Pesquisa por expressão: e/ou por período: até  
Artigos por Autor:   A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z

Artigos por Assunto    pixel

Cláudio de Oliveira Santos Colnago 
Advogado. Sócio da Bergi Advocacia em Vitória - ES. Membro da Academia Brasileira de Direito Tributário (ABDT). Professor de Direito Tributário e Direito Constitucional nos cursos de graduação e pós-graduação da Faculdade de Direito de Vitória (FDV). Especialista em Direito Tributário pelo Instituto Brasileiro de Estudos Tributários (IBET). Mestre em Direitos e Garantias Fundamentais pela Faculdade de Direito de Vitória (FDV). Co-autor dos livros: Execução Fiscal. (Ed. Del Rey,... (ver mais)

Artigo - Previdenciário/Trabalhista - 2009/1182

A Lei 11.941/09 e o critério temporal das contribuições sociais: Inconstitucionalidade
Cláudio de Oliveira Santos Colnago

Elaborado em 08/2009

1. Introdução.

Pretende-se pelo presente artigo analisar a compatibilidade constitucional das modificações trazidas à Lei 8.212/91 pela Lei 11.941/09, em especial no que diz respeito ao critério temporal das contribuições sociais incidentes sobre a remuneração.

2. A Lei 11.941/09 e a modificação do critério temporal das contribuições incidentes sobre a folha de salários: Inconstitucionalidade.

É certo que a recentemente promulgada Lei 11.941/09 trouxe uma série de modificações à legislação tributária. Uma das alterações que merece destaque consiste na modificação dos parágrafos do artigo 43 da Lei 8.212/91, em especial a nova redação do parágrafo terceiro, que passou a vigorar com o seguinte enunciado:

As contribuições sociais serão apuradas mês a mês, com referência ao período da prestação de serviços, mediante a aplicação de alíquotas, limites máximos do salário-de-contribuição e acréscimos legais moratórios vigentes relativamente a cada uma das competências abrangidas, devendo o recolhimento ser efetuado no mesmo prazo em que devam ser pagos os créditos encontrados em liquidação de sentença ou em acordo homologado, sendo que nesse último caso o recolhimento será feito em tantas parcelas quantas as previstas no acordo, nas mesmas datas em que sejam exigíveis e proporcionalmente a cada uma delas

Com as modificações mencionadas, pretendeu o Fisco instituir verdadeira ficção legal acerca da data de pagamento das contribuições sociais incidentes sobre a remuneração de empregados. A intenção legislativa, manifestada na Lei mencionada, consiste no estabelecimento de que as contribuições sociais incidentes sobre a remuneração seriam devidas não mais na data em que efetuado o efetivo pagamento ao empregado, mas na data em que este tenha prestado o serviço.

A pretensão do Poder Público, porém, não passa no teste da constitucionalidade.

Assim ocorre pois a Constituição, ao permitir que a União institua contribuições sociais, determinou que a sua base de cálculo consistiria nos "rendimentos do trabalho pagos ou creditados" (art. 195, I, "a").

Conseqüentemente, o tributo somente passa a ser devido quando efetivamente auferida a remuneração, não sendo lícito cobrá-lo em razão da prestação do serviço, fato este que não guarda pertinência com a base de cálculo eleita pelo Constituinte. Justamente por este motivo é que a contribuição, nos casos de acordos realizados na Justiça do Trabalho, somente pode incidir sobre a verba efetivamente paga e não sobre o valor da liquidação.

Também há no caso uma manifesta violação à razoabilidade, já que ao considerar devida a contribuição na época em que o empregado prestou o serviço (ainda que sem a respectiva remuneração) o Fisco acaba por considerar existente, com efeitos retroativos, uma obrigação que em muitos casos somente surgiu com a sentença judicial.

3. Conclusão

A pretensão de cobrar a contribuição sobre o valor que deveria ter sido pago e não sobre aquele efetivamente creditado, sobretudo nos casos de acordos homologados pela Justiça do Trabalho, corresponde a verdadeiro enriquecimento ilícito do Poder Público, incompatível, pois, com a Constituição.

Por conta disso, apesar das inovações legislativas aqui comentadas apontarem no sentido de que o recolhimento da contribuição deve incidir sobre o valor da liquidação, inclusive considerando-se juros de mora desde a prestação do serviço (e não a contar da condenação), entendemos pela sua manifesta inconstitucionalidade, que deve ser reconhecida pelo Poder Judiciário, quando provocado.

 
Cláudio de Oliveira Santos Colnago

  Leia o curriculum do(a) autor(a): Cláudio de Oliveira Santos Colnago.



- Publicado em 16/11/2009



Todas as legislações citadas neste artigo estão disponíveis na íntegra no CHECKPOINT. Se você ainda não é usuário faça AQUI sua solicitação de acesso para degustação.

Veja também outros artigos do mesmo autor: