x
x
x
Conv. AE CONFAZ 16/72 - Conv. AE - Convênio AE CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA FAZENDÁRIA - CONFAZ nº 16 de 23.11.1972

D.O.U.: 21.12.1972

Estabelece que a isenção nas saídas de produtor para cooperativa fica condicionada à sujeição do imposto na saída subseqüente, fixa entendimento no sentido de não se considerar industrializado o produto resultante dos processos que especifica, define o percentual a ser adotado para estorno do crédito nas exportações, bem como institui normas com este relacionadas e dispõe sobre o estorno de crédito nas saídas de açúcar, melaço, cacau em massa ou em pães e manteiga de cacau.


 
Este Convênio AE foi revogado pelo Convênio AE nº 17 de 01.12.1972.

Os Secretários de Fazenda dos Estados e do Distrito Federal, reunidos na cidade do Rio de Janeiro (GB), no dia 23 de novembro de 1972, resolvem assinar o seguinte

CONVÊNIO

Cláusula primeira Ficam fixados os seguintes entendimentos:

I - Para os efeitos do disposto nos incisos IX e X do artigo 1º da Lei Complementar nº 4, de 02/12/69, a isenção só prevalece quando ocorrer, no mesmo Estado, saída posterior da mercadoria, na mesma espécie ou modificada, efetivamente sujeita ao imposto. Não ocorrendo essa condição, fica responsável pelo imposto o contribuinte que promover a última saída do Estado.

II - Para os efeitos do disposto no parágrafo 3º do artigo 3º do Decreto-Lei nº 406, de 31/12/68, a expressão "valor do produto resultante de sua industrialização" corresponde a "custo industrial do produto resultante de sua industrialização".

III - Para os efeitos da não incidência do imposto de circulação de mercadorias, prevista no parágrafo 7º do artigo 23, da Constituição Federal, não se consideram industrializados os produtos resultantes dos seguintes processos:

a) abate de animais e preparação de carnes, até o congelamento;

b) resfriamento e congelamento;

c) secagem, esterilização e prensagem, de produtos extrativos e agropecuários;

d) desfibramento de produtos agrícolas;

e) abate de árvores e serragem de madeiras;

f) descaroçamento, descascamento, lavagem, secagem e polimento de produtos agrícolas;

g) salga ou secagem de produtos animais.

Parágrafo único. A forma de acondicionamento a que forem submetidos os produtos resultantes dos processos referidos neste item não altera a sua natureza para efeitos tributários.

Cláusula segunda Desde que os cálculos pelos quais se apure o percentual de matéria-prima considerem os critérios estabelecidos na cláusula anterior, o estorno do crédito fiscal a que se refere o § 3º do ( continua ... )

Clique e Leia a íntegra deste documento.


Assine aqui Acesso gratuito por 7 dias


Busca Avançada
Área:
  • Todas
  • Federal
  • Trab/Prev

Ajuda: como pesquiso frases ou expressões?