Pesquisa por expressão: e/ou por período: até  
Artigos por Autor:   A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z

Artigos por Assunto    pixel

Nilo Michetti 
Diretor e Consultor de Comércio Exterior da R Trade Assessoria e Logística Aduaneira Ltda.

Artigo - Federal - 2008/1656

O Novo Incentivo Fiscal da Receita Federal que Permite ao Beneficiário do Drawback, Adquirir Insumos no Mercado Interno com Suspensão de Tributos
Nilo Michetti*

Elaborado em 05/2008

Apesar de parecido (conceitualmente) com o "Drawback Interno" ou "Drawback verde-amarelo", a Secretaria da Receita Federal do Brasil instituiu, em meados de maio deste ano, um novo incentivo fiscal à exportação. Este incentivo permitirá ao beneficiário do regime aduaneiro especial de Drawback, na modalidade suspensão, adquirir insumos no mercado nacional com suspensão de tributos (IPI, PIS/Pasep e Cofins).

No Drawback interno (ainda em vigor) o Superintendente da Receita Federal, com base no "Plano de Exportação", elaborado e apresentado conforme as regras estabelecidas pela Instrução Normativa DPRF nº 84 de 03/06/92, concederá ao exportador o direito de adquirir no mercado interno com suspensão do IPI, os insumos a serem aplicadas no produto a ser exportado.

Já para usufruição do novo incentivo fiscal, o beneficiário do drawback-suspensão está dispensado do cumprimento de qualquer formalidade prévia (EX: apresentação de plano de exportação ou pedido de habilitação), podendo utilizar o novo incentivo em qualquer aquisição de insumo que realizar.

A Instrução Normativa RFB nº 845, de 12 de maio de 2008, publicada no D.O.U. em 13/05/08, disciplina que o beneficiário do regime aduaneiro especial de drawback, na modalidade suspensão, poderá adquirir no mercado interno com suspensão dos tributos federais (IPI, PIS/Pasep e Cofins), insumos (matérias-primas, produtos intermediários e material de embalagem) a serem empregadas no processo produtivo do produto a ser exportado.

Portanto, desde 13/05/08, o beneficiário do drawback-suspensão (independentemente do tipo do Ato Concessório que possui: comum, sem cobertura cambial, genérico, intermediário, fornecimento no mercado interno, embarcação), passou a ter à sua disposição um incentivo fiscal que lhe permitirá, sempre que julgar necessário, adquirir insumos no mercado interno com suspensão de tributos, sendo necessário somente que o fornecedor nacional faça constar na Nota Fiscal de Saída, a seguinte expressão: "Saída com suspensão do IPI, da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins, para estabelecimento habilitado ao Regime Aduaneiro Especial de Drawback - Ato Concessório Drawback nº xxxxxxxxx, de xx/xx/xxxx. - INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB nº 845/08".

Incentivo à parte, o problema a ser enfrentado pelo beneficiário do drawback-suspensão que pretenda usufruir deste incentivo, se referirá na busca do perfeito controle tanto das aquisições quanto da utilização (aplicação) dos insumos no processo produtivo da mercadoria a ser exportar (prevista no Ato Concessório mencionado na Nota Fiscal do fornecedor nacional).

Aqui, cabe destacar que o art. 5º da I.N. RFB nº 845/08, assim prevê: "Aplica-se às mercadorias nacionais, às quais foi aplicado o regime de drawback, as demais disposições do regime, no que couber da citada Instrução Normativa da Receita Federal.", Com isso, não é difícil prever que, por exemplo, quando julgar necessário, pode o fiscal da Receita Federal solicitar que o beneficiário apresente documentos (EX: notas e/ou livros fiscais) e até mesmo, apresentação de documentos técnicos (EX: catálogos, laudos) que comprovem a perfeita utilização deste incentivo.

Para efeito comparativo, o controle das aquisições dos insumos estrangeiros (importações) no regime de drawback já é facilitado pela utilização do Siscomex. Um exemplo desta facilitação está no módulo de emissão de Licença de Importação (obrigatória no regime drawback) que impede, entre outros, a realização de importações acima do limite de valor pré-estabelecido no Ato Concessório. Já para efetuar o controle das aquisições internas, por não se tratar de "operação aduaneira" nem prevista no regime aduaneiro especial de drawback", com certeza, o beneficiário do drawback não terá o auxílio do Siscomex para, por exemplo, saber a quantidade de aquisições internas realizadas para determinado Ato Concessório.

Enfim, a Receita Federal fez a sua parte ao instituir este incentivo. Ficará agora a critério de cada beneficiário-drawback que pretenda usufruí-lo, a busca pela forma correta de aplicá-lo nas aquisições de insumos no mercado interno.

Com certeza, se bem aplicado e controlado, este incentivo fiscal trará somente vantagens ao beneficiário do regime aduaneiro especial de Drawback-suspensão, entre as quais, evitará o acúmulo de créditos tributários decorrente das aquisições no mercado interno de insumos que serão aplicados num produto a ser exportado.

 
Nilo Michetti*

  Leia o curriculum do(a) autor(a): Nilo Michetti.



- Publicado em 08/08/2008



Todas as legislações citadas neste artigo estão disponíveis na íntegra no CHECKPOINT. Se você ainda não é usuário faça AQUI sua solicitação de acesso para degustação.

Veja também outros artigos do mesmo autor:

Veja também outros artigos do mesmo assunto:
· Importação Por Conta e Ordem x Importação Por Encomenda. Considerações em Função da Lei nº 11.281/2006 - Fabiana Gragnani Barbosa*
· Principais Aspectos Fiscais nas Operações de Exportação Indireta - Alexandre Galhardo*
· O Despacho Aduaneiro de Importação de "Software Personalizado" e "Software de Prateleira" - Nilo Michetti*
· Operações de Exportação, Contribuição Social sobre o Lucro Líquido e Imunidade. Comentários à Emenda Constitucional nº 33/01 - Leonardo Zehuri Tovar*
· A Esperada MP do Bem - Aspectos Controvertidos - Rozilei Monteiro* - Elaborado em 06/2005