão-de-obra direta e respectivos encargos, embalagens, etc.) são alocados à produção; os demais custos (os indiretos) são lançados como despesas do período. Esse método revela-se muito útil para fins gerenciais, proporcionando valiosas informações sobre a relação custos, volumes e margens, mas não é aceito para a elaboração das demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis brasileiras e, tampouco, pela legislação fiscal.

 
Marcio Felix Rosa*

  Leia o curriculum do(a) autor(a): Marcio Felix Rosa.



- Publicado pela FISCOSoft em 17/09/2004

FISCOSoft no Twitter
Acompanhe pelo Twitter:
Artigos na FISCOSoft


A FISCOSoft não é responsável pelo conteúdo dos textos assinados. As opiniões contidas nos artigos assinados não correspondem necessariamente ao posicionamento do Site, e sua publicação não representa endosso de seu conteúdo. Advertimos, ainda, que o leitor deve ter em mente que o conteúdo pode não estar atualizado com legislação que, eventualmente, tenha sido editada posteriormente à data de elaboração indicada no Artigo.

É proibida a reprodução dos textos publicados nesta página sem permissão do autor e vedada a sua reutilização em outras publicações sem permissão do Site. Os infratores estão sujeitos às penas da Lei nº 9.610/98.

Citações de textos devem ser acompanhadas da indicação da FISCOSoft como fonte, necessariamente com link para www.fiscosoft.com.br, no caso de mídia eletrônica.
Avaliação do Artigo
Por favor, selecione uma nota!

Gostaríamos muito de receber sua avaliação sobre
este artigo.

Ajude-nos a servi-lo cada vez melhor!
Insira seu comentário sobre esse Artigo no Fórum FISCOSoft:
Comentário:

Clique e faça seu Login para poder inserir seu comentário aqui.

Seu comentário ficará disponível no Fórum FISCOSoft imediatamente após o envio.
Clique aqui e veja outros comentários inseridos no Fórum da FISCOSoft.




Veja também outros artigos do mesmo autor:
Veja também outros artigos do mesmo assunto:
· Sociedades em Conta de Participação - Aspectos Societários e Fiscais - Paulo Attie*
· Responsabilidade Profissional e Falácias em Normas Internacionais de Contabilidade - Antônio Lopes de Sá*
· Reforma da Lei das Sociedades Anônimas e a Má Qualidade nas ditas Normas Internacionais de Contabilidade - Antônio Lopes de Sá*
· A Reforma da Lei das Sociedades Anônimas e seus Impactos na Escrituração Contábil e nas Demonstrações Financeiras - Milton da Silva Pereira*
· Divergências na Convergência das Normas Internacionais de Contabilidade - Antônio Lopes de Sá*



Voltar para página inicial| Voltar | Voltar ao topo | Imprimir | Enviar por e-mail