Pesquisa por expressão: e/ou por período: até  
Artigos por Autor:   A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z

Artigos por Assunto    pixel

Paulo Vicente Gomes Carmo 
Consultor Tributário da Autbank Projetos e Consultoria Ltda. e autor dos Livros Manual do IOF e Entenda a CPMF.e membro convidado da Comissão Consultiva para Assuntos Tributários da ABBI-Associação Brasileira de Bancos Internacionais.

Artigo - Federal - 2003/0466

A incidência do IOF sobre saques ou depósitos em caderneta de poupança - Uma nova contribuição
Paulo Vicente Gomes Carmo*

Tomando conhecimento do texto de autoria de Fabiano Emídio de Lucena Martins, publicado originalmente no Jus Navegandi (www.jus.com.br) e reproduzido pela FISCOSoft (www.fiscosoft.com.br), permitimo-nos, "data venia", reunir àquele trabalho nossos comentários sobre o assunto em foco, o qual diz respeito à "nova" incidência tributária instituída pela Lei nº 8.033, de 12.04.1990.

Inicialmente, registramos a nossa surpresa quanto ao enfoque do articulista, ao tratar, em novembro de 2002, matéria tributária declarada inconstituicional desde 1.999, quando descreve, logo no "Intróito" e na "Posição Minoritária", a divergência "doutrinária e jurisprudencial" existente, indagando se "as operações de saque ou depósito efetuadas em caderneta de poupança configurariam fato gerador do IOF, constituindo ou não operações de crédito ou operações relativas a títulos e valores mobiliários".

Sem pretender polemizar o tema, o conjunto de incidências tributárias estatuído naquela norma legal, em nossa opinião, era claro o bastante para não permitir qualquer dúvida quanto a tratar-se de imposto incidente sobre Operações Relativas a Títulos de Valores Mobiliários, não gerando, por isso, nenhuma "divergência doutrinária e jurisprudencial". (Ver, a propósito, Carmo, P.V.G., Manual do IOF, 1a. edição, Editora Frase, S. Paulo, 1995, cap. 9, pp 231 a 272).

Embora na atualidade a discussão desse assunto tenha se tornado irrelevante, posto ter sido declarada a inconstitucionalidade das hipóteses previstas nos incisos II, III e V do art. 1º da Lei nº 8.033, de 1990, bem como as hipóteses previstas nos incisos I e IV terem tido suas alíquotas reduzidas a Zero por força do art. 45, inciso I da Medida Provisória nº 542, de 30.06.1994, vamos tentar, à guisa de colaboração, destacar alguns pontos importantes com relação ao IOF sobre Operações Relativas a Títulos e Valores Mobiliários, principalmente no tocante à possibilidade de o contribuinte pleitear a restituição do imposto pago indevidamente, por força de lei declarada insconstitucional, como é o caso (Ver item 3 deste trabalho).

1. HISTORICAMENTE

A Lei nº 5.143, de 20.10.1966, em vigor a partir de 01.01.1967, foi quem instituiu o IOF - Imposto sobre Operações Financeiras e só previa a incidência sobre as "Operações de Crédito" e sobre as "Operações de Seguro", embora o Código Tributário Nacional (Lei nº 5.172/66), promulgado alguns dias após a lei instituidora do IOF estabelecesse no art. 63 o seu nome como sendo "Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, e sobre Operações Relativas a Títulos e Valores Mobiliários".

Todavia, foi o Decreto-Lei nº 1.783, de 18.04.1980 quem, efetivamente, estendeu a incidência do IOF às "Operações de Câmbio" e às "Operações Relativas a Títulos e Valores Mobiliários", enquanto o Decreto-Lei nº 2.395, de 21.12.1987, pelo seu art. 4º, declarou as "Operações Relativas a Títulos e Valores Mobiliários" isentas do IOF.

Em 1.990, de forma inusitada e com o evidente propósito de "criar um imposto de natureza confiscatória", que incidiria "uma só vez", a Lei nº 8.033, de 12.04.1990, instituiu o IOF de caráter transitório, dispondo as suas regras, em linhas gerais, da seguinte maneira:

Art. 1º - O IOF transitório incide na:

I - Primeira transmissão, alienação, resgate ou liquidação de títulos e aplicações financeiras de renda fixa à alíquota de 8%. Em 1994 essa alíquota foi reduzida para Zero pela MP 542, de 30.06.94, art. 45, inciso I.

II - Alienação de ouro, ativo financeiro, físico ou custodiado à alíquota de 35%. Obrigatória a apresentação até 18.05.90, da Declaração de Ativos Financeiros e IOF - DIOF, aprovada pela Instrução Normativa nº 66, de 25.04.90, do Departamento da Receita Federal. No caso de pagamento antecipado, mediante a apresentação da DIOF, havia redução da alíquota de 35% para 15%. Em 1994 essa alíquota foi reduzida para 15% pela MP 542, de 30.06.94, art. 45, inciso II.

III - Transmissão ou resgate de título representativo de ouro à alíquota de 35%. Obrigatória a apresentação da Declaração de Ativos Financeiros e IOF - DIOF, até 18.05.90. No caso de pagamento antecipado, mediante a apresentação da DIOF, havia redução da alíquota de 35% para 15%. Em 1994 essa alíquota foi reduzida para 15% pela MP 542, de 30.06.94, art. 45, inciso II.

IV - Alienação ou transmissão de ações de companhias abertas à alíquota de 25%. Obrigatória a apresentação da Declaração de Ativos Financeiros e IOF - DIOF, até 18.05.90. No caso de pagamento antecipado, mediante a apresentação da DIOF, havia redução da alíquota de 25% para 8%. Em 1994 essa alíquota foi reduzida para Zero pela MP 542, de 30.06.94, art. 45, inciso I.

V- Saques em Cadernetas de Poupança, tendo como Base de Cálculo o valor que excedesse a 35.242,28 BTNF por titular de conta individual ou conjunta, cujos titulares tivessem CPFs distintos, à alíquota de 20%. Obrigatória a apresentação da Declaração de Ativos Financeiros e IOF - DIOF, até 18.05.90. No caso de pagamento antecipado, mediante a apresentação da DIOF, havia redução da alíquota de 20% para 8%. Em 1994 essa alíquota foi reduzida para Zero pela MP 542, de 30.06.94, art. 45, inciso I.

2. INCONSTITUCIONALIDADE

Uma a uma, essas hipóteses de incidência foram sendo declaradas inconstitucionais:

Por decisão plenária do Supremo Tribunal Federal, as hipóteses de incidência definidas nos incisos II e III do art. 1º, da Lei nº 8.033/90, e pela Resolução nº 52, de 22.10.99, do Senado Federal, foi suspensa a execução e o cumprimento da Lei no tocante a esses incisos.

O Supremo Tribunal Federal, no julgamento do Recurso Extraordinário nº 232.467, declarou inconstitucional o inciso V do art. 1º, da Lei nº 8.033/90.

Assim, consideradas inconstitucionais as hipóteses de incidência previstas nos incisos II (alienação de ouro físico ou custodiado), III (transmissão ou resgate de título representativo de ouro) e V (saques em Caderneta de Poupança), não há mais o que se discutir em torno do assunto, e, muito menos, questionar se o saque em Caderneta de Poupança está sujeito ao IOF, seja sobre Operações de Crédito, seja sobre Operações Relativas a Títulos e Valores Mobiliários.

3. RESTITUIÇÃO DO INDÉBITO

O contribuinte que tenha entregue a Declaração de Ativos Financeiros e IOF - DIOF, e recolhido o imposto sobre a alienação de ouro, o resgate de título representativo de ouro e saldo em Caderneta de Poupança, pode pleitear a restituição do IOF, nos termos do Ato Declaratório nº 96, de 26.11.1.999, do Secretário da Receita Federal, assim divulgado:

"O Secretário da Receita Federal, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o teor do Parecer PGFN/CAT/nº 1.538, de 1999, declara:

I - o prazo para que o contribuinte possa pleitear a restituição de tributo ou contribuição pago indevidamente ou em valor maior que o devido, inclusive na hipótese de o pagamento ter sido efetuado com base em lei posteriormente declarada inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal em ação declaratória ou em recurso extraordinário, extingue-se após o transcurso do prazo de cinco anos, contados da data da extinção do crédito tributário". (...)

Para obter a restituição do IOF, o contribuinte, Pessoa Física ou Jurídica, deve efetuar a solicitação mediante o preenchimento do formulário "Pedido de Restituição", o qual é apresentado à Unidade da Secretaria da Receita Federal de seu domicílio fiscal, acompanhado dos comprovantes do pagamento (DARFs autenticados) e da Declaração de Ativos Financeiros e IOF - DIOF, como demonstrativo de cálculo. (Mais detalhes, ver Carmo, P.V.G., Manual do IOF, 2a. edição, Editora Frase, S. Paulo, 1998, cap. 15, pp 337 a 344).

Pessoas que disponham de meios eletrônicos, poderão formalizar a sua solicitação junto à SRF, via Internet, por meio do Pedido Eletrônico de Restituição utilizando-se o Programa Receitanet, que está disponível no endereço http://www.receita.fazenda.gov.br, conforme estabelecido pela Instrução Normativa SRF nº 320, de 11.04.2003.

4. NOVAS SITUAÇÕES ATÉ A ATUALIDADE

Após a Lei do IOF Transitório, e com o advento do Decreto nº 99.374, de 09.07.1990, instituiu-se a incidência diária do IOF sobre aplicações financeiras de Renda Fixa, sobre operações de financiamento realizadas em bolsas de valores, de futuros, de mercadorias e assemelhadas, e sobre o resgate de quotas de fundos de aplicação financeira de curto prazo, estabelecendo, como regra básica, a apuração do imposto mediante a aplicação de alíquotas diferenciadas e decrescentes, conforme o número de dias úteis em que os recursos permanecessem aplicados, podendo chegar ao limite zero de alíquota e zero de imposto.

Posteriormente, o Decreto nº 329, de 01.11.1991. deu nova disciplina à tributação sobre os títulos e aplicações financeiras de renda fixa e de renda variável e revogou expressamente a regulamentação baixada pelo Decreto nº 99.374, mantendo, contudo, as regras básicas de alíquotas diferenciadas e decrescentes, conforme o número de dias úteis da aplicação financeira. O Decreto nº 329/91 foi sendo sucessivamente alterado pelos Decretos 985, de 12.11.1993, 1.031, de 20.12.1993 e 1.259, de 29.09.94.

A Lei nº 8.894, de 21.06.1.994, redefiniu as regras (alíquota máxima ao dia e base de cálculo) aplicáveis sobre as operações de crédito e relativas a títulos e valores mobiliários e câmbio.

A Lei nº 8.981, de 20.01.1995, art. 76, reduziu a zero as alíquotas incidentes sobre as operações com títulos e valores mobiliários de renda fixa e de renda variável e o Regulamento do IOF (Decreto nº 2.219, de 02.05.1995), ratificou a alíquota zero para essas operações e revogou os Decretos 329/91, 1.032/93 e 1.250/94.

Por último, o Decreto 4.494, de 03.12.2002 (Novo Regulamento do IOF em vigor a partir de 04.12.2002), redefiniu o fato gerador, os contribuintes e responsáveis, a base de cálculo, as alíquotas e a isenções aplicáveis sobre as Operações Relativas a Títulos e Valores Mobiliários (artigos 25 a 37), e revogou o Decreto nº 2.219/95.

5. CONCLUSÃO

Os saques ou depósitos em Caderneta de Poupança jamais foram elencados como hipótese de incidência do Imposto sobre Operações de Crédito, porque não podem ser caracterizados como concessão de crédito; ao contrário, a Caderneta de Poupança é um dos mais eficientes instrumentos de captação de recursos utilizados pelas instituições do Sistema Financeiro Nacional, sendo, em linguagem bancária, classificada como título ou valor mobiliário de renda fixa.

De acordo com a legislação em vigor, não há incidência do IOF, nem nos saques, nem nos depósitos efetuados em Cadernetas de Poupança.

Em 1.990 houve a incidência transitória, que deveria ocorrer uma só vez. Em razão dessa hipótese de incidência haver sido declarada inconstitucional, possibilita aos contribuintes que tenham feito tal pagamento de IOF requeiram a sua restituição, a qual virá acrescida de juros calculados à mesma taxa do Selic.

São Paulo, junho de 2003

 
Paulo Vicente Gomes Carmo*
autbank@autbank.com.br
Leia também os seguintes comentários da FISCOSoft:
vazio· 24/11/2016 - Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF) - Operações de Crédito - Roteiro de Procedimentos

vazio· 14/06/2016 - Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF) - Operações de Câmbio - Roteiro de Procedimentos

vazio· 22/01/2016 - Destaque de tributos quando da emissão de documentos fiscais - Roteiro de procedimentos

vazio· 29/01/2015 - Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF) - Operações de mútuo - Roteiro de Procedimentos

vazio· 07/01/2008 - IOF - Operações de Crédito, Câmbio e Seguro - Majoração Promovida Pelos Decretos nº 6.339/2008 e nº 6.345/2008

vazio· 16/10/2006 - IOF - Operação de Crédito - Cobertura de Saldo Devedor - Transferência entre Instituições Financeiras - Alíquota Zero

vazio· 02/01/2003 - IPI - IOF - PIS/COFINS e Comércio Exterior - Novos Regulamentos

vazio· 15/03/2001 - IRF/IOF - Fundo de Aposentadoria Programada Individual - Transferência para Outro FAPI - Isenção - IN SRF nº 25/2001, Art. 16.

vazio· 27/03/2000 - Previdência Privada não tem Imunidade no IOF (Notícias TRF 2a Região 24/03/2000)

vazio· 10/08/1999 - IOF e IRF - Alterações na incidência do IOF e do Imposto de Renda nas aplicações em fundos de investimento. Incidência do IOF sobre as operações com títulos de renda fixa das carteiras de investimento de investidores estrangeiros - IN SRF 93/99 e IN SRF 94/99


  Leia o curriculum do(a) autor(a): Paulo Vicente Gomes Carmo.



- Publicado em 07/07/2003



Todas as legislações citadas neste artigo estão disponíveis na íntegra no CHECKPOINT. Se você ainda não é usuário faça AQUI sua solicitação de acesso para degustação.

Veja também outros artigos do mesmo assunto:
· O fato gerador da obrigação acessória - Lana Mara Pessoa de Moura*
· Os Provedores na Internet e o ICMS - Ives Gandra da Silva Martins*
· A não incidência do Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores - IPVA sobre Aeronaves e Embarcações - Eduardo Correa da Silva*
· PIS e COFINS - Questionamento acerca da impossibilidade de outras receitas que não seja proveniente da venda de mercadorias ou da prestação de serviços integrarem a base de cálculo das referidas contribuições. - Niedson Manoel de Melo*
· Estudo do Frete na Base de Cálculo do IPI. - Rinaldo Maciel de Freitas*