Pesquisa por expressão: e/ou por período: até  
Artigos por Autor:   A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z

Artigos por Assunto    pixel

Miranda Cagnoni Blau 
Advogada. Bacharel em direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC/SP. Especialista em direito empresarial pela PUC/SP. Mestre em direito político e econômico pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Atua como advogada em São Paulo na área de tributário.

Artigo - Estadual - 2007/0138

Antecipação do Diferencial de Alíquota do ICMS nas Operações Interestaduais
Miranda Cagnoni Blau*

Elaborado em 09/2007

Nas operações que comummente envolvem circulação de mercadorias, é de notório conhecimento a incidência do ICMS e as suas alíquotas: (i) nas operações interestaduais de 7% (para regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste) e 12% (para as regiões Sul e Sudeste) e (ii) nas operações internas variam conforme o caso, mas na maioria dos Estados equivalem a 17%.

Diante dessa situação, as empresas contribuintes que adquirem mercadorias em operação interestadual para revenda no mercado interno, acabam tendo que efetuar o recolhimento do ICMS decorrente do chamado diferencial de alíquota.

Esse recolhimento deve ser realizado no momento da saída da mercadoria do estabelecimento revendedor, ou seja, o seu fato gerador é a revenda interna da mercadoria.

No entanto, alguns Estados brasileiros, entre os quais Minas Gerais e Mato Grosso do Sul, vêm exigindo a antecipação desse recolhimento para o momento da entrada da mercadoria no território de seus Estados, apreendendo e autuando as empresas adquirentes.

Essa antecipação, geralmente, tem por base dispositivos contidos nos Decretos que instituem o Regulamento do ICMS.

Contudo, tal antecipação pode ser considerada indevida e inconstitucional, na medida em que carece de previsão em lei e, ainda, altera o aspecto temporal do fato gerador previsto em legislação federal complementar (Lei Complementar nº 87/96) de que o ICMS é devido no momento da "saída do estabelecimento do contribuinte, ainda que para outro estabelecimento do mesmo titular".

Ademais, muitos Estados utilizam-se indevidamente do instituto da substituição tributária para justificar a antecipação. A substituição tributária é a alteração do responsável tributário, ou seja, a nomeação de terceiro para pagar o ICMS de outrem. No entanto, no caso em questão, o que vem ocorrendo é apenas a alteração do momento em que o ICMS passa a ser devido, o que fere os ditames legais, cabendo, inclusive, medida judicial.

 
Miranda Cagnoni Blau*

  Leia o curriculum do(a) autor(a): Miranda Cagnoni Blau.



- Publicado em 16/11/2007



Todas as legislações citadas neste artigo estão disponíveis na íntegra no CHECKPOINT. Se você ainda não é usuário faça AQUI sua solicitação de acesso para degustação.

Veja também outros artigos do mesmo autor:

Veja também outros artigos do mesmo assunto:
· Representação Fiscal para Fins Penais e a Portaria CAT 5/2008 - ICMS e IPVA - Ataíde Marcelino Júnior*
· A Tributação, Eletrônico-Digital, levando-se em Conta o ICMS: Algumas Provocações Acerca do Fato Gerador e do Fundo de Comércio Virtual, com Base no Hodierno Estado de Conhecimento - Luiz Edmundo Celso Borba*
· O ICMS na Proposta de Reforma Tributária Frente os Problemas do Federalismo Fiscal Brasileiro - Empecilhos de uma Harmonização Tributária - Marcell Feitosa Correia Lima*
· Estado de Minas Gerais Aceita Pagamento de ICMS com Precatórios - Roberto Rodrigues de Morais*
· Não Incidência do ICMS sobre Transporte de Mercadoria Destinada à Exportação - Adolpho Bergamini*