x
x
x
imprimir Imprimir enviar por email Enviar por E-mail Compartilhe: facebook mais

Intervalo intrajornada não gozado tem que ser pago com acréscimo de 50% (Notícias TST)


Data: 22/10/2010

O tempo para descanso e alimentação, denominado intervalo intrajornada, não usufruído pelo empregado, deve ser pago com acréscimo de no mínimo 50% sobre o valor da remuneração da hora normal de trabalho. Assim estabelece o § 4º do artigo 71 da CLT e foi o fundamento adotado pela Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho para deferir a um metalúrgico o pagamento do tempo de descanso não desfrutado.
 
Diferentemente desse entendimento, o Tribunal Regional da 2ª Região (SP) havia tratado a questão apenas como hora extraordinária, limitadas aos minutos efetivamente suprimidos. Inconformado, o empregado recorreu ao TST e conseguiu a reforma da decisão.
 
Segundo o relator do apelo na Segunda Turma, ministro Caputo Bastos, além da clareza do referido enunciado celetista, a concessão parcial ou o fracionamento do intervalo intrajornada, a exemplo da decisão regional, desvirtua a finalidade do benefício. O pagamento tem de ser calculado sobre "todo o período assegurado, como hora extraordinária, e não apenas dos minutos abolidos", afirmou.
 
A decisão regional "adotou posicionamento dissonante da jurisprudência deste Tribunal, sufragada na Orientação Jurisprudencial nº 307 da SBDI-1", relativa ao acréscimo de 50% sobre o referido pagamento, avaliou o relator.
 
Ao final, as verbas foram deferidas ao empregado, conforme estabelece a diretriz da Orientação Jurisprudencial nº 354 da SBDI, que dispõe sobre a concessão ou redução do intervalo intrajornada, com base no referido artigo 71 da CLT. (RR - 150300-96.2002.5.02.0462)


Leia também:
Anterior:22/10/2010 - Prorrogado até 29 de outubro prazo de adesão ao Ajustar RS (Notícias Secretaria da Fazenda do Estado do Rio Grande do Sul)
Próximas: 22/10/2010 - Benefício de previdência privada não fica livre de IR (Notícias STJ)
22/10/2010 - Atitudes que podem diminuir a mordida do leão (FISCOSoft)
25/10/2010 - Cargo exercido na prática é o que deve ser levado em conta para obtenção de benefícios (Notícias TRT - 3ª Região)