Pesquisa por expressão: e/ou por período: até  
Artigos por Autor:   A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z

Artigos por Assunto    pixel

Antonio Carlos Antunes Junior 
Pós-graduado em Direito Civil pelo CPPG-UNIFMU e em Direito Tributário pelo IBET-SP, professor e conferencista do curso de especialização em direito tributário da Escola Paulista de Direito - EPD, membro do Comitê de Jovens Empreendedores da FIESP, membro do Tribunal de Ética da OAB-SP, autor dos livros "Manual de Defesa Judicial do Contribuinte", "Col. Exame Nacional da OAB - 1ª Fase: Questões Comentadas de Direito Tributário", "Col. Exame Nacional da OAB - 1ª Fase: Questões... (ver mais)

Artigo - Federal - 2011/3102

Sobre a responsabilização dos sócios em sociedades de responsabilidade limitada
Antonio Carlos Antunes Junior*

Elaborado em 09/2011

1 - Introdução

Ao longo do presente ano realizamos algumas palestras sobre as regras de responsabilidade dos sócios em sociedades empresariais e notamos que o tema atrai grande atenção dos empresários e futuros empreendedores do país.

Desta forma, resolvemos trazer no presente artigo algumas breves considerações sobre as regras de responsabilidade dos sócios nas obrigações das empresas perante terceiros, com enfoque na modalidade empresarial mais usada no país, a sociedade de responsabilidade limitada.

Iremos abordar, sucintamente, as regras gerais da responsabilidade nas chamadas "ltda´s" e como o Poder Judiciário vem adotando as exceções para a quebra da personalidade jurídica e responsabilização dos sócios perante obrigações contraídas pela pessoa jurídica, considerando cada espécie de obrigação.

2 - Regras gerais da responsabilidade limitada

Como regra geral, na sociedade limitada, a responsabilidade de cada sócio é restrita ao valor de suas quotas, mas todos respondem solidariamente pela integralização do capital social nos termos do art. 1.052 do Código Civil Brasileiro.

Isso significa que, em regra geral, se integralizado totalmente o capital social da empresa, o sócio não terá responsabilidade perante terceiros (ou seja, responde só pelo valor de suas cotas, as quais já foram integralizadas, pagas à sociedade).

Por outro lado, se o capital não tiver sido integralizado, total ou parcialmente, todos os sócios que integram a empresa deverão responder solidariamente pela tal integralização, ou seja, qualquer um dos sócios pode ser compelido a pagar à sociedade o valor total do capital social.

Em regra, estas são as responsabilidades de cotistas em sociedades de responsabilidade limitada, não devendo tais sócios responder por quaisquer outras obrigações contraídas pela empresa.

Porém, esta regra admite exceções, as quais inúmeras vezes são aplicadas genericamente e prejudicialmente, vejamos caso a caso quais são as tais excepcionalidades.

3 - Causas de responsabilização dos sócios

3.1 - Obrigações de natureza civil (dívidas cíveis)

O Código Civil Brasileiro, basicamente, prevê duas situações em que os sócios deverão ser responsabilizados por dívidas de natureza civil, vejamos.

O Art. 1.080 do Código dispõe que deliberações em reuniões ou Assembleias que forem contrárias à lei ou ao Contrato Social implicarão em responsabilidade ilimitada dos sócios que as aprovaram.

Apesar de na prática não ser muito comum, os sócios que vierem a adotar alguma deliberação em reunião ou assembleia de cotistas que implique em infração legal ou, ainda, desrespeito às regras do Contrato Social, responderão de forma ilimitada (com seus bens) por tais obrigações assumidas.

Já o artigo 50 do Código Civil prevê a regra da "desconsideração da personalidade jurídica", o qual determina que em caso de abuso da personalidade jurídica, caracterizado pelo desvio de finalidade, ou pela confusão patrimonial, pode o juiz decidir que os efeitos de determinadas obrigações sejam estendidos aos bens particulares dos administradores ou sócios da pessoa jurídica.

Neste aspecto, o "abuso da personalidade" é sempre objeto de avaliação de um Juiz o qual, na análise das alegações, das provas e de eventuais ocorrências ao longo do processo, decide que naquele determinado caso, os sócios deverão responder com seus bens pela dívida ou obrigação que se está sendo exigida judicialmente.

Podemos citar algumas decisões nas quais a personalidade jurídica foi desconsiderada e a dívida alcançou os bens dos sócios:

Ementa: Ação de execução de título extrajudicial - Indeferimento da desconsideração da personalidade jurídica - Indícios de encerramento ilegal das atividades da empresa e frustração das diversas tentativas de localização de bens e penhora de ativos financeiros - Paralisação das atividades sem cumprimento das obrigações, caracterizado o abuso da personalidade jurídica - Recurso Provido (0019105-80.2011.8.26.0000 - Agravo de Instrumento - TJ/SP).
Decisão: Diante dos argumentos articulados Às fls. 73/76, notadamente de que a empresa-executada aparentemente deixou de exercer sua atividade fim enquanto que seu sócio, paralelamente, vem a exercendo em nome próprio, fazendo com que deixe de existir fluxo de caixa nas contas de devedora, o que revela o abuso da personalidade jurídica, defiro o pedido. Expeça-se o necessário. Int. (Proc. 583.00.2008.207113 - Justiça Estadual da Capital do Estado de SP - Fórum Central).

Por último, é válido informar que a chamada "dissolução irregular da sociedade", quando não há o encerramento regular das atividades empresariais tem sido constantemente usado como fundamento para a responsabilização dos sócios em dívidas de diversas naturezas.

3.2 - Obrigações que envolvem o direito do consumidor

O Código de Defesa do Consumidor, em seu artigo 28, traz basicamente a mesma regra do artigo 50 do Cód. Civil para fins de desconsideração da personalidade jurídica, a qual pode ser decretada judicialmente quando houver abuso de direito, excesso de poder, infração da lei, fato ou ato ilícito ou violação dos estatutos ou contrato social, e também quando houver falência, estado de insolvência, encerramento ou inatividade da pessoa jurídica provocados por má administração.

Porém, o parágrafo 5º estende essa regra e prevê que também poderá ser desconsiderada a pessoa jurídica sempre que sua personalidade for, de alguma forma, obstáculo ao ressarcimento de prejuízos causados aos consumidores.

Ou seja, em dívidas e obrigações com consumidores pode haver a desconsideração da personalidade jurídica e responsabilização de todos os sócios sempre que a empresa não tiver condições para arcar com tais dívidas, vejamos um exemplo.

Ementa: Agravo de instrumento Desconsideração da personalidade jurídica para atingir patrimônio dos sócios. Possibilidade diante de ausência de patrimônio da Executada, fato por ela própria reconhecido Aplicação do artigo 28 do Código de Defesa do Consumidor e da teoria da "disregard of legal entity" - Recurso não provido. (0124203-54.2011.8.26.0000 - Agravo de Instrumento - TJ/SP).

Ou seja, nestes casos a responsabilidade dos sócios poderá se dar pela mera inexistência de bens na sociedade capazes de cobrir a dívida com o consumidor.

3.3 - Dívidas fiscais/tributárias

Neste âmbito, as regras de exceção estão previstas no Código Tributário Nacional, basicamente nos artigos 134 e 135, vejamos.

Prevê o artigo 134 que em caso de liquidação da sociedade, respondem solidariamente os sócios, nos casos de impossibilidade de exigência do contribuinte, pelas obrigações tributárias da empresa.

Isto ocorre geralmente quando há o encerramento regular da sociedade e na liquidação para apuração de haveres, os sócios não reservam montante capaz de quitar as obrigações tributárias existentes.

Já o artigo 135 dispõe que os diretores, gerentes ou representantes de pessoas jurídicas são pessoalmente responsáveis pelos créditos correspondentes a obrigações tributárias resultantes de atos praticados com excesso de poderes ou infração de lei, contrato social ou estatutos.

Praticamente o Código Tributário Nacional repete a regra do artigo 50 do Código Civil, determinando que o sócio, o diretor ou o gerente poderá ser responsabilizado pelas dívidas tributárias que decorrerem de atos praticados com excesso de poder ou infração à lei e/ou contrato social.

Neste aspecto, vale citar duas súmulas que são geralmente aplicadas nos processos de cobrança de dívidas fiscais:

Súmula nº 430 do STJ:

"O inadimplemento da obrigação tributária pela sociedade não gera, por si só, a responsabilidade solidária do sócio-gerente".

Súmula nº 435 do STJ:

"Presume-se dissolvida irregularmente a empresa que deixar de funcionar no seu domicílio fiscal, sem comunicação aos órgãos competentes, legitimando o redirecionamento da execução fiscal para o sócio-gerente".

Tais enunciados ratificam as regras acima citadas, ou seja, a mera falta de pagamento não implica em responsabilidade dos sócios pelas dívidas fiscais da empresa, a qual somente dar-se-á em situações previstas no art. 135 do CTN.

3.4 - Dívidas trabalhistas

Como regra geral, a responsabilização dos sócios por dívidas trabalhistas da sociedades empresariais deveriam seguir as regras de desconsideração da personalidade jurídica do Código Civil.

Porém, a CLT prevê o seguinte no seu artigo 8º:

"As autoridades administrativas e a Justiça do Trabalho, na falta de disposições legais ou contratuais, decidirão, conforme o caso, pela jurisprudência, por analogia, por eqüidade e outros princípios e normas gerais de direito, principalmente do direito do trabalho, e, ainda, de acordo com os usos e costumes, o direito comparado, mas sempre de maneira que nenhum interesse de classe ou particular prevaleça sobre o interesse público".

Assim, as decisões judiciais no âmbito da justiça do trabalho, com fundamento neste dispositivo da CLT, alegam que o crédito trabalhista tem natureza alimentar, que é protegido constitucionalmente, que o empregado é o elo mais fraco na relação de emprego e em decorrência disto, os sócios devem responder solidariamente por tais dívidas da empresa.

É evidente que existem decisões que não seguem este entendimento, porém majoritariamente os juízes e os tribunais da justiça trabalhista adotam-no e responsabilizam os sócios, independente de provas que caracterizem "abuso da personalidade jurídica", vejamos um exemplo:

Ementa: Responsabilidade do sócio ou acionista. Cabimento. Demonstrada a insuficiência de bens da ré, respondem seus sócios ou acionistas pelo não pagamento dos débitos trabalhistas constituídos, eis que diante do princípio da alteridade inerente ao contrato de trabalho, não há que se transferir ao trabalhador os riscos do negócio. (TRT/SP 00825-1992-481-02-00-8).

4 - Conclusão

Acima foram descritos, de forma sucinta, as regras de responsabilização dos sócios de acordo com cada natureza de dívida assumida pela empresa perante terceiros.

Neste sentido, é importante que empresários e empreendedores conheçam tais regras e riscos, evitando a adoção de ações que possam implicar em responsabilização solidária dos cotistas por débitos e obrigações das sociedades empresariais.

 
Antonio Carlos Antunes Junior*
Texto publicado originalmente no Jus Navigandi (www.jus.com.br), reproduzido mediante permissão expressa do site e de seu autor.

  Leia o curriculum do(a) autor(a): Antonio Carlos Antunes Junior.



- Publicado em 17/11/2011



Todas as legislações citadas neste artigo estão disponíveis na íntegra no CHECKPOINT. Se você ainda não é usuário faça AQUI sua solicitação de acesso para degustação.

Veja também outros artigos do mesmo autor: