Pesquisa por expressão: e/ou por período: até  
Artigos por Autor:   A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z

Artigos por Assunto    pixel

Ives Gandra da Silva Martins 
Professor Emérito das Universidades Mackenzie, UNIP, UNIFIEO, UNIFMU, do CIEE/O Estado de São Paulo, das Escolas de Comando e Estado-Maior do Exército - ECEME, Superior de Guerra - ESG e da Magistratura do Tribunal Regional Federal-1ª Região. Professor Honorário das Universidades Austral (Argentina), San Martin de Porres (Peru) e Vasili Goldis (Romênia). Doutor Honoris Causa das Universidades de Craiova (Romênia) e da PUC-Paraná, e Catedrático da Universidade do Minho (Portugal).

Artigo - Estadual - 2002/0014

A Internet e as questões tributárias:
ISS ou ICMS?
Ives Gandra da Silva Martins*

Valor Econômico dias 11 a 14.10.2001 - p. B2

Recente decisão do STJ, em voto da lavra do eminente Ministro José Delgado, entendeu serem os provedores de acesso à Internet sujeitos, em suas atividades, ao ICMS, por prestarem serviços de comunicação.

Nada obstante o profundo respeito e admiração que tenho pelo Ministro José Delgado, convergindo em posições com a esmagadora maioria de suas teses jurídicas, não me parece que, sua inteligência sobre esta matéria, tenha refletido todos os aspectos que a questão enseja, talvez influenciado por Marco Aurélio Greco, a quem cita, por diversas vezes ao longo do voto condutor, o qual reflete, em seus estudos sobre a matéria, apenas a posição favorável ao Fisco. Tenho a esperança de que S.Exa., o Min. José Delgado, em posicionamento ainda não definitivo, possa reexaminar seu entendimento, à luz do que me parece fundamental na questão.

De início, se o constituinte destinou o campo das comunicações para incidência do ICMS (art. 155 inciso II), não é menos verdade que, em relação às telecomunicações, outorgou competência exclusiva à União para definir o que sejam serviços de tal natureza (art. 21, inciso XI da C.F.). Desta forma, tendo determinado que à União cabe declarar quais são os serviços de telecomunicações, somente sobre os serviços assim definidos em lei federal podem os Estados fazer incidir o ICMS.

A "contrário sensu", o que não for serviço de telecomunicações, mas servir apenas como suporte a tais atividades, não cabe aos Estados tributarem, por falta de competência impositiva sobre esses serviços que não são assim considerados por quem de direito. Por outro lado, se o serviço estiver vinculado às "telecomunicações", mas não for serviço de "telecomunicação", não pode tampouco ser considerado serviço de "comunicação", apenas em decorrência daquela vinculação. O que estiver relacionado com a telecomunicação ou é serviço de telecomunicação ou não é serviço de comunicação, à falta de "pertinência temática", se pudesse, no caso, fazer uso da expressão consagrada pela Suprema Corte.

Houve por bem, a União, com exclusiva, privativa e única competência, tanto para explorar a atividade quanto para legislar sobre a matéria, reconhecer e estabelecer que o "provedor de acesso" não exerce atividade de telecomunicação, prestando apenas um serviço paralelo, adicional ao de telecomunições, razão pela qual, apesar de ser utilizado apenas como auxiliar às "telecomunicações", não é serviço de "telecomunicação" (art. 61 § 1º da Lei 9472/97). E agiu bem, na medida em que os provedores são, eles próprios, usuários das linhas telefônicas --estas sim suporte material da prestação de serviços de telecomunicações- consistindo sua atividade em meros serviços de seleção e acesso, típicos de intermediação.

Ora, se a lei federal declara que os provedores de acesso não prestam serviços de "telecomunicações", como pretender que prestem serviços de "comunicação em geral", apenas pelo fato de estarem vinculados à atividade de "telecomunicação"? Admitir que os provedores exerçam atividades de "telecomunicações", apesar da lei federal dizer que não, é permitir que o legislador estadual invada área de exclusiva competência do legislador federal, em incursão de manifesta inconstitucionalidade.

Tal matéria foi discutida por todos os autores do livro "Tributação na Internet", da Editora Revista dos Tribunais, e foi objeto, no último 20/10, de exame no XXVI Simpósio Nacional de Direito Tributário do Centro de Extensão Universitária, com abertura proferida pelo Ministro José Carlos Moreira Alves do Supremo Tribunal Federal.

É de se notar que a esmagadora maioria dos autores entendeu que os provedores de acesso exercem atividade não sujeita ao ICMS, mas ao ISS, dependendo, para que seja tributada, de lei complementar que a coloque em lista de serviços. E há, no momento, no Congresso Nacional, projeto de lei complementar para incluir o serviço dos provedores de acesso na lista de serviços sujeito ao ISS, nos termos determinados pela Constituição Federal (art. 156, inciso III).

 
Ives Gandra da Silva Martins*
Advogado em São Paulo (SP), professor emérito de Direito Econômico da Universidade Mackenzie
Texto publicado originalmente no Jus Navigandi (www.jus.com.br), reproduzido mediante permissão expressa do site e de seu autor.
Leia também os seguintes comentários da FISCOSoft:
vazio· 05/12/2005 - ISS/RJ - Ampliação Indireta da Lista de Serviços - Alterações Promovidas pelo Decreto nº 25.922/2005

vazio· 25/11/2005 - ISS/RJ - Impressos Personalizados e Outros Serviços - Conceito de Comercialização e Industrialização na Legislação Municipal - Alterações Promovidas pelo Decreto nº 25.922/2005

vazio· 17/08/2005 - Municipal/ISS - Arrendamento Mercantil - Conceito, Particularidades e Incidência do ISS

vazio· 31/01/2005 - ISS/SP - Veiculação e Divulgação de Textos, Desenhos e outros Materiais de Propaganda e Publicidade - Não Incidência do ISS e Impossibilidade de Emissão de Nota Fiscal de Serviços para Registrar as Operações.

vazio· 13/01/2005 - ISS/SP - Produção, gravação, edição, legendagem e distribuição de filmes, videotapes, discos, fitas cassete, compact disc, digital video disc e congêneres - Não Incidência do ISS e Impossibilidade de Emissão de Nota Fiscal de Serviços para Registrar as Operações.

vazio· 18/10/2004 - ISS/SP - Cyber Café e Lan House - Situação Tributária

vazio· 14/10/2004 - ISS/SP - Provedores de Serviço de Conexão à Internet - Situação Tributária

vazio· 14/10/2004 - ISS/SP - Acesso a Páginas Eletrônicas - Situação Tributária

vazio· 08/09/2004 - ISS - Lista de Serviços - Atividades com Ressalvas - Incidência do ISS e do ICMS

vazio· 30/08/2004 - ISS/RJ - A Nova Lista de Serviços e as Alíquotas do ISS para os Prestadores de Serviços do Município do Rio de Janeiro - Lei nº 3.691/2003


  Leia o curriculum do(a) autor(a): Ives Gandra da Silva Martins.



- Publicado em 04/02/2002



Todas as legislações citadas neste artigo estão disponíveis na íntegra no CHECKPOINT. Se você ainda não é usuário faça AQUI sua solicitação de acesso para degustação.

Veja também outros artigos do mesmo autor:

Veja também outros artigos do mesmo assunto:
· Representação Fiscal para Fins Penais e a Portaria CAT 5/2008 - ICMS e IPVA - Ataíde Marcelino Júnior*
· A Tributação, Eletrônico-Digital, levando-se em Conta o ICMS: Algumas Provocações Acerca do Fato Gerador e do Fundo de Comércio Virtual, com Base no Hodierno Estado de Conhecimento - Luiz Edmundo Celso Borba*
· ISS e Cartórios - Lei Complementar 116/03 - Alexandre Pontieri*
· O ICMS na Proposta de Reforma Tributária Frente os Problemas do Federalismo Fiscal Brasileiro - Empecilhos de uma Harmonização Tributária - Marcell Feitosa Correia Lima*
· Estado de Minas Gerais Aceita Pagamento de ICMS com Precatórios - Roberto Rodrigues de Morais*