Pesquisa por expressão: e/ou por período: até  
Artigos por Autor:   A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z

Artigos por Assunto    pixel

Fabio Rodrigues de Oliveira 
Advogado e Contabilista. Possui graduação em Direito e mestrado em Ciências Contábeis. É Diretor na Systax e professor de pós-graduação na FIPECAFI, UNISO, IBG, ITE e IPOG. Também é autor de diversos livros em matéria tributária e pesquisador do Grupo de Pesquisas em Controladoria e Gestão Tributária da USP.

Artigo - Federal - 2006/1362

Escrituração Contábil - Dispensa Introduzida Pelo Novo Estatuto da Micro e Pequena Empresa
Fabio Rodrigues*

Nosso Código Civil (Lei nº 10.406, de 10.01.2002), que estabelece os parâmetros gerais aplicáveis à atividade empresarial, em substituição ao Código Comercial (Lei nº 556, de 25.06.1850), parcialmente revogado, dispõe que o empresário e a sociedade empresária são obrigados a seguir um sistema de contabilidade, em observância aos seus artigos 1.179 e seguintes. Nesses dispositivos, portanto, está a previsão legal da obrigatoriedade de manutenção da contabilidade pelos empresários e sociedades empresárias.

O próprio Código Civil, no entanto, faz ressalva a essa obrigatoriedade. Nesse sentido, o § 2º do artigo 1.179, dispensa o pequeno empresário a que se refere o artigo 970 do mesmo diploma legal dessa obrigação. Mas quem seria esse pequeno empresário, haja vista que o artigo 970 não o conceitua? Dessa forma, surgiram dúvidas se para tal definição poderia ser utilizado o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte (Lei nº 8.841, de 05.10.1999) ou a Lei do Simples Federal (Lei nº 9.317, de 05.12.1996). Observa-se, no entanto, que em ambos atos legais não está conceituado quem é o pequeno empresário, as leis dispõem sobre microempresa ou empresa de pequeno porte. Logo, permanecia a dúvida sobre quem seria o pequeno empresário dispensado da escrituração contábil.

 
A dispensa de escrituração comercial (contabilidade) contida na Lei nº 9.317/1996 (Art. 7º, § 1º) aplica-se somente para fins fiscais. Logo, não pode ser invocada no caso de exigência da contabilidade para outros fins.

Essa dúvida, entretanto, poderá ser resolvida com a publicação do Novo Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, que já foi aprovada pelo Congresso Nacional, mas encontra-se aguardando sanção presidencial. Assim estabelece o projeto de lei em seu artigo 68:

"Considera-se pequeno empresário, para efeito de aplicação do disposto nos arts. 970 e 1.179 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002, o empresário individual caracterizado como microempresa na forma desta lei complementar que aufira receita bruta anual de até trinta e seis mil reais."

Da análise do dispositivo acima, resulta que serão necessários 3 (três) requisitos para configuração do pequeno empresário, a saber:

a - inscrição como empresário individual (artigos 966 e seguintes do CC/2002);

b - enquadramento na categoria de microempresa (Art. 3º, I, do Projeto de Lei Complementar nº 123-F/2004);

c - receita bruta anual de até R$ 36.000,00 (trinta e seis mil reais).

Logo, podemos estabelecer que não estão dispensados da manutenção da contabilidade:

a - as sociedades empresárias (artigo 982, primeira parte, do CC/2002);

b - as empresas enquadradas na categoria de pequeno porte;

c - as microempresas com receita bruta superior a R$ 36.000,00 (trinta e seis mil reais).

Nota-se, portanto, que o conceito de pequeno empresário é bastante restrito. As empresas de pequeno porte estão excluídas e mesmo as microempresas também possuem limitações. Não obstante essas limitações , a partir do Estatuto Nacional, ao menos teremos a definição de quem é o pequeno empresário, dispensado de manter a contabilidade, acabando com uma dúvida que há tempos afligia os profissionais da área.

Livro Caixa

Apesar da dispensa de contabilidade, o referido Projeto de Lei , em seu artigo 26, § 2º, obriga, para fins fiscais, a manutenção de Livro Caixa pelas microempresas e empresas de pequeno porte. Também está previsto no § 1º do referido dispositivo a possibilidade de manutenção, para fins fiscais, de escrituração simplificada por empreendedores individuais. As normas relativas à escrituração simplificada serão expedidas pelo Comitê Gestor das micro e pequenas empresas.

Vantagens da manutenção da contabilidade

Não é intuito deste trabalho discorrer sobre as diversas vantagens da escrituração contábil, muito bem conhecidas pelos profissionais contábeis. Nos restringiremos somente ao benefício previsto no próprio Projeto de Lei, relativo à possibilidade de distribuição de valores isentos do imposto de renda ao titular ou sócio da microempresa ou empresa de pequeno porte. Pela regra geral, os valores distribuídos com isenção deverão observar os limites resultantes da aplicação dos percentuais do artigo 15 da Lei nº 9.249, de 26.12.1995, sobre a receita bruta mensal ou anual, conforme o caso (Art. 14, § 1º). Dessa forma, por exemplo, na atividade comercial, somente poderá ser distribuído com isenção os valores que se limitem à aplicação do percentual de 8% sobre a receita bruta da empresa.

Tal limite, no entanto, não se aplicará na hipótese de a pessoa jurídica manter escrituração contábil e evidenciar lucro superior ao limite presumido da Lei nº 9.249 (Art. 14, § 2º). Portanto, no que tange à distribuição de valores com isenção do imposto de renda, observa-se claramente a vantagem da escrituração contábil, em contrapartida à sua dispensa legal.

 
O artigo 15 da Lei nº 9.249 estabelece os seguintes percentuais a serem aplicados sobre a receita bruta, conforme o ramo de atividade da pessoa jurídica:

ATIVIDADESPercentual(%)
Revenda de combustíveis derivados de petróleo e álcool, inclusive gás1,6
Comércio e indústria 8,0
Serviços de transporte de cargas
Sobre a receita bruta dos serviços hospitalares
Serviços de transporte de passageiros16
Bancos, sociedades corretoras de títulos, valores mobiliários e câmbio, distribuidoras de títulos e valores mobiliários, empresas de arrendamento mercantil, cooperativas de crédito, empresas de seguros privados e de capitalização e entidades de previdência privada aberta
Administração, locação ou cessão de bens imóveis, móveis e direitos de qualquer natureza32
Factoring
Intermediação de negócios
Prestação de serviços em geral não especificados anteriormente

Sanção e publicação da nova lei

Em que pese o projeto de Lei do novo Estatuto da Micro e Pequena Empresa já tenha sido aprovado pelo Congresso, para que suas disposições tenham validade para todos, é preciso ainda a sanção presidencial, e sua conseqüente publicação no Diário Oficial da União.

 
Observamos ainda, que existe a remota possibilidade de veto presidencial.

 
Fabio Rodrigues*

  Leia o curriculum do(a) autor(a): Fabio Rodrigues de Oliveira.



- Publicado em 05/12/2006



Todas as legislações citadas neste artigo estão disponíveis na íntegra no CHECKPOINT. Se você ainda não é usuário faça AQUI sua solicitação de acesso para degustação.

Veja também outros artigos do mesmo autor:

Veja também outros artigos do mesmo assunto:
· Sociedades em Conta de Participação - Aspectos Societários e Fiscais - Paulo Attie*
· Responsabilidade Profissional e Falácias em Normas Internacionais de Contabilidade - Antônio Lopes de Sá*
· Reforma da Lei das Sociedades Anônimas e a Má Qualidade nas ditas Normas Internacionais de Contabilidade - Antônio Lopes de Sá*
· A Reforma da Lei das Sociedades Anônimas e seus Impactos na Escrituração Contábil e nas Demonstrações Financeiras - Milton da Silva Pereira*
· Divergências na Convergência das Normas Internacionais de Contabilidade - Antônio Lopes de Sá*