Pesquisa por expressão: e/ou por período: até  
Artigos por Autor:   A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z

Artigos por Assunto    pixel

Sandro Zorzanelli Coelho 
O autor é contador; advogado; pós-graduando em contabilidade e cursando MBA em controladoria e finanças.

Artigo - Municipal - 2004/0098

A tributação do ISSQN na exportação
Sandro Zorzanelli Coelho*

Com a entrada em vigor da Lei Complementar 116/2003, que dispõe sobre o ISSQN - Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza, algumas atividades passaram a ser tributadas pelo ISSQN em detrimento da tributação pelo ICMS, outras interessantes alterações ocorreram na tributação das empresas, quando esta norma tributária é vista em conjunto com outras normas de mesmo matiz.

Muito embora a tributação pelo ISSQN seja mais favorável a algumas empresa prestadoras dos serviços, o mesmo não se poderá alegar quando estes serviços forem efetuados visando o mercado externo.

Ocorre que, para o mercado externo as empresas têm garantido a imunidade tributária do ICMS, ditada constitucionalmente (art. 155, X, a), e também a isenção operada pela Lei Complementar 87/1996 (art.3º, II).

O mesmo não se pode dizer sobre o ISSQN.

A Constituição Federal, deixou a cargo do legislador infraconstitucional a tarefa de isentar do ISSQN a tributação dos serviços prestados com destino ao exterior (art. 156, § 4º, II). Porém não foi isso que o legislador pátrio fez.

A LC 116/2003 (art. 2º, I) isenta da tributação pelo ISSQN a exportação de serviço para o exterior do país.

Mas o parágrafo único deste mesmo artigo, numa engenhosa artimanha de engodo ao contribuinte assevera que:

"Não se enquadram no disposto no inciso I os serviços desenvolvidos no Brasil, cujo resultado aqui se verifique, ainda que o pagamento seja feito por residente no exterior".(grifo nosso)

Ora, lógico é que, todo serviço aqui prestado, o resultado aqui se verificará. Só serão verificados resultados no país alienígena quando lá o serviço for prestado.

Desta forma o legislador permite que seja isento de ISSQN apenas os serviços prestados pelas empresas brasileiras em território estrangeiro. Se o serviço for prestado ao consumidor estrangeiro em terras brasileiras o mesmo será tributado pelo ISSQN.

Particularmente consideramos que tal disposição da LC 116/2003 fere o princípio da supremacia constitucional, pois a constituição não forneceu liberalidade para o legislador complementar isentar ou não isentar a prestação de serviços.

A norma estabelecida no art. 156, § 4º, II da CRFB é norma cogente, obriga ao legislador complementar a imunizar do ISS as exportações de serviço para o exterior; não podendo o mesmo alterar os ditames constitucionais, como o fez no parágrafo único do artigo 2º da LC 116/2003.

Para sanar esta irregularidade legal, resta ao particular discutir judicialmente o assunto, alegando a inconstitucionalidade do parágrafo único do artigo 2º da LC 116/2003.

Elaborado em 11.2003.

 
Sandro Zorzanelli Coelho*
sandrozc@ig.com.br
Texto publicado originalmente no Jus Navigandi (www.jus.com.br), reproduzido mediante permissão expressa do site e de seu autor.
Leia também os seguintes comentários da FISCOSoft:
vazio· 03/03/2008 - Manaus/AM - Instituição de Educação, Assistência Social, Pesquisa e Desenvolvimento - Reconhecimento e Suspensão da Imunidade - Atualizado de Acordo com a Lei nº 1.182/2007

vazio· 28/05/2004 - ICMS/IPI - Livros, Jornais, Periódicos - Alcance da Imunidade Constitucional - Decisão do STF- RE 221239.

vazio· 26/04/2004 - ISS - Senado Aprova Projeto de Lei Complementar que Promove Alterações na Tributação do ISS

vazio· 01/04/2004 - ISS - Lei Complementar nº 116/2003 - Alteração das Normas Gerais do ISS e a Nova Lista de Serviços


  Leia o curriculum do(a) autor(a): Sandro Zorzanelli Coelho.



- Publicado em 12/04/2004



Todas as legislações citadas neste artigo estão disponíveis na íntegra no CHECKPOINT. Se você ainda não é usuário faça AQUI sua solicitação de acesso para degustação.

Veja também outros artigos do mesmo autor:

Veja também outros artigos do mesmo assunto:
· ISS e Cartórios - Lei Complementar 116/03 - Alexandre Pontieri*
· O Novo Incentivo Fiscal da Receita Federal que Permite ao Beneficiário do Drawback, Adquirir Insumos no Mercado Interno com Suspensão de Tributos - Nilo Michetti*
· As Incorporações e o Compromisso de Venda de Imóveis a Construir ou em Construção: Não-Incidência do ISS - Robson Sitorski Lins*
· ISS: Atividade-Meio X Atividade-Fim - Tainá Mundim Veloso Pereira*
· Industrialização por Encomenda: IPI/ICMS ou ISS? - Kiyoshi Harada*