Pesquisa por expressão: e/ou por período: até  
Artigos por Autor:   A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z

Artigos por Assunto    pixel

Aloisio José Alves de Oliveira 
Advogado, graduado pela Universidade São Francisco em São Paulo - USF; Especializando em Direito Empresarial pela Universidade Mackenzie; Com atuação na área tributária e empresarial em São Paulo.

Artigo - Municipal - 2004/0107

A substituição tributária do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza e a guerra fiscal entre os Municípios
Aloisio José Alves de Oliveira*

INTRODUÇÃO

Os meios de comunicação têm divulgado com certa freqüência a existência da guerra fiscal entre os Estados membros da Federação.

Este fenômeno pode ser descrito como sendo a renuncia fiscal do ente tributante com vistas a atrair para seu território o maior número possível de empresas de um ou mais segmentos da economia. A medida em que um ente oferta um determinado benefício outro ente propõe uma vantagem maior, o que torna a escolha do empresariado um verdadeiro leilão de benefícios fiscais.

Porém pouco ou quase nada se tem divulgado sobre uma guerra fiscal ainda mais feroz travada nas principais áreas metropolitanas do Brasil, a guerra fiscal entre os municípios de uma mesma região metropolitana.

Sob o pretexto de desenvolver a economia local, diversos municípios têm lançado mão da renuncia fiscal para atrair atividades empresariais para seus territórios em especial no ramo de serviços.

Assim dentro de uma mesma região metropolitana, os municípios menos abastados reduziram as alíquotas ou a base de calculo do Imposto sobre Serviços para que em seus territórios se instalassem empresas, cujas atividades pudessem gerar empregos e renda.

Na prática, porém o que se verificou é que as empresas, quando muito, simplesmente abriam uma pequena sala com uma mesa e um telefone, onde pretensamente se localizava seu estabelecimento prestador de forma a atender a legislação tributária, contudo de fato prestavam serviços nos municípios principais da região metropolitana. Ainda hoje não é raro haver diversos prestadores de serviço em um mesmo conjunto ou sala comercial, ou mesmo no endereço de um escritório de contabilidade.

Na região metropolitana de São Paulo, quando o município de Barueri passou a oferecer os benefícios fiscais aos prestadores de serviços de informática, a afluência para este município foi tão grande que praticamente todos as empresas de prestadores de serviço de informática passaram a ter estabelecimentos em Barueri, onde concentravam o faturamento.

Claro está que na esmagadora maioria das vezes o serviço é de fato prestado em São Paulo.

Na mesma situação estão atividades como serviços de segurança, limpeza e conservação, recrutamento e seleção, cessão de mão de obra, cujos estabelecimentos "de fachada" estão situados em municípios da região metropolitana, mas cujos principais clientes estão município de São Paulo.

Identificando esta situação os municípios prejudicados buscaram a solução do problema na localização e determinação do efetivo estabelecimento prestador de serviços obtendo sucesso no inclusive no judiciário com a decisão da Primeira Turma do STJ em 1994, que assim se pronunciou sobre o assunto:

ACÓDÃO RESP 41867 / RS ; RECURSO ESPECIAL

1993/0035118-4 Fonte DJ DATA:25/04/1994 PG:09208

REVJMG VOL.:00128 PG:00440

RSTJ VOL.:00062 PG:00409

Relator Min. DEMÓCRITO REINALDO (1095)

Ementa TRIBUTARIO. ISS. SUA EXIGENCIA PELO MUNICIPIO EM CUJO TERRITORIO SE VERIFICOU O FATO GERADOR. INTERPRETAÇÃO DO ART. 12 DO DECRETO-LEI N. 406/68. EMBORA A LEI CONSIDERE LOCAL DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO, O DO ESTABELECIMENTO PRESTADOR (ART. 12 DO DECRETO-LEI N. 406/68), ELA PRETENDE QUE O ISS PERTENÇA AO MUNICIPIO EM CUJO TERRITORIO SE REALIZOU O FATO GERADOR.

É O LOCAL DA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO QUE INDICA O MUNICIPIO COMPETENTE PARA A IMPOSIÇÃO DO TRIBUTO (ISS), PARA QUE SE NÃO VULNERE O PRINCIPIO CONSTITUCIONAL IMPLICITO QUE ATRIBUI AQUELE (MUNICIPIO O PODER DE TRIBUTAR AS PRESTAÇÕES OCORRIDAS EM SEU TERRITORIO.

Data da Decisão 04/04/1994 Órgão Julgador T1 - PRIMEIRA TURMA Decisão

POR UNANIMIDADE, DAR PROVIMENTO AO RECURSO.

Com esta decisão o STJ estabeleceu mais do que um precedente jurisprudência estabeleceu que a autonomia municipal, por ser norma constitucional, deve sempre prevalecer sobre aplicação da Lei Complementar 406/68, o que poderia por fim à guerra fiscal entre os municípios.

Infelizmente não foi o que aconteceu, a autonomia constitucional dos municípios transformou-se no argumento tanto dos municípios que ofereciam favores fiscais quanto pelos que se sentiam prejudicados.

Outra tentativa de terminar com a guerra fiscal entre os municípios foi à fixação de uma alíquota mínima do Imposto sobre Serviços que foi introduzida pela Emenda Constitucional 37 DE 12/06/2002 que incluiu o artigo 88 no Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição Federal, que dispõe:

Art. 88. Enquanto lei complementar não disciplinar o disposto nos incisos I e III do § 3º do art. 156 da Constituição Federal, o imposto a que se refere o inciso III do caput do mesmo artigo:

I - terá alíquota mínima de dois por cento, exceto para os serviços a que se referem os itens 32, 33 e 34 da Lista de Serviços anexa ao Decreto-Lei nº 406, de 31 de dezembro de 1968;

II - não será objeto de concessão de isenções, incentivos e benefícios fiscais, que resulte, direta ou indiretamente, na redução da alíquota mínima estabelecida no inciso I.." (grifo nosso)

Novamente o efeito não foi o esperado, pois muitos municípios continuaram com os benefícios fiscais, baseando a manutenção no artigo 178 do CTN, que tem a seguinte redação:

Artigo 178 - A isenção, salvo se concedida por prazo certo e em função de determinadas condições, pode ser revogada ou modificada por lei, a qualquer tempo, observado o disposto no inciso III do art. 104." (grifo nosso)

De acordo com Hugo de Brito Machado (1):

Quando concedidas por prazo certo e em função de determinadas condições não pode ser revogada, pois incorpora-se ao patrimônio do contribuinte. O Estado, assim como pode tributar, pode também, evidentemente, revogar as isenções concedidas. Entende-se, porém, que o contribuinte pode ser atraído pelo incentivo que a isenção representa e, assim, passe a desenvolver atividade em que não se lançaria, se não existisse a isenção, fazendo investimentos vultuosos e ficando mesmo em situação de não poder, sem graves prejuízos, desistir. Nestes casos, a retirada da isenção representaria um ludíbrio, sendo, portanto, inadmissível. Assim, também, qualquer alteração que implique, direta ou indiretamente, redução da isenção é inadmissível.

Mais a diante o ilustre tributarista alerta: "Destaque-se que a Lei Complementar n. º 24, de 07.01.75, alterou a redação do art. 178 do CTN, trocando o "ou" por um "e", de sorte que a irrevogabilidade da isenção passou a depender dos dois requisitos, isto é, de ser por prazo certo e em função de determinadas condições."

Assim sob o argumento que o benefício fiscal oferecido é irrevogável nos termos do artigo 178 do CTN, muito municípios mantiveram a renuncia fiscal oferecida.

No presente trabalho estudaremos uma nova tentativa de minimizar a guerra fiscal do ISS, a substituição tributária do imposto.

No Capitulo Primeiro, estudaremos a Responsabilidade Tributária do Sujeito Passivo da obrigação tributária de acordo com o Código Tributário Nacional, identificando conceito de substituto tributário.

No Segundo Capitulo examinaremos aspectos gerais do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza.

No Terceiro Capitulo, analisaremos a substituição tributária do Imposto sobre Serviços, instituída pela Lei do município de São Paulo nº 13.476 de 30/12/2003.

No Quarto Capítulo, estudaremos a substituição tributária instituída pela Lei Complementar 116/2003, que revogou parcialmente o Decreto-Lei 406/68.

No Quinto Capítulo, teceremos comentários quanto a eficácia da substituição tributária como mecanismo para combater a guerra fiscal do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza.

CAPÍTULO PRIMEIRO
DA RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA E DO SUBSTITUTO TRIBUTÁRIO

Para melhor estudar a responsabilidade tributária, cabe inicialmente definir o vinculo obrigacional e o Sujeito Passivo.

De acordo com Geraldo Ataliba (2):

"O vínculo obrigacional que corresponde ao conceito de tributo nasce, por força de lei, da ocorrência do fato imponível. A configuração do fato (aspecto material), sua conexão com alguém (aspecto pessoal), sua localização (aspecto espacial) e sua consumação num momento fático determinado (aspecto temporal), reunidos unitariamente determinam inexoravelmente o efeito jurídico desejado pela lei: criação de uma obrigação jurídica concreta, a cargo de pessoa determinada, num momento preciso".

Portanto a relação Jurídíco-Tributária nasce do exaurimento do fato imponível, definido hipoteticamente na Lei, ou seja, da transposição para o mundo real da hipótese abstrata determinada pelo legislador como nascedouro da obrigação tributária.

Sob o aspecto pessoal se identificam os sujeitos da relação Jurídíco-Tributária, que são o Sujeito Ativo e o Sujeito Passivo.

O Sujeito Ativo é aquele que tem a atribuição constitucional para criar o tributo, que tem a titularidade do crédito tributário e o direito subjetivo de cobrar e arrecadar o tributo.

Para Humberto Bonavides Borges (3), o sujeito passivo é a pessoa física ou jurídica, privada ou pública que está em ligação direta com a materialidade da hipótese legal de incidência tributária.

Assim o Sujeito Passivo é a pessoa natural ou jurídica obrigada ao cumprimento da obrigação tributária.

De acordo com o artigo 121 do Código Tributário Nacional o Sujeito Passivo da obrigação principal é a pessoa obrigada ao pagamento de tributo ou penalidade pecuniária, podendo ser contribuinte ou responsável.

Sujeito Passivo será Contribuinte, nos termos do inciso I do Parágrafo Único do citado artigo, quando tenha relação pessoal e direta com a situação que constitua o respectivo fato gerador;

Por outro lado o Sujeito Passivo será Responsável, nos termos do inciso II, quando, sem revestir a condição de contribuinte, sua obrigação decorra de disposição expressa de lei.

A Responsabilidade Tributária então pode ser conceituada como a obrigação do sujeito passivo indiretamente ligado à situação prevista em lei como fato gerador do tributo, de modo que este deve pagá-lo, liberando ou não o contribuinte de uma responsabilidade residual.

O objetivo do legislador ao instituir a responsabilidade tributária é garantir o recebimento do tributo, seja em virtude da necessidade de redução do universo sujeitos passivos, seja pela possibilidade de perda do vinculo da relação Jurídico-Tributária em virtude da ocorrência de fato posterior à hipótese de incidência.

Neste sentido a responsabilidade pode ocorrer por substituição, quando a lei tributária atribuir o dever jurídico de pagar o tributo à pessoa diversa daquela que dá origem ao fato gerador, mas que com ela possui relação jurídica, assumindo o lugar do contribuinte.

Por outro lado a responsabilidade será por transferência quando a lei atribuir o dever de pagar tributo a pessoa não vinculada ao fato gerador, tendo o mesmo sido anteriormente atribuído a outra, sendo a transferência em decorrência de fato posterior à incidência da obrigação tributária. A responsabilidade tributária por transferência por sua vez pode ser por solidariedade, por responsabilidade dos sucessores e por responsabilidade de terceiros.

Note-se que a responsabilidade por substituição opera-se anteriormente ao fato gerador enquanto na responsabilidade por transferência ocorre após o nascimentoda obrigação tributária

No presente estudo analisaremos a responsabilidade tributaria da espécie substituição em relação ao Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza

CAPÍTULO SEGUNDO
DOS ASPECTOS GERAIS DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS

A Constituição Federal de 1988 outorga aos municípios a competência para a criação do Imposto Sobre Serviços de Qualquer natureza o ISSQN ou ISS.

Esta atribuição esta prevista no artigo 156, inciso III, o qual dispõe que:

Art. 156. Compete aos Municípios instituir impostos sobre:

...

III - serviços de qualquer natureza não compreendidos no art. 155, II, definidos em lei complementar.

Pela leitura do inciso III do artigo 156, verifica-se que o comando normativo constitucional é que o imposto ora estudado recai sobre serviços de qualquer natureza.

Podemos definir serviços como sendo a conduta humana destinada a satisfazer uma necessidade. Trata-se de um bem imaterial, ao qual é atribuído um valor econômico e que por isto mesmo tem circulação na sociedade.

Para melhor definir este tributo devemos observá-lo sob seus diversos os aspectos, o material, o pessoal, espacial e o temporal.

Sob aspecto material, o Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza incide sobre os serviços não compreendidos na competência tributária dos Estados, devendo tais serviços estarem descritos em lei complementar.

O Decreto-Lei 406/68 foi recepcionado pela Constituição Federal de 1988 na condição de Lei Complementar do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza, tendo recebido duas importantes alterações introduzidas pelo Decreto-Lei 834 de 08/09/1969 e pela Lei Complementar nº 56 de 15/12/1987.

Em 01/08/2003, o Diário Oficial da União, publicou a Lei Complementar nº 116 de 31/07/2003, que revogou parcialmente a legislação anterior, estando em atualmente em vigor.

Tanto o Decreto-Lei 406/68 e Lei Complementar 116/2003, possuíam uma lista anexa onde são especificados quais são os serviços tributados pelo imposto.

Comparando-se as duas listas de serviços, verifica-se que aquela anexa à Lei Complementar 116/2003 é bem mais extensa e detalhada, pois como bem observa Daniel Gatschnigg Cardoso(4), "o intuito primordial da elaboração da Lei Complementar 116, era o de reforçar o caráter taxativo da lista de serviços tributáveis, ao ampliar de 100 para 199 o rol anteriormente traçado pela Lei Complementar 56/87 e reduzir a quantidade de expressões "congêneres" que acompanhava determinados itens."

Vale ressaltar que de acordo com o parágrafo 1º do artigo 1º da Lei Complementar 116/2003 o Imposto Sobre Serviços de qualquer Natureza incide sobre os serviços proveniente do exterior ou cuja prestação tenha se iniciado no exterior do País.

Ora, se o contribuinte do imposto é o prestador de serviço, estando ele no exterior, e portanto fora do alcance do ordenamento jurídico pátrio, a quem cabe a obrigação do pagamento do imposto municipal ?

Como veremos no capítulo quarto, o legislador complementar tentou resolver o questionamento acima atribuindo ao tomador ou intermediário estabelecido no Brasil, a responsabilidade pelo pagamento do tributo, ou seja criou uma substituição tributária, a qual entendemos carecer de constitucionalidade, pois admitir como corretas ambas as possibilidades seria dar vigência à legislação pátria fora do território brasileiro o que fere princípios gerais de direito.

Em nosso entendimento tributar o serviço prestado ou iniciado no exterior, bem como a substituição tributária instituída para

Já sob o aspecto pessoal o sujeito ativo do tributo são município e o Distrito Federal, que nos termos do comando constitucional possuem a prerrogativa de sua instituição nos termos da lei complementar. È sujeito passivo na qualidade de contribuinte, o prestador de serviços, também definido em lei complementar.

No aspecto espacial encontra-se a grande controvérsia, em especial em relação à substituição tributária do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza.

O Decreto-Lei 406/68 estabelecia genericamente o imposto é devido no local onde se situa o estabelecimento prestador do serviço ou na sua falta o domicílio do prestador. Não estava subordinada a esta regra a construção civil.

Como já abordado anteriormente, a questão dos prestadores de serviço estabelecidos em município diverso daquele em que efetivamente o serviço era prestado provocou grande controvérsia chegando ao judiciário, que decidiu que aplicação da norma do Decreto-Lei 406/68 não pode se sobrepor ao comando normativo constitucional que trata da autonomia dos municípios.

A Lei Complementar 116/2003 no caput de seu artigo 3º reproduziu a conceituação do Decreto-Lei 406/68, estabelecendo certas diferenças :

Art. 3º O Serviço considera-se prestado e o imposto devido no local do estabelecimento prestador ou na sua falta de estabelecimento, no local de domicilio do prestador, exceto nas hipóteses previstas nos incisos I a XXII, quando o imposto será devido no local:

Verifica-se na comparação entre este dispositivo e aquele existente no Decreto-Lei 406/68, que a legislação agora em vigor inovou trazendo vinte e uma novas exceções à regra.

Adriana Stamato de Figueiredo(5) observa que :

"O ponto em comum entre os serviços listados pelo legislador complementar como sujeitos ao pagamento do imposto no local da execução é justamente o fato de que, tais serviços via de regra não podem ser prestados "à distancia", já que pela sua própria natureza, exigem que o prestador se desloque até o domicílio do tomador."

Com esta inovação certamente o legislador tentou por termo a controvérsia sobre o local do recolhimento do tributo, visando assim acabar com guerra fiscal.

No mesmo sentido a Lei Complementar 116/2003 conceituou o estabelecimento prestador no artigo 4º da seguinte forma:

Art. 4º Considera-se estabelecimento prestador o local onde o contribuinte desenvolva a atividade de prestar serviços de modo permanente ou temporário, e que configure unidade econômica ou profissional, sendo irrelevantes para caracterizá-lo as denominações de sede, filial, agência, posto de atendimento, sucursal, escritório de representação ou contato ou qualquer outras que venham a ser utilizadas.

Verifica-se nitidamente a intenção do legislador em tentar coibir a utilização fraudulenta por parte dos prestadores com estabelecimentos em diferentes municípios, com o fim de pagar menos imposto.

Vale analisar mais detidamente os comandos normativos deste artigo, observando que na expressão: "... onde o contribuinte desenvolva a atividade de prestar serviços..." significa a participação efetiva do estabelecimento eventualmente existente na prestação de serviços.

Da mesma forma quando o legislador qualifica o estabelecimento prestador como uma unidade econômica, deverá sempre existir um conjunto de fatores empresariais, tais como equipamentos, capital, funcionários, fisicamente situados no local, sendo este conjunto capaz de prestar serviços.

Como unidade profissional deve-se entender a capacidade de gerar renda pelo trabalho profissional independente de fatores empresariais físicos.

Sobre o aspecto temporal do Imposto sobre serviços é importante observar o dizer de Soares de Melo (6)

Em se tratando de ISS, impõe-se a irrestrita obediência ao seu aspecto material - prestação de serviços - nada interessando os aspectos meramente negociais ou documentais. Somente com a efetiva realização (conclusão ou medição por etapas) dos serviços é que ocorre o respectivo fato gerador tributário com a verificação do seu aspecto temporal.

Para o Humberto Bonavides Borges(7), o momento em que se concretiza a hipótese de incidência do ISS é aquele em que o prestador efetua a entrega do serviço concluído.

Segundo o tributarista, tal conclusão decorre do inciso I do artigo 116 do Código Tributário Nacional, cuja aplicação se faz necessária em virtude da ausência de norma legal esclarecedora da matéria. O referido dispositivo legal dispõe o seguinte:

Art. 116. Salvo disposição de lei em contrário, considera-se ocorrido o fato gerador e existentes os seus efeitos:

I - tratando-se de situação de fato, desde o momento em que o se verifiquem as circunstâncias materiais necessárias a que produza os efeitos que normalmente lhe são próprios;

(...)

Desta forma se faz necessário a execução e a entrega do serviço para que se constitua a sob o aspecto temporal a relação Jurídico-Tributária atinente ao Imposto sobre Serviços, não se consubstanciando o fato gerador na assinatura de contrato ou no adiantamento de valores pelo contratante. Estas ocorrências são apenas indícios da prestação do serviço, não podendo configurar o fato gerador.

Neste momento, cumpri-nos inferir que embora pudessem instituir a substituição tributária em relação ao Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza com base no Código Tributário Nacional, os municípios apenas passaram a lançar mão de tal expediente quando ficou definitivamente pacificada a jurisprudência relativa a prevalência do principio da autonomia dos municípios em relação a norma prevista no artigo 12 do Decreto-Lei 406/68.

CAPÍTULO TERCEIRO
DA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA PREVISTA NA LEI Nº 13.476/2002 DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

Até 30/12/2002 a legislação do município de São Paulo previa a retenção do Imposto Sobre Serviços pelo tomador, quando o prestador não apresentasse documentos fiscal e não comprovasse estar desobrigado a emiti-lo.

Em 30/12/2002 foi promulgada a Lei nº 13.476, a qual trouxe diversas alterações na legislação do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza no âmbito do citado município.

O caput do artigo 5º da lei, possui a seguinte redação:

Art.5º. São responsáveis pelo pagamento do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISS, devendo reter na fonte o seu valor, os seguintes tomadores ou intermediários de serviços estabelecidos no Município de São Paulo, em relação aos serviços por eles tomados ou intermediados:

O dispositivo acima não deixa a menor sobra de dúvida a cerca da intenção do legislador paulistano em instituir a substituição tributária para o Imposto sobre Serviços, relativamente a alguns serviços tomados ou intermediados no âmbito de seu território.

Contudo, a substituição tributária foi instituída em relação alguns determinados serviços, tomados ou intermediados, em geral por pessoas jurídicas, cuja atividade empresarial, sabidamente possuem grande terceirização.

Por isso mesmo estão arrolados como responsáveis operadores de turismo, instituições financeiras, sociedades seguradoras, agências de publicidade, e os órgãos da administração publica direta do próprio município, dos Estados e da União, bem como suas respectivas autarquias dentre outros.

Vale observar que a substituição tributária se refere a serviços listados e vinculados a cada tomador ou intermediador citado.

Parece-nos então, ser a instituição desta substituição uma reação do Município de São Paulo à guerra fiscal travada entre os municípios da região metropolitana de que faz parte.

Isto se evidencia pelos serviços selecionados pelo legislador paulistanos, que passaram a ter o imposto retido na fonte e recolhido pelos tomadores ou intermediadores. Neste rol encontramos serviços de limpeza, varrição, coleta de lixo, manutenção de bens imóveis, vigilância e segurança de bens ou pessoas, fornecimento de mão de obra, os quais, como é do conhecimento geral, invariavelmente são prestados por pessoas jurídicas legalmente situadas em outros municípios, mas cujos principais clientes estão situados no município de São Paulo.

Claro está que outras atividades foram contempladas pela substituição tributária, como por exemplo a substituição prevista no inciso XIII, o qual elege como responsável tributário a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos pelo imposto incidente sobre os serviços prestados pelas agências franqueadas estabelecidas no municípios de São Paulo e dos quais resultem remunerações ou comissões por ela pagas. Aqui nos parece que a intenção no legislador é a facilitação da fiscalização da obrigação principal do imposto.

Devemos porém, analisar os efeitos práticos para os contribuintes substitutos ou responsáveis por substituição.

Com efeito, o tomador busca na contratação de um serviço a melhor combinação dos fatores preço, prazo e competência técnica. È o equilíbrio destes fatores que indica ao tomador ter feito a melhor contratação.

O fator preço traz consigo o conceito de equilíbrio econômico do contrato, visto que o melhor preço é aquele que satisfaz os contratantes no momento da concretização do negócio jurídico, garantindo a manutenção de seus interesses.

A substituição tributária instituída pelo legislador paulistano, desequilibrou esta equação, pois trouxe para o contrato de prestação de serviço um conflito de competência tributária, em que os contratante se vêem envolvidos.

Se de um lado a legislação do município de São Paulo, exige do tomador do serviço a retenção e o recolhimento do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza. Do outro lado o prestador localizado em outro município, submetido que está a legislação local, também se vê obrigado ao recolhimento do mesmo tributo sobre a mesma operação para outra municipalidade.

Não há como conciliar estas duas situações. Porém, levando-se em conta a jurisprudência firmada pelo STJ, a qual nos referimos anteriormente, entendemos que o imposto deva ser recolhido aos cofres do município de São Paulo.

A instituição da substituição tributária do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza para determinados serviços não esta restrita a legislação dos municípios prejudicados pelos benefícios concedidos por outros municípios de uma mesma região metropolitana.

A Lei Complementar 116/2003, recentemente promulgada também instituiu, a substituição tributária deste imposto.

CAPÍTULO QUARTO
DA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA PESVISTA NA LEI COMPLEMENTAR 116/2003

A Lei Complementar nº 116 de 31/07/2003, publicada no Diário Oficial da União em 01/08/2003, revogou parcialmente o Decreto-Lei 406/68, passando balizar a criação pelos municípios do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza.

O referido diploma legal trouxe em seu artigo 6º duas espécies de substituição tributária para o imposto, uma facultativa e outra obrigatória.

De fato o caput do artigo 6º faculta aos municípios e ao Distrito Federal instituírem em suas respectivas legislações, a substituição tributária de acordo com os interesses locais.

É importante verificar sua redação:

Artigo 6º Os municípios e o Distrito Federal, mediante lei, poderão atribuir de modo expresso a responsabilidade pelo crédito tributário a terceira pessoa, vinculada ao gerador da respectiva obrigação, excluindo a responsabilidade do contribuinte ou atribuindo-a a este em caráter supletivo do cumprimento total ou parcial da referida obrigação, inclusive no que se refere à multa e aos acréscimos legais.

Pela simples leitura salta aos olhos a expressão: "...excluindo a responsabilidade do contribuinte ou atribuindo-a a este em caráter supletivo do cumprimento total ou parcial da referida obrigação...", a qual entendemos indicar que tanto o contribuinte quanto o responsável por substituição devem estar situados no mesmo município, pois somente assim a lei municipal pode excluir a responsabilidade ou atribui-la supletivamente ao contribuinte, ou seja, para que a lei municipal possa alcançar o contribuinte e o responsável por substituição, ambos necessariamente dever ser estabelecidos no território municipal. Não fosse assim este comando normativo estaria a admitir a possibilidade de validade extraterritorial da lei municipal tributária, o que contraria a Constituição Federal.

Já o parágrafo segundo do mesmo artigo 6º da Lei Complementar 116/2003, estabelece as hipóteses de substituição tributária obrigatória, estando estabelecidas da seguinte forma :

§ 2º Sem prejuízo do disposto no caput e no § 1º deste artigo, são responsáveis:

I o tomador de serviço ou intermediário de serviço proveniente do exterior do País ou cuja prestação tenha se iniciado no exterior do País;

II A pessoa jurídica ainda que imune ou isenta, tocadora ou intermediária dos serviços descritos nos subitens 3.05, 7.02, 7.04, 7.09, 7.10, 7.12, 7.14, 7.15, 7.16, 7.17, 7.19, 11.02, 17.05 e 17.10 da lista anexa.

O inciso I do parágrafo 2º do artigo 6º é decorrência direta do parágrafo 1º do artigo 1º da Lei Complementar 116/2003, o qual dispõe sobre a incidência do Imposto Sobre os Serviços proveniente do exterior do país ou ainda cuja prestação tenha se iniciado no fora do território nacional.

Ressaltamos que esta é uma nova hipótese de incidência não prevista na no Decreto-Lei 406/68, sendo necessário se estabelecer esta substituição, visto que a lei municipal tributária somente tem validade território do município, e como o prestador é o contribuinte do imposto, se não houvesse a responsabilidade do contratante ou intermediário o tributo não seria pago.

Porém como estudamos anteriormente, a substituição tributária é a atribuição para terceiro do cumprimento da obrigação principal que originalmente deveria ser efetuada pelo contribuinte. Portanto o prestador para ser considerado contribuinte, deve estar submetido ao mesmo ordenamento jurídico do tomador para que a obrigação do primeiro pudesse ser atribuída ao segundo.

Na verdade a substituição tributária aqui instituída tenta dar legitimidade ao dispositivo que entendemos ser inconstitucional, visto que está alcançando um fato imponível praticado por pessoa física ou jurídica estabelecida fora do país e que ocorre, total ou parcialmente, no exterior do país, ou seja, está extrapolando a vigência ordenamento jurídico brasileiro para fora do território do Brasil, o que contraria princípios gerais de direito.

Já em relação ao inciso II, convém identificar os serviços listados pelos dispositivo

3.05 - Cessão de andaimes, palcos, coberturas e outras estruturas de uso temporário.

7.02 - Execução, por administração, empreitada ou subempreitada, de obras de construção civil, hidráulica ou elétrica e de outras obras semelhantes, inclusive sondagem, perfuração de poços, escavação, drenagem e irrigação, terraplanagem, pavimentação, concretagem e a instalação e montagem de produtos, peças e equipamentos (exceto o fornecimento de mercadorias produzidas pelo prestador de serviços fora do local da prestação dos serviços, que fica sujeito ao ICMS).

7.04 - Demolição.

7.05 - Reparação, conservação e reforma de edifícios, estradas, pontes, portos e congêneres (exceto o fornecimento de mercadorias produzidas pelo prestador dos serviços, fora do local da prestação dos serviços, que fica sujeito ao ICMS).

7.09 - Varrição, coleta, remoção, incineração, tratamento, reciclagem, separação e destinação final de lixo, rejeitos e outros resíduos quaisquer.

7.10 -Limpeza, manutenção e conservação de vias e logradouros públicos, imóveis, chaminés, piscinas, parques, jardins e congêneres.

7.12 -Controle e tratamento de efluentes de qualquer natureza e de agentes físicos,, químicos e biológicos.

7.14 -(VETADO)

7.15 -(VETADO

7.16 -Florestamento, reflorestamento, semeadura, adubação e congêneres.

7.17 -Escoramento, contenção de encostas e serviços congêneres.

7.19 -Acompanhamento e fiscalização da execução de obras de engenharia, arquitetura e urbanismo.

11.02-Vigilância, segurança ou monitoramento de bens e pessoas.

17.05-Fornecimento de mão-de-obra, mesmo em caráter temporário, inclusive de empregados ou trabalhadores, avulsos ou temporários, contratados pelo prestador de serviço.

17.10-Planejamento, organização e administração de feiras, exposições, congressos e congêneres

Não se trata de mera coincidência estarem presentes no rol e sujeito a retenção e recolhimento pelo tomador, os serviços que normalmente são objeto de disputa entre os municípios na guerra fiscal do Imposto Sobre Serviços. Trata-se de uma tentativa do legislador por termo à guerra fiscal.

Para o Professor Gustavo Nygaard(8), "...extremo cuidado deverão ter os municípios quando forem estabelecer a substituição tributária, pois eventuais excessos podem determinar graves problemas para contribuintes e prefeituras."

De fato ao incorporar em seus ordenamentos jurídicos as disposições da Lei Complementar 116/2003, os municípios deverão faze-lo com muita cautela para não aumentar a guerra fiscal em sua região, fato que em ocorrendo certamente trará prejuízos para todos os envolvidos, prefeituras, prestadores e tomadores de serviço.

CAPÍTULO QUINTO
DAS CONCLUSÕES

O estudo ora concluído visou uma analise da responsabilidade tributária por substituição e sua aplicação em relação ao Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza como forma de por termo a "guerra fiscal" travada entre municípios de uma mesma região metropolitana.

No Capítulo Primeiro vimos que responsabilidade tributária por substituição consiste na determinação prevista em lei para que terceiro efetue o pagamento do tributo no lugar do contribuinte, sendo o responsável por substituição indiretamente ligado à situação prevista em lei como fato gerador do tributo.

No Capitulo Segundo estudamos os aspectos, material, pessoal, espacial e temporal do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza, sendo que sob o aspecto material este tributo incide sobre os serviços não compreendidos na competência tributária dos Estados, bem como sobre os serviços prestados ou iniciados no exterior do Pais.

Já sob o aspecto pessoal o sujeito ativo do tributo são os municípios e Distrito Federal, sendo o sujeito passivo o prestador de serviços.

Sob o estabelecia genericamente o imposto é devido no local onde se situa o estabelecimento prestador do serviço ou na sua falta o domicílio do prestador. Não estava subordinada a esta regra a construção civil.

No aspecto material por outro lado reside a grande controvérsia em relação a este tributo, sendo que a Lei Complementar 116/2003 define genericamente que local do pagamento do imposto é aquele em que se situa o estabelecimento prestador, assim definido como sendo onde o contribuinte desenvolva a atividade de prestar serviços de modo permanente ou temporário, e que configure unidade econômica ou profissional, sendo irrelevantes para caracterizá-lo a denominação que receba.

Já o aspecto temporal do imposto se configura na entrega ou medição do serviço.

Mais adiante no Capitulo Terceiro analisamos o substituição tributária instituída pelo município de São Paulo através da Lei 13.476 de 30/12/1987, a qual se refere a serviços elencados e vinculados a cada tomador ou intermediador citado. Observamos, ainda que ela era uma reação do legislador paulistano à guerra fiscal travada com outros municípios da região metropolitana. Mas este atitude gerou desequilibrou os contratos de serviços, em virtude de existirem duas municipalidades exigindo o tributos relativo ao mesmo serviço.

Por fim, no Capítulo Quarto estudamos a Lei Complementar 116/2003, identificando a instituição de duas espécies de substituição tributária do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza, sendo uma de caráter facultativo e outra de caracter obrigatório. Observamos ainda que nesta última espécie se encontram indicados os principais serviços da guerra fiscal entre os municípios.

Acreditamos porém que a "guerra fiscal" entre os municípios está longe de terminar, principalmente porque decorre de desigualdades econômicas entre estes membros da federação brasileira.

Um indicador da continuidade desta disputa é o fato de alguns municípios continuarem oferecendo os benefícios fiscais para determinadas atividades, mesmo que contrariando a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça.

Por outro lado, a importância econômica do setor de serviços já registra um forte crescimento em municípios como São Paulo em detrimento do setor industrial, principalmente devido a êxodo de industrias para cidades menores, onde podem desenvolverem-se. Desta forma torna-se de extrema importância para os municípios proteger os prestadores locais contra uma verdadeira concorrência desleal de outros prestadores beneficiados com renuncias fiscais dos municípios vizinhos.

Esta situação aliada ao fato dos municípios, tendo em vista a escassez de recursos repassados pela União e pelo Estado, voltam-se para a identificação e recuperação de verbas oriundas de tributos próprios, como é o caso do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza.

Sob o aspecto meramente jurídico as tentativas até agora implementadas demonstram que os tomadores de serviços poderão sair prejudicados pela inclusão no preço do serviço de duas parcelas de imposto pelo prestador.

Neste sentido a Lei Complementar 116/2003 avançou em instituir a substituição tributária em vários serviços beneficiados com renuncias fiscais por alguns municípios. Mas ao mesmo tempo, os municípios podem instituir outras substituições tributárias de acordo com o Código Tributário Nacional, o que pode aumentar guerra fiscal do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza.

Maior e mais efetivo avanço, o legislador complementar conseguiu ao determinar como local de recolhimento aquele onde o serviço é prestado para os 22 serviços, os quais, conforme abordamos anteriormente, em geral são executados no estabelecimento do tomador, sendo que muitos os prestadores destes serviços estão localizados no em torno do município do tomador.

Por fim concluímos que a substituição tributária do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza, por si só não garante o término da guerra fiscal entre os municípios, porém devemos considera-la com parte de um conjunto normativo que restrinja o a atuação de municipalidades, que embora tenham o legítimo direito de fomentar o desenvolvimento de seus territórios, exacerbam-no em prejuízo de outros municípios criando diversas distorções.

BIBLIOGRAFIA :

[1] MACHADO, Hugo de Brito, Curso de Direito Tributário, ed. 19ª, Malheiros Editores, 2001, pág. 189 e 190.

[2] ATALIBA, G. Hipótese de incidência tributária. 5ª ed. São Paulo: Malheiros, 1993, p. 196, apud SOARES DE MELLO, J. E.

[3] BORGES, Humberto Bonavides, Curso de Especialização de Analistas Tributários, IPI, ICMS e ISS, Atlas, 2001, p.85 e 86

[4}CARDOSO, Daniel Gatschnigg, A lista de serviços tributáveis da LC 116. Gazeta Mercantil, Caderno Legal & Jurisprudência, p.1,ano III, ed.03/12/2003

[5] FIGUEIREDO, Adriana Stamato, O local do pagamento do ISS na LC 116/03. Fiscosoft, São Paulo, ago.2003.Disponivel em: . Acesso em: 21/08/2003

[6] SOARES DE MELLO, J. E. Aspectos teóricos e práticos do ISS. 2. ed. São Paulo: Dialética, 2001, p. 112..

[7] BORGES, Humberto Bonavides, Curso de Especialização de Analistas Tributários, IPI, ICMS e ISS, Atlas, 2001, p.85 e 86

[8] NYGAARD, Gustavo, O ISS e os limites para as prefeituras. Gazeta Mercantil, Caderno Legal & Jurisprudência, p.1,ano III, ed.02/12/2003

REFERENCIAS LEGISLATIVAS :

Constituição Federal de 1988

Decreto-Lei 406/68

Lei Complementar 116/2003

Lei do Municipio de São Paulo nº13.476/2002

Elaborado em 12.2003.

 
Aloisio José Alves de Oliveira*
aloisio_oliveira@yahoo.com.br
Texto publicado originalmente no Jus Navigandi (www.jus.com.br), reproduzido mediante permissão expressa do site e de seu autor.
Leia também os seguintes comentários da FISCOSoft:
vazio· 21/05/2013 - São Paulo/SP - ISS - Responsabilidade Tributária - Atividades cujo ISS deve ser retido na Fonte por todas as Pessoas Jurídicas do Município de São Paulo - Roteiro de procedimentos

vazio· 18/02/2009 - São Paulo/SP - ISS - Responsabilidade Tributária - Atividades cujo ISS deve ser retido na Fonte por todas as Pessoas Jurídicas do Município de São Paulo - Roteiro de procedimentos - Regras a serem observadas até 08.07.2011

vazio· 27/08/2007 - Rio de Janeiro/RJ - ISS - Retenção na Fonte e Recolhimento do ISS pelos Responsáveis Tributários no Rio de Janeiro

vazio· 24/08/2007 - Rio de Janeiro/RJ - ISS - Pessoa Jurídica Tomadora de Serviços - Novas Obrigações a Partir de 1º de Setembro de 2007 - Atualizado de Acordo com o Decreto nº 28.248/2007 e Resolução SMF nº 2.515/2007

vazio· 10/08/2007 - ISS/Brasília - Substitutos Tributários e Responsáveis pelo Recolhimento do ISS - Atribuição Legal - Atualizado de Acordo com o Decreto nº 26.410/2005.

vazio· 03/08/2007 - São Paulo/SP - ISS - Responsabilidade Tributária - Atividades cujo ISS deve ser retido na Fonte por todas as Pessoas Jurídicas do Município de São Paulo - Roteiro de procedimentos - Regras a serem observadas até 31.12.2008

vazio· 09/01/2007 - São Paulo/SP - ISS - Alteração nas Regras de Retenção na Fonte - Responsáveis Tributários Afetados - Empresas de Aviação e Sociedades que explorem Serviços de Planos de Medicina ou Saúde e Convênios.

vazio· 01/11/2006 - ISS/Porto Alegre - Substituição Tributária - Regras Gerais - Atualizado de Acordo com a Lei Complementar nº 540/2006

vazio· 07/02/2006 - ISS/SP - Retenção na Fonte - Mudança nas Regras para o Ano de 2006

vazio· 06/12/2005 - ISS - Novas Obrigações para as Pessoas Jurídicas do Município de São Paulo que Tomarem ou Intermediarem Serviços a partir de 1º de Janeiro de 2006.


  Leia o curriculum do(a) autor(a): Aloisio José Alves de Oliveira.



- Publicado em 25/05/2004



Todas as legislações citadas neste artigo estão disponíveis na íntegra no CHECKPOINT. Se você ainda não é usuário faça AQUI sua solicitação de acesso para degustação.

Veja também outros artigos do mesmo assunto:
· ISS e Cartórios - Lei Complementar 116/03 - Alexandre Pontieri*
· Substituição Tributária - Pagamento Antecipado - Mercadorias Constantes em Estoque antes da Vigência da Lei - Inaplicabilidade - Fernando Alves*
· A Substituição Tributária no Setor de Autopeças Paulista - Eduardo Fuser Pommorsky*
· As Incorporações e o Compromisso de Venda de Imóveis a Construir ou em Construção: Não-Incidência do ISS - Robson Sitorski Lins*
· ISS: Atividade-Meio X Atividade-Fim - Tainá Mundim Veloso Pereira*