Pesquisa por expressão: e/ou por período: até  
Artigos por Autor:   A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z

Artigos por Assunto    pixel

Luiz Fernando Mussolini Júnior 
Advogado e Contabilista. Juiz da Câmara Superior do Tribunal de Impostos e Taxas de São Paulo. Professor de Direito Tributário no UNIFECAP e nos cursos de Pós-Graduação do INSPER, da GV LAW, do IBET, da EPD e do UniTOLEDO.

Artigo - Municipal - 2002/0010

O IPTU progressivo é questão que envolve garantia fundamental da cidadania.
Luiz Fernando Mussolini Júnior *

A propósito do artigo recentemente publicado pela revista CONSULTOR JURÍDICO, de autoria do Dr. Sérgio Roxo da Fonseca, Procurador de Justiça aposentado e membro do Ministério Público Democrático, sob o título IPTU PROGRESSIVO VIROU QUESTÃO POLÍTICA, com o respeito que devemos ao ilustre subscritor, e não imbuídos de intento emulatório, cabe-nos, sem embargo, fazer algumas ponderações, a bem da verdade.

Ao contrário do quanto ali afirmado, queremos crer que a instituição do IPTU progressivo, com lastro no artigo 156, I, da Carta de 88, na redação conferida pela EC 29/2000 - que é a providência que vem sendo aventada em diversos Municípios brasileiros - é tema que tem implicações de caráter jurídico, em face da garantia constitucional inserta no artigo 150, IV, que consubstancia a vedação aos Entes Políticos de utilizar tributo com efeito de confisco.

Em realidade, o que agora é proposto pelas Municipalidades é algo visceralmente distinto do que se prevê na Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001, que cuida do chamado IPTU progressivo no tempo, modalidade esta que traduz excepcionalidade tributária vinculada à execução da política urbana, instrumento intervencionista que tem arrimo nos artigos 182 e 183 do Texto Maior.

Esta referida Lei, que efetivamente fixa alíquota máxima de 15% (quinze por cento) para o IPTU, não se aplica às situações atuais e não dá conforto à pretensão de cobrança do imposto com a marca de progressividade.

Incide, indubitavelmente, para o que agora se quer fazer, com esteio no artigo 156, I, da Constituição Federal, a proibição confiscatória.

Em outras palavras: se um Município tiver a intenção de cobrar IPTU progressivo em razão dos valores dos imóveis, com alíquotas diferentes de acordo com a localização e o uso dos mesmos, deverá fazê-lo com as cautelas que derivam da proteção constitucional contra o uso de tributo com efeito de confisco, sendo inimaginável que possa estabelecer alíquotas que cheguem a 15% (quinze por cento).

Deveras, pois se assim fosse possível, dar-se-ia aos Municípios o poder de, em seis anos de cobrança de IPTU, fazer praticamente uma insólita desapropriação dos imóveis selecionados, independentemente do pagamento da justa indenização.

Estas poucas considerações servem para alicerçar nosso entendimento de que as atuais pretensões de se imprimir progressividade ao IPTU, sem que tanto sirva como instrumento de execução de política urbana e ao pretexto de promoção de distribuição de renda e justiça social, envolvem questão não estritamente política, mas com severos reflexos jurídicos, porque há garantia constitucional pétrea em jogo.

 
Luiz Fernando Mussolini Júnior*
Advogado - Professor Titular em Direito Tributário da FACESP/FECAP- Juiz Contribuinte do Tribunal de Impostos e Taxas de São Paulo
E-mail: mussolini@pactum.com.br
Leia também os seguintes comentários da FISCOSoft:
vazio· 08/07/2010 - São Bernardo do Campo/SP - Programa de Incentivo à Cidadania Fiscal (PICF) - Geração de Créditos de ISS para Abatimento no IPTU - Roteiro de Procedimentos - Atualizado até 8 de julho de 2010

vazio· 16/12/2008 - Campinas/SP - IPTU e Taxas Imobiliárias - Transação Tributária por Adesão - Roteiro de Procedimento

vazio· 27/06/2005 - Municipal/RJ - Incentivo Fiscal - IPTU - Decreto nº 25.483/2005 - Imóvel Utilizado como Empreendimento Hoteleiro.

vazio· 14/06/2005 - Municipal/RJ - IPTU - Desconto para Empresas e Entidades Privadas na Contratação de Estagiários - Lei nº 4.055/2005

vazio· 29/12/2004 - Municipal/RJ - IPTU - Decreto nº 24.965/2004 - Pagamento com 10% de desconto


  Leia o curriculum do(a) autor(a): Luiz Fernando Mussolini Júnior.



- Publicado em 21/01/2002



Todas as legislações citadas neste artigo estão disponíveis na íntegra no CHECKPOINT. Se você ainda não é usuário faça AQUI sua solicitação de acesso para degustação.

Veja também outros artigos do mesmo autor:

Veja também outros artigos do mesmo assunto:
· IPTU: Reclamação e Revisão do Lançamento - José Hable*
· Imóvel Cultivado em Zona Urbana. IPTU, ITR ou Incentivo Fiscal? - Kiyoshi Harada*
· Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU): Capacidade Contributiva - Wanessa Mendes de Araújo*
· Nota Fiscal Eletrônica que Gera Créditos de IPTU: Incentivo ou Obrigação Fiscal? - Renato Poltronieri*
· A Progressividade do IPTU e a Destinação do Imóvel. Afinal, a Destinação do Imóvel ou suas Características Intrínsecas Admitem a Progressividade do Imposto? - Ricardo J. Klaym*