Pesquisa por expressão: e/ou por período: até  
Artigos por Autor:   A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z

Artigos por Assunto    pixel

Cláudio de Oliveira Santos Colnago 
Advogado. Sócio da Bergi Advocacia em Vitória - ES. Membro da Academia Brasileira de Direito Tributário (ABDT). Professor de Direito Tributário e Direito Constitucional nos cursos de graduação e pós-graduação da Faculdade de Direito de Vitória (FDV). Especialista em Direito Tributário pelo Instituto Brasileiro de Estudos Tributários (IBET). Mestre em Direitos e Garantias Fundamentais pela Faculdade de Direito de Vitória (FDV). Co-autor dos livros: Execução Fiscal. (Ed. Del Rey,... (ver mais)

Artigo - Federal - 2005/1170

Uma Crítica às Propostas de Mudança na Sistemática da Execução Fiscal
Cláudio de Oliveira Santos Colnago*

Elaborado em 08/2005.

Encontra-se em fase de consulta pública no sítio do Ministério da Justiça na Internet (http://www.mj.gov.br/reforma/pdf/consulta01srj.pdf) um anteprojeto de lei elaborado sob o pretexto de "racionalizar" a cobrança judicial dos créditos públicos. Tal projeto traz, em nossa opinião, inúmeros retrocessos na relação entre contribuinte e Fisco, conforme buscaremos expor, sucintamente, a seguir.

Sob o argumento fantasioso de adequar a execução fiscal à nova sistemática executiva do Código de Processo Civil, busca a comissão autora do projeto conferir eficácia quase-judicial a um título executivo de origem unilateral: a Certidão de Dívida Ativa (CDA). Todavia, há que se lembrar acerca das brutais diferenças entre a CDA e a sentença. Enquanto esta última, após o trânsito em julgado, é resultado de um processo judicial no qual se ofertaram o contraditório e a ampla defesa, a CDA resulta de um procedimento administrativo em que, na maioria das vezes, não são ofertadas tais garantias constitucionais.

Tomando como exemplo a Secretaria da Receita Federal, nota-se que nos tributos sujeitos ao regime do lançamento por homologação (99% dos tributos federais), a inscrição em dívida ativa é feita de forma automática, sem verificação prévia por um Procurador da Fazenda Nacional e sem que o contribuinte seja sequer ouvido acerca da inscrição. A Execução Fiscal também se dá, muitas vezes, por meio eletrônico, já que a Lei 10.522 dispensa os citados procuradores até mesmo (pasmem!) de assinar a inicial da execução.

Deve-se ainda destacar, quanto à notificação de débito, que também há no projeto previsão de sua entrega por "meio eletrônico". Trata-se de medida que, na certa, só visa reduzir o trabalho da Administração Tributária, e não preservar as garantias constitucionais do contribuinte. Neste cenário, um correio eletrônico recebido por uma empresa estaria apto a interromper a prescrição do suposto crédito público, sem que sequer tenha havido verificação prévia da legalidade da inscrição e sem que o contribuinte pudesse se manifestar.

Por tais motivos, não vemos como possa ser constitucionalmente viável atribuir à "notificação para pagamento de débito" o condão de interromper a prescrição, já que, previamente a ela, deveria ser ofertada ao contribuinte a oportunidade de se manifestar. Um ato administrativo viciado não pode gerar interrupção da prescrição.

E há mais. O esdrúxulo projeto de lei cogita ainda acerca da mudança do efeito suspensivo dos Embargos à Execução. Pela lógica do Ministério da Justiça, os Embargos só devem suspender a execução caso haja "manifesto risco de dano irreparável ou de difícil reparação". Esta lógica seria normalmente aplicável a um processo de execução de título judicial, no qual são previamente ofertados ao contribuinte o direito de ser ouvido e de se defender, perante um juiz. Aplicá-la à execução fiscal é contribuir para o descontrole do Poder Estatal, dificultando enormemente a defesa do contribuinte, que ficará compelido a pagar para depois discutir, em teratológica ressurreição da regra do solve et repete.

O artigo 11 do referido projeto, por sua vez, contraria a sistemática do Código de Processo Civil, instituindo mais um odioso privilégio processual para a Fazenda, consistente no benefício de não ter que se dirigir ao respectivo órgão de registro para averbar a constrição de bens a ele sujeitos. Assim, enquanto o particular tem que providenciar tal averbação, o Poder Público usufruirá dos benefícios do serviço do Oficial de Justiça. Não há dúvidas que a isonomia, neste caso, será solenemente solapada.

Os únicos pontos positivos que vislumbramos na proposta são a determinação de que a Fazenda Pública somente ajuíze a execução quando identificar previamente bens a serem penhorados, assim como a possibilidade de o juiz reconhecer de ofício a prescrição do crédito tributário. Porém, tais pontos não passam de meros embustes para disfarçar a maldade contida nas retrógradas "inovações" do projeto. A Constituição agradeceria, e muito, a rejeição da proposta.

 
Cláudio de Oliveira Santos Colnago*
Texto publicado originalmente no Jus Navigandi (www.jus.com.br), reproduzido mediante permissão expressa do site e de seu autor.

  Leia o curriculum do(a) autor(a): Cláudio de Oliveira Santos Colnago.



- Publicado em 22/12/2005



Todas as legislações citadas neste artigo estão disponíveis na íntegra no CHECKPOINT. Se você ainda não é usuário faça AQUI sua solicitação de acesso para degustação.

Veja também outros artigos do mesmo autor:

Veja também outros artigos do mesmo assunto:
· Os Principais Reflexos das Recentes Reformas do Código de Processo Civil, trazidas pela Lei nº 11.382/2006, no Regime Jurídico das Execuções Fiscais - Andrea Russar*
· Da Ilegalidade do Registro do Arrolamento de Bens no Registro Imobiliário e no Detran - Rodrigo Alexandre Lazaro Pinto*
· A Penhora Administrativa como Pré-Requisito da Execução Fiscal - Kiyoshi Harada*
· Penhora On Line Nas Execuções Fiscais - Arbitrariedade ou Eficiência? - Clarissa Cerqueira Viana Pereira*
· INSS - Execução Fiscal e a Decadência de 5 Anos. - Roberto Rodrigues de Morais*